Tony Luong/The New York Times
Tony Luong/The New York Times
Steven Kurutz, The New York Times - Life/Style, O Estado de S.Paulo

31 de julho de 2021 | 05h00

Essex, Massachusetts – Quando tinha 22 anos e estava no auge do sucesso como membro da boy band New Kids on the Block, Jonathan Knight comprou uma casa em estilo georgiano, construída por volta de 1900, na Costa Norte do estado de Massachusetts, com um telhado de ardósia, janelas paladianas, terraços e cerca de 1.115 metros quadrados para preencher.

Isso foi em 1990, dois anos depois de o New Kids lançar seu segundo álbum de estúdio, Hangin' Tough, que liderou as paradas da Billboard, gerou vários singles de sucesso e vendeu mais de 14 milhões de cópias em todo o mundo. De repente, os cinco membros – Jonathan, seu irmão mais novo Jordan Knight, Joey McIntyre, Donnie Wahlberg e Danny Wood – passaram de garotos desarrumados de Boston a namorados nas fantasias de adolescentes de todos os lugares.

Knight convidou sua grande família para sair da cidade e vir morar com ele no novo endereço. "E então saímos em turnê, por isso meus irmãos, minhas irmãs e minha mãe tiveram de comprar os móveis", disse ele. O gosto de sua mãe pendia para cortinas com babados, sofás com estampa floral, tapetes cheios de estampas, todos ótimos para a casa, mas não para um jovem astro da música pop. "Cheguei em casa e pensei: 'O que está acontecendo?' Ao olhar para trás, vi que eu tinha sido um idiota ao comprar uma casa como essa tão jovem. Foi ridículo. Desperdício de dinheiro. Simplesmente estúpido. O melhor dia foi quando vendi aquela casa".

Knight, que agora está com 52 anos e de volta ao estrelato, desta vez com um programa de reforma de casas na HGTV, Farmhouse Fixer, está, no entanto, vivendo uma versão de sua vida aos 22 anos. Em alguns aspectos, é mais humilde. Em outros, mais grandioso. Isso porque agora, em vez de sua família amontoada naquela casa, cada um tem uma residência própria na Shangri-Lá rural que ele criou no fim da rua.

Há jardins, um pasto cercado para cavalos, celeiros antigos, flores silvestres escalando paredes de pedra e várias casas históricas, todas de propriedade de Knight. Sua mãe, Marlene, mora na casa construída aproximadamente em 1890 na entrada da propriedade; seu sobrinho, na casa da fazenda com detalhes em estilo italiano do outro lado do campo. Knight e seu esposo, Harley Rodriguez, estão construindo uma nova casa em estilo colonial em uma suave subida localizada bem no meio de tudo, enquanto vivem temporariamente em uma bela casa de fazenda datada de cerca de 1760 com um exterior de madeira pintado de branco, um lago para seus seis patos e um pequeno celeiro para suas três cabras.

 

O casal comprou a casa da fazenda quando ela foi colocada à venda no ano passado, depois de ter vendido a casa de cerca de 1800 na cidade vizinha de Ipswich, onde morou por apenas um ano. "Pensei: 'Tenho de comprar, tenho de comprar.' Não queria um estranho morando do outro lado da rua. Isso só aumenta o componente familiar", comentou Knight, esticado em um sofá na sala de estar de teto alto da casa da fazenda em uma manhã recente.

Além disso, ela tem 260 anos e, como os espectadores de Farmhouse Fixer descobriram, Knight é apaixonado por casas históricas. Foi criado em um bairro de estilo vitoriano na região de Dorchester, em Boston, em uma casa que seus pais hippies compraram por algo em torno de US$ 25 mil nos anos 1970. Referiu-se a ela afetuosamente como "uma casa grande, velha, fria e cheia de correntes de ar por conta dos buracos na parede".

Para ele, reformar casas que já foram melhores não é o hobby de um astro da música pop. Foi assim que ele ganhou a vida, especialmente nos anos magros depois que o New Kids On The Block caiu do alicerce da cultura pop com a entrada do grunge nos anos 1990.

