Zimbábue declara emergência nacional por epidemia de cólera

Mais de 500 pessoas já morreram pela doença; país está parado politicamente desde as eleições de março

Agência Estado e Associated Press,

04 de dezembro de 2008 | 09h34

O Zimbábue declarou emergência nacional por causa da epidemia de cólera e do colapso de seu sistema de saúde, por causa da crise econômica. "Nossos hospitais centrais estão literalmente sem funcionar", afirmou o ministro da Saúde, David Parirenyatwa, em declaração publicada nesta quinta-feira, 4, pelo jornal Herald. O Zimbábue está paralisado politicamente desde as eleições de março. O presidente Robert Mugabe e a oposição não conseguem finalizar um acordo para divisão do poder. O país sofre com a maior inflação do mundo e a população enfrenta a falta de água, alimentos e problemas com outras necessidades básicas. O diário publicou que Parirenyatwa declarou estado de emergência na quarta-feira, em uma reunião com funcionários do governo e de entidades de auxílio internacionais, em Harare. Ele apelou por verbas para pagar médicos e enfermeiras, e também para comprar remédios, comida e equipamentos para os hospitais zimbabuanos. "Nossa equipe está desmotivada e nós precisamos de seu apoio para garantir que eles comecem a vir ao trabalho e para nosso sistema ser reativado", afirmou o ministro na reunião, segundo o Herald. As Nações Unidas aponta que mais de 500 pessoas morreram na epidemia de cólera no país. O problema é atribuído à falta de tratamento da água e a dutos de coleta de esgoto quebrados, em um país que já teve uma infra-estrutura considerada muito boa. O vice-ministro de Águas, Walter Mzembi, também presente na reunião da quarta-feira, disse que sua pasta tinha produtos químicos suficiente para tratar a água apenas por mais 12 semanas. Segundo o diário, havia membros de agências da ONU, embaixadas e organizações não-governamentais, para oferecer auxílio. A Comissão Européia anunciou na quarta-feira o envio de mais US$ 12 milhões para a compra de medicamentos e o fornecimento de água potável. A Cruz Vermelha Internacional anunciou que voltaria mais dinheiro para enfrentar a cólera no Zimbábue. "Nós precisamos unir nossos esforços e ver quão bem conseguimos responder a essa emergência", afirmou Agostinho Zacarias, o diretor do Programa de Desenvolvimento da ONU no país.  O cólera é uma doença gastrointestinal transmitida pela água contaminada e está relacionada a condições precárias de higiene, à superpopulação e à falta de saneamento adequado. A doença pode ser tratada com relativa facilidade, mas provoca muitas mortes em países pobres.

Tudo o que sabemos sobre:
Zimbábue

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.