Universal Studios/Dream Works
Universal Studios/Dream Works

'Abominável' abraça representatividade com dubladores americanos-asiáticos

História é centrada em uma família chinesa moderna. Isso ajudará a mudar a falta de representação asiática na tela? Seus apoiadores não têm certeza

Brian X. Chen, The New York Times

10 de outubro de 2019 | 06h00

Quando ouvi falar pela primeira vez de Abominável, filme movimentado centrado em uma moderna família chinesa, fiz uma careta por causa do nome não asiático da atriz que faz o papel principal: Chloe Bennet. “Na realidade, é Chloe Wang”, disse minha esposa, que também é de origem asiática. E ela me explicou que Wang é a atriz metade chinesa, metade branca conhecida pela franqueza com que falou do racismo em Hollywood em relação aos americanos de origem asiática. Os diretores de elenco raramente lembravam dela para algum papel até que ela começou a usar o nome Bennet (do pai).

Em uma indústria em que os americanos de origem asiática são pouco representados - 3,4% dos papéis principais nos filmes em 2017, segundo um relatório sobre a diversidade em Hollywood elaborado pela Universidade da Califórnia, em Los Angeles - aqui foi um grande estúdio cinematográfico com personagens chineses, na maior parte dublados por americanos asiáticos.

Se acrescentarmos a isto as produções hollywoodianas de Crazy Rich Asians e The Farewell, com atores de cultura asiática do mundo todo, teremos uma indagação: a representação asiática em Hollywood chegou a um ponto de virada? Os realizadores de Abominável disseram que a sua missão foi obter a maior autenticidade. “Eu nunca iria querer um ator branco interpretando um personagem chinês”, disse Jill Culton, a diretora do filme. “Nós tentamos representar uma cultura diferente, e quando se faz isto, principalmente o diretor, é preciso pisar com cuidado”.

Segundo Donatella Galella, professora de história e teoria do teatro na Universidade da Califórnia, em Riverside, a questão se origina no teatro americano. A falta de asiáticos no palco pode ter sido um sintoma da xenofobia, do final do século 19 em diante. Nos palcos americanos hoje, importantes canais de acesso a Hollywood, os asiáticos são ainda mal representados. Apenas 7,3% dos papéis principais na Broadway e nos principais teatros sem fins lucrativos de Nova York foram para pessoas de origem asiática na temporada de 2016-17.

Darnell Hunt, professor de sociologia da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, que assina o relatório sobre a diversidade em Hollywood, observou que os que tomam as principais decisões nos estúdios são, na maioria, homem brancos. Se nestes cargos houvesse mais pessoas de outras raças, provavelmente elas teriam uma percepção diferente do que os espectadores querem, afirmou.

“Os americanos-asiáticos não estão sentados à mesa”, ele disse. Chloe Bennet espera que Abominável impulsione a sua carreira. Mas não sabe se este filme, assim como toda a série de sucessos recentes com elencos asiático-americanos, será um acontecimento histórico. “Não tenho certeza de que este venha mudar tudo”, afirmou. “Vão deixar cozinhar em fogo lento, e certamente lutarei por ele”. / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.