Zimbábue usa espaço aéreo australiano para exportar carga ilegal

Segundo jornal The Age, país trocou 15t de carga não identificada por armas e bens de luxo com Pequim

Efe,

22 de julho de 2008 | 02h26

Os líderes militares do Zimbábue utilizam o espaço aéreo da Austrália para viajar à China e exportar ilegalmente marfim, ouro e diamantes, diz em sua edição desta terça-feira, 22, o jornal australiano The Age. Veja também:Governo e oposição assinam acordo para coalizão no Zimbábue No último ano, diversos vôos da Air Zimbabwe entraram no espaço aéreo australiano, no noroeste da ilha de Christmas, guiados pelos controladores do aeroporto de Brisbane. Os aviões, que cobrem a rota Zimbábue-Cingapura-Pequim, transportam militares, veteranos de guerra e toneladas de marfim, ouro e diamantes exportados de maneira ilegal. Um vôo da Air Zimbabwe, companhia aérea utilizada pelo palácio do presidente Robert Mugabe, exportou recentemente 15 toneladas de carga não identificada a Pequim para trocar por armas e bens de luxo, indicou o jornal, segundo fontes do setor da aviação do Zimbábue. O governo australiano reiterou sua intenção de aprovar sanções contra o regime do Zimbábue, que acusou de destruir a democracia e de empobrecer a população local. Brendan Nelson, o líder da oposição, pediu nesta terça-feira que o Governo australiano proíba a passagem de vôos da companhia zimbabuana por seu território.

Tudo o que sabemos sobre:
Zimbábue

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.