Na série de seis episódios, que estreou em março e foi renovada para uma segunda temporada, Knight e sua colega, a designer de interiores Kristina Crestin, vagam pela região da Nova Inglaterra, terra de antigas fazendas em lento declínio. Eles adicionam uma cozinha americana e um sistema de ar-condicionado central, mantendo o antigo charme da casa para que os atuais proprietários não chamem as escavadeiras. Segundo Crestin, Knight é conhecido por chorar fora das câmeras, quando eles conseguem alcançar o equilíbrio certo entre preservação histórica e comodidades modernas.

"Quando ele entra, digo: 'Espere, espere, observe.' Quero que ele enlouqueça de felicidade. Para mim, ele está reagindo ao que foi bem feito anos atrás. Está olhando para o trabalho original em pedra. Parece estar conversando com as pessoas que fizeram isso e se orgulharam do trabalho", observou Crestin.

Do sucesso às reformas

Knight tinha 16 anos quando entrou para o New Kids e 26 quando sua banda, cuja marca registrada era um pop suave, saiu de moda. Os shows lotados acabaram e a brincadeira chegou ao fim. Com o resto da vida pela frente, ele não tinha ideia do que fazer. Enquanto outros jovens adultos estavam na faculdade ou no primeiro emprego, desenvolvendo suas habilidades, ele vivia dentro da bolha dos astros pop. Não sabia sequer fazer um pedido em um restaurante. "Foi provavelmente a época mais assustadora da minha vida. Só me lembro de estar em casa por alguns dias, abrir a porta do meu quarto pela manhã, olhar ao redor e não ver ninguém. O New Kids On The Block não estava lá. O ônibus da turnê não estava lá. Tudo tinha acabado".

Knight passou um ano varando a noite acordado, dormindo até as quatro da tarde e se afundando em uma depressão profunda. Até que um dia um policial de Boston que tinha trabalhado na segurança da banda lhe telefonou. Estava reformando casas para vendê-las e convidou Knight para ser seu sócio. "Quando ele disse para fazer o mesmo que ele, pensei: será que é alguma coisa de máfia? Vamos entrar lá e roubar essas pessoas? Era uma expressão que eu nunca tinha ouvido".

Mas o pai de Knight era carpinteiro e, várias vezes, ele o havia acompanhado nos fins de semana. "E minha mãe é uma nerd de casas antigas. Eu e minha mãe passeávamos de carro pelos bairros e olhávamos as casas antigas. Até hoje, adoro dirigir devagar pelas estradas e dizer: 'Olhe aquela casa'".

Logo, Knight se viu retirando lixo de um quintal sujo e pintando um corrimão às três da manhã antes de abrir o local para o público no dia seguinte. Ele estima ter comprado, reformado e vendido cem casas ou mais durante os anos 1990 e 2000, primeiro fazendo o trabalho de construção com seu sócio policial e, depois que o negócio cresceu, com subempreiteiros contratados.

Quando a dupla começava a trabalhar em casas mais novas, era menos atraente para ele. E então veio a crise imobiliária de 2008. "Tínhamos acabado de terminar um condomínio de nove unidades em Boston. Perdemos muito dinheiro em 2008. Na verdade, foi quando o New Kids reapareceu. Foi um momento perfeito".

'Uma vida sem estresse'

A banda se reuniu em 2008 no programa Today, lançou um novo álbum e fez uma turnê mundial de 150 datas. No caminho das boy bands, Knight era o "tímido" do grupo e sua vida pessoal permaneceu um mistério para os fãs. Ele não estava no armário, mas também nunca declarou na capa da People: "Sou gay!" Em vez disso, foi acidentalmente exposto pela estrela pop dos anos 1980 Tiffany quando ela apareceu em um episódio de 2011 do programa Watch What Happens Live With Andy Cohen (Veja o que acontece ao vivo com Andy Cohen) e disse ao apresentador que haviam namorado e que "ele se tornou gay mais tarde. Não fui eu que fiz isso! Mas ele é fabuloso". Ela se desculpou publicamente com Knight. Ele achou o episódio todo engraçado.

Até a série da HGTV, pouca gente conhecia sua história com o martelo também. Nos últimos anos, a vida de Knight entrou em um ritmo feliz de turnês de três meses a cada dois anos com o renovado New Kids On The Block, três ou quatro reformas por ano para clientes e o restante do tempo cuidando de sua mini Old Sturbridge Vila (museu vivo que recria a vida na zona rural). Ao avaliar seu terreno, Knight ponderou, com bastante seriedade: "É uma vida sem estresse a vida no campo". 

The New York Times Licensing Group - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.