AP Photo/Mark Schiefelbein
AP Photo/Mark Schiefelbein

Zuckerberg defende Facebook das críticas de Trump

Presidente acusa a rede social de ser ‘sempre anti-Trump’; fundador da empresa garante que trabalha para garantir ‘eleições livres e justas’ com uma plataforma online que não favorece lado algum

O Estado de S.Paulo

28 Setembro 2017 | 08h43

SAN FRANCISCO, EUA - O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, respondeu na quarta-feira 27 ao presidente dos EUA, Donald Trump, que acusa a rede social de ser "sempre anti-Trump".

+ Rússia usou foto de brasileiro para criar perfil falso no Facebook e influenciar eleição americana

Zuckerberg rejeitou a afirmação do republicano e garantiu que o Facebook está trabalhando para garantir "eleições livres e justas" com uma plataforma online que não favorece lado algum.

A publicação de Zuckerberg surgiu após o presidente americano acusar a rede social de ser parcial, em um tuíte escrito na manhã da véspera. "Facebook sempre foi anti-Trump. As redes sempre foram anti-Trump", escreveu o líder.

"Trump diz que o Facebook é contra ele e os liberais dizem que ajudamos Trump. Os dois lados estão irritados com ideias e conteúdos dos quais não gostam, mas isto significa dirigir uma plataforma que dá oportunidade de expressão para todas as ideias", defendeu Zuckerberg.

O Facebook afirmou recentemente que entregará ao Congresso dos EUA informações sobre anúncios publicitários relacionados à Rússia que foram publicados na rede. A empresa revelou que, por apenas US$ 100 mil, supostos compradores vinculados a Moscou colocaram cerca de 3 mil anúncios em suas páginas em 2016 visando influenciar as eleições.

"Após a votação, afirmei que a ideia de que informação falsa divulgada no Facebook poderia ter mudado o resultado da eleição presidencial era uma loucura, mas isto foi precipitado de minha parte. Este é um assunto muito importante para haver precipitação", declarou Zuckerberg. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.