Zimbábue assina acordo para governo de coalizão na segunda

Governo e partido opositor ratificam proposta; Mugabe segue como presidente e Tsvangirar se torna premiê

Efe,

14 de setembro de 2008 | 13h47

Os líderes do opositor Movimento pela Mudança Democrática (MDC, na sigla em inglês) e da governista União Nacional Africana do Zimbábue-Frente Patriótica (Zanu-PF) se reunirão na segunda-feira, 15,, em Harare, para assinar o acordo ao qual chegaram na quinta-feira, que prevê a formação de governo de união nacional. Segundo fontes dos dois partidos, o pacto prevê a permanência no cargo do presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, enquanto o líder da oposição, Morgan Tsvangirai, vai ser primeiro-ministro e chefiará um segundo grupo de ministros, que ficará encarregado dos "assuntos diários do governo". O porta-voz da Presidência do Zimbábue, Patrick Chinamasa, confirmou neste domingo que o futuro Governo terá 31 ministérios, mas, conforme destacou, a forma como as pastas serão distribuídas ainda não foi definida. O funcionário também não especificou que atribuição cada um dos ministérios terá, mas reafirmou que, por enquanto, algumas das pastas permanecerão e que outras novas serão criadas. A cerimônia oficial de assinatura do acordo, que começará às 10h (5h de Brasília), vai ser acompanhada pelo presidente da África do Sul, Thabo Mbeki, mediador das negociações, e por vários líderes regionais e internacionais. Apesar da proximidade da assinatura do acordo, que seria a confirmação de um governo de unidade após quase três meses de negociações, alguns analistas políticos acreditam que a trégua ainda é muito delicada.

Tudo o que sabemos sobre:
Zimbábue

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.