Zimbábue dá ultimato a múltis para transferir controle

As empresas multinacionais que operam no Zimbábue têm duas semanas para apresentar seus planos para transferir o controle majoritário de suas operações locais ao governo ou aos funcionários. Várias empresas confirmaram que receberam cartas do ministro da Indigenização, Saviour Kasukuwere, dando a elas 14 dias para detalhar como vão transferir participações de 51% em suas operações para entidades ligadas ao governo ou estabelecer programas de controle compartilhado com seus funcionários. Caso contrário, elas perderão essas unidades.

AE, Agência Estado

20 de agosto de 2011 | 07h56

Os bancos britânicos Barclays e Standard Chartered, a indústria de alimentos suíça Nestlé, a British American Tobacco e várias mineradoras, entre elas a Zimplats, subsidiária da Impala Platinum Holdings, confirmaram que receberam a carta.

A lei de indigenização foi adotada pelo regime do presidente Robert Mugabe em 2008, e desde então as empresas estrangeiras que operam no Zimbábue têm vivido uma situação de incerteza quanto à sua implementação, pois não está claro como serão indenizadas. "Essas empresas estrangeiras terão de cumprir a lei, senão nós vamos pedir que elas deixem o país", afirmou Kasukuwere.

O ultimato causou pânico no setor bancário. O presidente do Banco Central do Zimbábue, Gideon Gono, propôs que o governo faça mais consultas e disse que as declarações do ministro Kasukuwere foram "precipitadas" e trazem o risco de "minar a recuperação da economia". Um porta-voz do primeiro-ministro Morgan Tsvangirai disse que há temores de que a ofensiva contra as empresas estrangeiras seja uma manobra populista. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
multinacionaisbancosÁfrica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.