Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Tom Sibley/The New York Times
Tom Sibley/The New York Times

Cães mal-humorados se saem melhor do que os amistosos em alguns testes de aprendizado

Cães que não seriam escolhidos por muitos donos de pets apresentam um desempenho melhor do que outros mais simpáticos quando precisam aprender com estranhos

James Gorman/The New York Times - Life/Style, O Estado de S.Paulo

22 de junho de 2021 | 05h00

O seu cachorro é mal-humorado? Pode ser que ele tenha alguns talentos escondidos.

Em um recente estudo realizado na Hungria, os pesquisadores descobriram que os cachorros com características de personalidade que catalogaram como “mal-humorado” podem aprender com estranhos melhor do que cachorros mais tranquilos.

Obviamente, este é um talento limitado, mas os tutores de cachorros mal-humorados talvez fiquem felizes com esta boa notícia.

Aqui estão algumas características que os pesquisadores colocaram na categoria mal-humorada: eles ladram com facilidade, rosnam quando incomodados, não atendem quando chamados, guardam a sua comida para que outros cães ou pessoas não a tirem deles; são ativos e inquietos. Este é um cachorro que, segundo afirmam os cuidadores dos lares para animais, precisam de donos muito especiais. É um cachorro que os donos muitos especiais têm sempre de explicar para os amigos: Esta é a cadeira de Fluffy. É o tapete de Fluffy. Na realidade, esta casa é de Fluffy, toda ela. Melhor a gente ir sair e ir a um café.

Peter Pongracz, cuja especialidade na Universidade de Epotvos Lorand, em Budapeste é o estudo das interações de humanos e cães, relatou as recentes descobertas na revista Animals sob um longo título que começa “Cachorros mal-humorados são alunos inteligentes”.

(Uma pequena advertência para potenciais proprietários de cães: O estudo  não diz qual é a raça mais mal-humorada. Os cientistas estudaram as diferenças em cada cachorro, todos de estimação.)

Pongracz realizou os experimentos porque em pesquisas anteriores notou que cães dominantes e cães submissos em famílias que tinham mais de um cachorro apresentavam diferenças no estilo de aprendizado.

Em ambos os estudos, a tarefa do cachorro continuava a mesma. Pongracz e seus colegas puseram uma comida ou um brinquedo favorito bem à vista atrás de uma cerca de arame em formato de V. Instintivamente, os cachorros tentavam alcançar a comida, infelizmente sem sucesso. Eles precisavam  inicialmente afastar-se da comida, dar uma volta contornando-a até chegarem mais perto. Para a mente do cachorro, esta ideia é muito estranha. A comida com um aroma maravilhoso está bem ali. Por que afastar-se dela?

“É uma tarefa muito difícil para um cachorro que está sozinho”, disse Pongracz.

Os cachorros são alunos sociáveis, o que significa que vendo o que outro (cão ou pessoa) faz, aprendem a fazer o mesmo. No estudo inicial, os cachorros que ocupavam uma posição dominante em um casa com muitos cachorros não tinham muita chance de aprender observando outros cachorros, enquanto os mais submissos, talvez acostumados a olhar o que os outros cachorros faziam, se saíam muito bem. Mas quando uma pessoa mostrava a solução, todos faziam o mesmo.

No recente experimento, os cachorros tinham de recuperar um objeto colocado atrás de uma cerca em V. Os mal-humorados e os agradáveis tiveram o mesmo desempenho quando precisaram descobrir a solução do problema sozinhos, ou quando o proprietário mostrava como chegar à comida.

Mas os cachorros mal-humorados se saíam muito melhor quando um estranho demonstrava como fazer isto.

“Eles se mantinham muito atentos”, disse Pongracz. Qual o motivo disso é uma pergunta que ainda não foi respondida.

Segundo Monique Udell, diretora do Laboratório de Interação Humano-Animal da Universidade Estadual de Oregon, que não participou da pesquisa, esta mostrou, assim como um volume cada vez maior de outras obras, “que a individualidade dos cachorros e a sua experiência de vida influem no desempenho em todo tipo de tarefas”.

Mas, afirmou, as características da categoria 'mal-humorado' aparentemente tomam duas direções.

Treinadora de cães e também pesquisadora, Udell disse que os treinadores sabem há muito que os cachorros cheios de energia e até mesmo hiperativos, enquanto bichos de estimação de uma família, podem ser excelentes em tarefas como pastoreio, obediência ou para guarda.

“Não se mostrarem dispostos a voltar quando chamados” é típico deste tipo de cachorros, assim como uma menor inibição, ela disse. As outras características incluídas na categoria dos mal-humorados do estudo relacionadas a agressão, proteção do alimento, não coincidiram com a sua experiência.

Portanto, ela indaga se seria possível que alguma outra característica além deste mau humor poderia estar subjacente a todas as tendências do comportamento atribuídas a esta categoria.

Pongracz tem quatro cachorros, todos da mesma espécie de cães pastores húngaros, Mudi, e cada um deles tem uma personalidade diferente. “Mas todos latem bastante”, ele disse. “São barulhentos”. /TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

The New York Times Licensing Group - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times.

Tudo o que sabemos sobre:
cachorroanimal de estimação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.