Novo Boeing 787 pousa pela primeira vez fora dos EUA

Aeronave fez 1º voo transatlântico até Farnborough, Inglaterra, onde será exposta em feira aeronáutica

Daniel Gonzales, do estadao.com.br, com agências,

18 de julho de 2010 | 16h57

Aeronave tem capacidade para até 330 passageiros e é fabricada de liga de titânio e carbono (Sang Tan/AP)

 

O novo ‘superavião’ de passageiros da fabricante norte-americana Boeing, o 787 Dreamliner, pousou na manhã deste sábado em Farnborough (Inglaterra), depois de ter feito seu primeiro voo transatlântico desde o Boeing Field, aeroporto próprio localizado em Everett, estado de Washington (Estados Unidos). O 787, com capacidade para até 330 passageiros, deve ser uma das grandes estrelas da feira aeronáutica inglesa de Farnborough durante a semana.

 

A nova aeronave representa uma mudança de conceito nos produtos da Boeing. Com um forte apelo ecológico, o 787 tem uma estrutura totalmente nova, 50% fabricada de fibra de carbono e titânio, materiais que dão mais velocidade, estabilidade e resistência, além de possibilitar economia de combustível em voos longos – o peso da aeronave vazia é de 130 toneladas, o que reduzirá o consumo em até 10%. O concorrente mais direto, o Airbus A330, pesa 180 toneladas. Os motores Rolls-Royce Trent 1000 também produzirão menos ruído durante a operação, promete a fabricante.

 

Para os passageiros, o avião tem um inédito sistema de regulagem do ar interno, permitindo com que a pressão e umidade da cabine sejam mais confortáveis durante a fase de cruzeiro, além de compartimentos maiores para bagagens, novo sistema de iluminação e janelas que se escurecem ao toque de um botão.

 

Com tantas inovações tecnológicas, o projeto 787 acabou enfrentando problemas e atrasou. Os primeiros exemplares da aeronave deveriam ter sido entregues à empresa aérea japonesa All Nippon Aiways (ANA), ainda em 2008, mas uma série de problemas técnicos durante o desenvolvimento obrigaram ao adiamento das entregas.

 

A Boeing tem, atualmente, 860 pedidos do 787, firmes ou com opção de compra, procedentes de 56 países.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.