Eric Gaillard/Reuters
Eric Gaillard/Reuters

Assim como os oceanos, humanos podem estar contaminados por microplásticos

Pesquisa de 2017 revelou as micropartículas em 83% das amostras de água da torneira coletadas em todo o mundo

Liam Stack, The New York Times

06 de maio de 2019 | 06h00

Pesquisadores na França disseram no mês passado terem encontrado milhares de partículas de microplástico caindo num ponto afastado dos Pireneus, a 120 quilômetros da cidade mais próxima. O estudo indica que microplásticos - há muito conhecidos como fonte de poluição da água - podem também ser transportados pelo ar, levando seus efeitos prejudiciais para locais distantes dos centros populacionais mais densos. “Já esperávamos encontrar traços de plástico ali, mas não estávamos preparados para os números", disse Steve Allen, um dos pesquisadores. “Foi impressionante: 11.400 partículas de microplástico por metro quadrado por mês, em média”, calculou. 

O que são os microplásticos?

São fragmentos de detritos plásticos que medem menos de cinco milímetros de comprimento, mais ou menos do tamanho de uma semente de gergelim, de acordo com a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos Estados Unidos. Os fragmentos encontrados pelo estudo nos Pireneus mediam entre 10 e 300 microns, com a maioria na casa dos 50 microns. Um fio de cabelo humano tem espessura de 70 microns, aproximadamente.

Os microplásticos podem ter uma variedade de origens, entre elas artigos do cotidiano como garrafas plásticas e lentes de contato descartáveis, que se fragmentam em pedaços menores com o tempo. Boa parte da poluição por microplásticos vem das cidades, aterros sanitários e fazendas que são abastecidas com “água de esgoto tratado, repleta de microplásticos", afirmou a cientista Deonie Allen, uma das principais pesquisadoras do estudo. As micropartículas plásticas, encontradas em produtos de higiene como pasta de dentes, são outra fonte dessa poluição. 

Onde são encontrados?

Podem estar por toda parte. Ou, ao menos, onde a água e o vento puderem levá-los. No oceano, microplásticos contribuem para fenômenos como a Grande Sopa de Lixo do Pacífico, uma mancha de 87 mil toneladas de lixo que fica a centenas de quilômetros da costa.

Como é o estrago que podem causar?

Sabe-se que os microplásticos prejudicam os animais, incluindo insetos e espécies marinhas, mas são necessários estudos adicionais para determinar seu efeito nos humanos. Allen disse que microplásticos foram identificados “obstruindo vísceras” de peixes e insetos. “Sabemos que os produtos químicos que compõem o plástico afetam os sistemas linfático e endocrinológico dos animais", responsáveis por regular a produção de hormônios e eliminar as toxinas do corpo, explicou o pesquisador.

 “Quando inserimos o plástico nesse ambiente, os elementos químicos são absorvidos, o que significa que essas respostas de proteção ou defesa não estão mais ocorrendo. Não se trata apenas de impactos biológicos dentro do animal; trata-se de algo que afeta também o ambiente em que ele vive", continuou. 

Um estudo de 2017 encontrou microplásticos em 83% das amostras de água da torneira coletadas em todo o mundo. Estudo realizado no ano passado encontrou microplásticos em amostras de fezes de oito pessoas da Finlândia, Itália, Japão, Países Baixos, Polônia, Rússia, Grã-Bretanha e Áustria. Outro estudo estimou que as pessoas que têm o hábito de comer mariscos podem ingerir até 11 mil partículas de microplástico por ano. / TRADUÇÃO DE AUGUSTO CALIL

Tudo o que sabemos sobre:
lixopoluiçãoplástico

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.