André Strauss
André Strauss

Cientistas reconstituem rota mais antiga para as Américas

DNA indica parentesco próximo entre tribos do norte e do sul

Carl Zimmer, The New York Times

03 Dezembro 2018 | 06h00

Há quase 11 mil anos, um homem morreu num lugar que atualmente chamamos de Nevada. Envolto num cobertor de pele de coelho e feixes de videiras, ele foi enterrado em Spirit Cave. Agora, os cientistas recuperaram e analisaram o DNA dele, bem como o de outras 70 pessoas descobertas nas Américas. As novas revelações trazem detalhes da história de como e quando os humanos se espalharam pelo Ocidente.

Os primeiros a chegar da Ásia de que temos conhecimento já estavam se dividindo em grupos, de acordo com a pesquisa. Algumas populações prosperaram, tornando-se as ancestrais dos povos indígenas de todo o hemisfério. Mas outras se extinguiram. Estudos anteriores indicavam que os humanos vieram para as Américas no fim da última era glacial, viajando da Sibéria pra o Alasca atravessando uma ponte de terra que hoje fica sob o Mar de Bering. Rumaram para o sul, até finalmente alcançarem o extremo da América do Sul. Até recentemente, os geneticistas não tinham muito a acrescentar ao que já sabíamos a respeito dessas vastas migrações.

Nos cinco anos mais recentes, os genomas de 229 pessoas da pré-história foram recuperados nas Américas.

Um deles é do segundo habitante antigo de Bering cujo DNA foi analisado. O primeiro, descrito em janeiro pelo geneticista Eske Willerslev, da Universidade de Copenhague, pertencia a uma menina morta há 11.500 encontrada no Alasca. O segundo foi descoberto a centenas de quilômetros do primeiro e morreu há 9.000 anos, de acordo com relatório recente da equipe de Willerslev. 

Os habitantes antigos de Bering foram separados dos ancestrais dos indígenas contemporâneos das Américas há cerca de 20 mil anos. As novas descobertas indicam que eles sobreviveram por milhares de anos, e então desapareceram, sem deixar nenhum traço genético nos humanos contemporâneos.

Outra leva de imigrantes continuou rumando para o sul. Estes se dividiram em dois grupos. Um deles voltou para o norte, instalando-se no Canadá e voltando para o Alasca. O outro continuou para o sul e, de acordo com os dados, espalhou-se rapidamente pelas Américas há 14 mil anos.

O homem encontrado em Spirit Cave era do grupo sul. Tinha parentesco com um menino morto há 12.700 anos encontrado em Montana, de acordo com descobertas de Willerslev. David Reich, da Universidade Harvard, e sua equipe revelaram um elo entre o menino de Montana e um grupo de sul-americanos antigos. O parentesco indica que os imigrantes avançaram rapidamente da América do Norte para a América do Sul.

As duas equipes descobriram que, a partir de cerca de 9 mil anos atrás, ondas adicionais de imigrantes rumaram para o sul. Willerslev acredita que os recém-chegados se misturaram às demais populações. 

Mas Reich enxerga evidências de duas ondas de imigrantes que substituíram completamente os povos que habitavam a América do Sul.

A pesquisa revelou casos de uma continuidade notável. O grupo de Willerslev comparou o genoma do homem encontrado em Spirit Cave àquele dos quatro conjuntos de restos encontrados nos arredores, que morreram muito mais recentemente, há cerca de 600 anos. A equipe dele revelou que rodos apresentavam parentesco, apesar de separados por 10 mil anos.

Um elo semelhante foi encontrado nos Andes. John Lindo, da Universidade Emory, e sua equipe analisaram o DNA de sete pessoas que viveram em grandes elevações entre 6.800 e 1.400 anos atrás. Os pesquisadores estimam que os habitantes de altitudes acima de 2.300 metros nas montanhas foram separados das populações de terras mais baixas entre 9.200 e 8.200 anos atrás. Hoje, os habitantes da montanha ainda apresentam um forte elo genético com os restos antigos.

“Não é algo que observamos na maioria das demais regiões do mundo", disse Reich.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.