Jessica Kourkounis para The New York Times
Jessica Kourkounis para The New York Times

Chiado de queijo na grelha é transformado em música

O compositor Tod Machover criou o projeto “Vozes da Filadélfia”, em que reuniu mais de 8 mil sons inspirado na cidade para uma sinfonia

Michael Cooper, The New York Times

22 Abril 2018 | 10h45

FILADÉLFIA -  “Me faz um com chiado, sem cebola?”, pede um jovem no Pat’s Kings Steaks. O chapeiro colocava habilmente uma pilha fumegante de bifes finos no pão e aplicava uma demão de Cheez Whiz (“Queijo Chiado”, em tradução livre do inglês), uma camada do pastoso queijo, para criar um clássico sanduíche Philly Cheesesteak, semelhante a uma carne louca com queijo. 

O compositor Tod Machover registrava tudo com microfones e um gravador digital. O músico escreve sinfonias sobre cidades de todo o mundo e leva os sons característicos dos locais para as salas de concerto.

Machover estava quase finalizando seu mais recente trabalho, “Vozes da Filadélfia”, que a Orquestra da Filadélfia e o maestro canadense Yannick Nézet-Séguin apresentaram em 10 de abril no Carnegie Hall, em Nova York, mas ele não estava suficientemente satisfeito com uma tentativa anterior de registrar o chiado do sanduíche de carne com queijo. Então ele retornou para uma segunda porção.

Após o breve desvio para gravar sons no coração da Filadélfia, ele correu de volta para o Centro Kimmel, sede da Orquestra da Filadélfia, que tinha encomendado o trabalho. Ele estava prestes a apresentar sua partitura para Nézet-Séguin, que tinha sido escolhido recentemente para comandar a Metropolitan Opera.

“Hoje, finalmente, consegui uma gravação muito boa hoje do sanduíche de carne com queijo do Pat's", disse a ele o compositor. “Aproximei tanto o ouvido que meu cabelo grelhou!”.

Antes de compor “Vozes da Filadélfia”, Machover passou meses em campo realizando gravações como no Pat’s e registrando uma biblioteca de 8 mil sons que habitantes da Filadélfia mandaram a ele por meio de um aplicativo especial. Ele estimou que conseguiu coletar mais de cem horas de gravações.

      

Machover encontra-se na intersecção entre a composição e a computação - ele é professor de música e mídia no Laboratório de Mídia do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês) desde sua fundação, em 1985, e foi o primeiro diretor de pesquisa musical no centro de arte contemporânea fundado por Pierre Bolulez em Paris. Para ajudar a organizar sua biblioteca de sons da Filadélfia, ele usou um programa de computador desenvolvido no MIT que analisa centenas de arquivos de som por volume, frequência e forma - e depois os exibe visualmente.

"Vozes da Filadélfia" é a mais recente de uma série de sinfonias de Machover inspiradas em cidades. Sua obra sobre Lucerna, na Suíça, “Uma sinfonia para Lucerna”, evocava sistemas de águas interligados, dos Alpes ao Lago Lucerna, ao Rio Reuss, às fontes que marcam a cidade antiga.

Para a Filadélfia, Machover estava experimentando um elemento novo: um trabalho de coral, com textos escritos por jovens poetas a respeito de democracia, inovações da cidade e seus desafios. A música foi escrita para ser cantada por mais de 200 pessoas de vários coros.

“Tentei me afastar das obviedades: em Edimburgo, evitei a gaita de fole, na Austrália, o didjeridu”, afirmou. “Quando voltei para casa e escutei de verdade as gravações do sanduíche de carne com queijo, me dei conta de como eram bonitas”.

Machover resolveu dar um solo ao sanduíche, acompanhado por percussão.

Mais conteúdo sobre:
músicaOrquestra

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.