Justin Mott para The New York Times
Justin Mott para The New York Times

Comédia de stand-up está conquistando público no Vietnã

“Não há sarcasmo, nem mesmo jogos de palavras na língua vietnamita e a comédia tradicional em geral não passa de pastelão", disse um comediante local

Kim I. Mott, The New York Times

05 de dezembro de 2019 | 06h00

A maior metrópole do Vietnã, Cidade Ho Chi Minh, há muito se destaca pela vida noturna que praticamente ultrapassa os limites. Mas agora, um novo e vibrante cenário está provocando gargalhadas em toda a capital de nove milhões de habitantes. Lançada por atores estrangeiros de língua inglesa, a comédia de stand-up é cada vez mais popular entre os vietnamitas. Os comediantes locais encaram noites no palco e disparam piadas ao lado de comediantes internacionais em eventos que se realizam nos cafés e bares mais badalados de Saigon, como a capital continua sendo chamada, e em locais onde se vende cerveja artesanal.

“Aqui não existe a tradição da comédia de stand-up”, explicou Uy Le, um profissional de marketing de 26 anos, o primeiro comediante nativo a ganhar o Concurso para Comediantes Amadores do Vietnã, em 2018. “Não há sarcasmo, nem mesmo jogos de palavras na língua vietnamita e a comédia tradicional em geral não passa de pastelão. Quando comecei, o público era composto em 99% por imigrantes e viajantes, mas agora há muitos vietnamitas”.

Le assistiu pela primeira vez a um espetáculo de stand-up há alguns anos, quando encontrou no YouTube um americano profissional do gênero, George Carlin, e então fez uma oficina de comédia dada por Ben Betterby, do Arkansas, que foi morar em Cidade Ho Chi Minh em 2013.

Betterby reuniu um grupo conhecido como Comedy Saigon, que realiza shows regulares em toda a cidade. “Há vários anos, os locais mudavam os seus cartazes com os dizeres ‘Exclusivamente música’ depois que nós fazíamos o stand-up, porque odiavam este tipo de comédia e não entendiam o que nós fazíamos,” afirmou.

Agora, cerca da metade do público ri com as piadas, tipicamente em inglês, a língua comum aos estrangeiros e aos vietnamitas. O público em geral é composto em cerca de 25% de gente do lugar, e os outros são uma mescla de imigrantes e viajantes. Nick Ross, um jornalista e nas horas vagas comediante britânico, diz que este já é um avanço em comparação a quando ele começou a trabalhar na cidade, há vários anos, quando “os únicos vietnamitas presentes eram as namoradas dos imigrados”.

No deck da cobertura, no último andar da Brewing Comedy da Rua Pasteur, a multidão aplaude na apresentação de uma comediante vietnamita que é chamada Tu. Com uma roupa de pele de leopardo, ela imita os estrangeiros em busca de mulheres asiáticas, e, ao mesmo tempo, discute com linguagem obscena sua vida sexual.

Tu, que começou a se apresentar em 2017, diz que foi a opção que a ajudou a vencer a depressão. Na realidade, os comediantes vietnamitas da cidade afirmam que se sentem mais seguros de si depois de se apresentarem diante de estrangeiros que frequentemente não se misturam com os vietnamitas. A maioria dos programas começou em animados bares do centro da cidade, e atualmente se espalha pelos bairros vizinhos, juntamente com a crescente classe media vietnamita.

A tendência cresceu a tal ponto que os comediantes experientes que vivem em Ho Chi Minh City estão excursionando pelo Sudeste Asiático - atuando em Hanoi, Hue, Kuala Lumpur, Cingapura, Hong Kong, Phnom Penh e Jacarta. Muitos sonham em se tornarem famosos. Mas por enquanto, o campeão local da comédia, Le, afirma que não se sente pronto para abandonar o seu emprego fixo. / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

Tudo o que sabemos sobre:
Vietnã [Ásia]comédia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.