Disney+
Disney+

Veja como a Disney criou 'We Don’t Talk About Bruno', seu maior sucesso desde 'Let It Go'

Música da animação 'Encanto' é uma surpresa no topo das paradas e uma queridinha do TikTok

Ashley Spencer, The New York Times - Life/Style

28 de janeiro de 2022 | 05h00

“Um homem muito alto! Com ratos nas costas!” um adolescente de cabelo encaracolado envolto em uma capa fala para a câmera.

“Como um som de areia que não para de escorrer”, uma mãe ocupada balança a cabeça, segurando um aspirador de pó, enquanto faz uma pausa para dançar na cozinha.

“Desculpe, mi vida, vá em frente!” duas irmãs guincham, desafinadas.

Encanto alertou para não falarmos sobre Bruno, mas muita gente está obcecada com uma música sobre ele.

Desde que o filme de animação da Disney estreou nos cinemas em novembro e chegou ao Disney+ na véspera de Natal, sua divertida música We Don’t Talk About Bruno se tornou um sucesso internacional. Ao contrário da maioria dos sucessos da Disney, Bruno não é um solo melancólico de herói ou uma balada poderosa. É uma faixa no estilo da Broadway que faz revelações sobre um homem de meia-idade.

No entanto, a música recentemente liderou as paradas do Spotify, Apple Music e iTunes nos Estados Unidos, alcançou o primeiro lugar na parada global de vídeos musicais do YouTube e atualmente ocupa o quinto lugar na Billboard Hot 100 - a primeira música original de um filme de animação da Disney a alcançar esse nível desde o hino de Frozen Let It Go em 2014. Outras faixas de Encanto, como Surface Pressure e The Family Madrigal, também estão subindo. E na semana passada, a trilha sonora do filme superou o 30 de Adele no primeiro lugar da Billboard 200.

Bruno ganhou mais destaque com sua popularidade no TikTok, onde clipes em sua homenagem como o daquele adolescente encapuzado, daquelas irmãs esganiçadas e daquela mãe que dança acumularam milhões de visualizações.

 “Eu poderia ficar no TikTok o dia todo”, disse um dos diretores de Encanto, Jared Bush, em entrevista. “Todo mundo está encontrando um ponto de entrada diferente, seja em um momento específico ou na dinâmica do personagem. Há algo para todos e, honestamente, é simplesmente delicioso.”

No filme - sobre uma adolescente colombiana chamada Mirabel Madrigal (dublada por Stephanie Beatriz) e sua família sobrenaturalmente talentosa - Bruno (John Leguizamo) é um tio misterioso e pária cuja capacidade de ver o futuro ganha o desprezo abjeto de todos aqueles que recebem más notícias. Sua família e as pessoas da cidade compartilham histórias pitorescas, muitas vezes amargas, sobre suas profecias na música.

Como foi feita 'We Don't Talk About Bruno'

Germaine Franco fez a partitura de Encanto, enquanto Bruno e o restante das músicas foram escritas por Lin-Manuel Miranda, que trabalhou com a Disney na trilha sonora do filme Moana, de 2016. Os cineastas de Encanto disseram que ele entregou o contagioso Bruno praticamente como foi pedido.

Na primavera de 2020, Bush e seu colega diretor Byron Howard; a co-diretora Charise Castro Smith; e Tom MacDougall, então responsável pelas músicas do Walt Disney Animation Studios, usaram um de seus bate-papos semanais com Miranda para debater uma faixa sobre Bruno que poderia dar um choque de energia no meio do filme.

"Podíamos ver Lin pensando, e ele olhou para nós e disse: 'Parece uma história de fantasma sinistra, como um montuno sinistro'", lembrou Howard, referindo-se a um padrão musical cubano. “E ele se vira para o piano e toca os três primeiros acordes. Nós literalmente o vimos pensar e compor naquele exato momento. Eu nunca tinha visto isso antes.” (Miranda não estava disponível para uma entrevista.)

O personagem de Bruno já havia evoluído durante a criação do filme. Em uma iteração inicial, ele era muito mais jovem, alguém da idade de Mirabel. Originalmente, ele também recebeu o nome Oscar, mas Bush disse que um problema legal sobre a existência de vários Oscars Madrigals reais na Colômbia os levou a explorar outras opções de nomes. Ele enviou a Miranda uma lista de cinco alternativas, às quais o compositor respondeu: “Definitivamente Bruno”.

"Eu não conseguia entender por que era tão definitivo", disse Bush, "até dois dias depois, quando ouvimos: 'Bruno, não, não, não' ('Bruno, no, no, no', na versão em inglês)".

Miranda então gravou uma faixa demo na qual cantou todos os 10 papéis. "Era como Lin-Manuel com esteróides", disse Adassa, uma cantora e compositora que dubla Dolores, a prima Madrigal com uma audição excepcional. (Essa demo não foi lançada, embora um imitador popular de Miranda tenha tentado saber como poderia soar.)

Com apenas esboços do storyboard e o áudio de Miranda para guiá-los, o coreógrafo do filme, Jamal Sims, e sua equipe passaram cerca de duas semanas em um estúdio de Los Angeles criando os movimentos de dança de Bruno para os animadores renderizarem digitalmente. Incorporando elementos da cumbia, dança nacional colombiana que apresenta influências africanas, indígenas e europeias, junto com salsa e rumba, eles mapearam cada momento da música e gravaram um vídeo de referência em um take como se fosse parte de um musical ao vivo. Até os ratos de Bruno fazem passos complexos. (A equipe de animação mais tarde filmaria os bailarinos de diferentes ângulos de câmera.)

“Tivemos que construir tudo isso a partir da nossa imaginação”, disse o coreógrafo assistente Kai Martinez. “O que ajudou a tornar esta peça única é que tivemos um grupo de bailarinos latinos da Colômbia, de Cuba, de Porto Rico - pessoas que entenderam a tarefa.” (Clipes de sua coreografia compartilhados por Martinez no TikTok acumularam mais de 23 milhões de visualizações.),

Apesar de sua enorme popularidade, Bruno não receberá nada no Oscar: o estúdio apresentou apenas Dos Oruguitas, uma emocionante balada espanhola interpretada por Sebastián Yatra, para os prêmios. Essa música, embora não tão onipresente quanto Bruno, entrou na lista da academia de melhores músicas originais no mês passado. Se levar a estatueta, faria história como a primeira vencedora da Disney em língua não inglesa.

Dos Oruguitas foi tão central para o tema emocional do filme”, disse Howard quando perguntado se eles consideraram enviar Bruno. Ele acrescentou: “É provavelmente a parte mais crítica da narrativa musical em todo o filme, porque tem a ver com a história da família e Mirabel entendendo sua avó”.

Para além da temporada de premiações, os diretores de Encantodisseram estar abertos à possibilidade de uma sequência, peça musical ou série derivada do filme. “Eu adoraria que houvesse histórias contínuas desses personagens porque eles são pessoas reais para nós”, disse Bush. “Noventa minutos não é tempo suficiente para passar com os Madrigals.”

E apesar das teorias de alguns fãs de que Não falamos do Bruno - e a repreensão repetida “Silenzio, Bruno!” no filme da Pixar Luca - mostram que a Disney tem uma agenda anti-Bruno, os cineastas insistem que não é bem assim.

"No final de 'Encanto', Bruno se mostra um cara legal", disse Bush. “Então, você sabe, nós ressuscitamos esse nome. Acho que Bruno deveria se orgulhar disso.” /TRADUÇÃO LÍVIA BUELONI GONÇALVES

The New York Times Licensing Group - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.