Brendan Hoffman/The New York Times
Brendan Hoffman/The New York Times

Zelenski e Biden discutem ações conjuntas para evitar escalada em fronteira com a Rússia

Presidentes conversaram por telefone neste domingo, 10, dias após telefonema entre americano e Vladimir Putin

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de janeiro de 2022 | 22h58

KIEV - Os presidentes ucraniano, Volodimir Zelenski, e americano, Joe Biden, conversaram neste domingo, 10, sobre a escalada de tensão na fronteira entre Rússia e Ucrânia, dias após o americano participar de um telefonema com seu homólogo russo, Vladimir Putin

"A primeira conversa internacional do ano com @POTUS prova a natureza especial de nossas relações", escreveu Zelenski no Twitter. Ele disse que os dois discutiram “ações conjuntas da Ucrânia, dos Estados Unidos e de parceiros para manter a paz na Europa, evitando mais escaladas.”

Biden aproveitou a ligação para reiterar o apoio de Washington a Kiev, informou a Casa Branca.  "O presidente deixou claro que os EUA e seus aliados e parceiros responderão de forma decisiva se a Rússia invadir ainda mais a Ucrânia", disse a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, em um comunicado.

No telefonema, Biden também destacou a Zelenski o "compromisso" dos Estados Unidos "com a soberania e integridade territorial da Ucrânia".

Esta é a segunda conversa entre os dois líderes em apenas algumas semanas, em meio à preocupação gerada pelo aumento da presença militar russa na fronteira com a Ucrânia, em um movimento visto por potências ocidentais como uma preparação para uma possível invasão do território. No momento, a Rússia tem cerca de 100 mil soldados na região.

Na última quinta-feira, 30, Biden travou um diálogo tenso com Putin. O democrata disse ao líder russo que os EUA estavam “preparados para responder” a uma possível ofensiva na Ucrânia. O presidente russo, por sua vez, alertou o americano que novas sanções podem levar ao rompimento das relações entre Rússia e EUA, classificando-as como um “erro colossal”. /REUTERS e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.