Zimbábue chegou a ter apenas US$ 217 nos cofres públicos, diz ministro

Titular das Finanças diz ter revelado cifra para ressaltar que governo não tem recursos para eleições.

BBC Brasil, BBC

31 de janeiro de 2013 | 07h54

O ministro das Finanças do Zimbábue, Tendai Biti, disse que o país ficou com apenas US$ 217 (cerca de R$ 430) em caixa na semana passada, após o pagamento dos funcionários públicos.

No dia seguinte, no entanto, os cofres públicos foram reforçados com a entrada de cerca de US$ 30 milhões de receita.

Biti disse à BBC que revelou a informação para chamar a atenção para o fato de o governo não ter recursos para financiar as eleições, e não para sugerir que o país seja incapaz de pagar suas dívidas.

As eleições estão marcadas para este ano, e a disputa deve opor o partido do presidente Robert Mugabe, o Zanu-PF, contra o partido de Biti, o Movimento pela Mudança Democrática (MDC, em inglês).

Biti já havia reclamado das companhias de extração de diamantes que não teriam pagado impostos ao governo.

Hiperinflação

O governo de coalizão criado em 2009 colocou fim a anos de hiperinflação ao passar a adotar o dólar americano como moeda oficial, mas a economia do país permanece frágil.

Biti disse a um programa de rádio da BBC que sua declaração foi deliberadamente tirada de contexto.

"Vocês, jornalistas, são maliciosos", afirmou. "O ponto que eu queria chegar era que o governo não tem fundos para financiar as eleições."

"Para enfatizar isso, eu simplesmente fiz uma referência metafórica ao momento em que pagamos os funcionários na semana passada, mas no dia seguinte já tínhamos US$ 30 milhões em nossas contas."

O Zimbábue calcula que precisa de cerca de US$ 200 milhões (R$ 398 milhões) para financiar um referendo constitucional, além das eleições.

De acordo com o jornal local Herald, Biti e o ministro da Justiça, Patrick Chinamasa, foram incumbidos de obter a verba por meio de doações.

Analistas dizem que o governo de coalizão obteve estabilidade econômica, mas ressaltam que os altos índices de desemprego fazem com que a receita do país seja extremamente baixa.

"Estamos em uma situação desafiadora, somos uma economia pequena e temos problemas imensos a serem resolvidos, mas o ministro das Finanças da Grécia tem uma situação ainda pior", disse Biti, na entrevista à BBC. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
áfricaalsozimbábue

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.