Sam Hodgson para The New York Times
Sam Hodgson para The New York Times

Confronto entre Joes: mais uma guerra das pizzas

Empregado demitido pega emprestado o nome e ideias para a decoração da sua pizzaria

Alan Feuer, The New York Times

23 Março 2018 | 15h00

Os pizzaiolos da cidade de Nova York estão em guerra há dezenas de anos, uma guerra não muito diferente daquelas que se travavam entre as cidades-Estado da Europa do século 16.

Nos anos 80, três deles, nenhum chamado Ray, se defrontaram em uma batalha épica a respeito das permutas da franquia da pizza do Ray (Famous Ray’s, Original Ray’s, Famous Original Ray’s) - até que finalmente uniram forças para destruir os outros supostos Rays de toda a cidade. Vinte anos mais tarde, uma luta semelhante ocorreu em Manhattan entre dois restaurantes italianos chamados Patsy’s.

Agora, acaba de eclodir mais um conflito, em que os proprietários da Famous Joe’s Pizza se defrontam com os da Famous Joe’s Pizza of the Village. Os atritos começaram com os tipos usados nas tabuletas, nas contas do Twitter e com a questão crucial da pizza preferida pelo ator Tobey Maguire.

As origens do processo remontam a agosto de 2004, quando Joe Pozzuoli, pai, e seu filho Joe Jr., os proprietários da Famous Joe’s Pizza na Carmine Street em Greenwich Village, demitiram Victor Zarco.

Gabando-se de ser o primeiro “homem da pizza” da família Pozzuoli, Zarco abriu uma pizzaria na Quinta Avenida no Brooklyn, que batizou Famous Joe’s Pizza of the Village, embora o seu nome não seja Joe e o lugar não seja o Greenwich Village - nem qualquer outro.

Segundo consta, a pizzaria dos Pozzuoli é uma instituição em Nova York, ela apareceu em numerosos filmes e em seriados de TV como “Law & Order” e “Keeping Up With the Kardashians”.

Por outro lado, a Famous Joe’s Pizza of the Village (ou “JPV”) recebeu comentários que um juiz definiu como “irônicos”. Em 2006, por exemplo, o guia “Time Out New York” descreveu o produto da JPV de uma maneira menos que caridosa: é boa às 2 da madrugada, quando “você está bêbado”.

Nos seis primeiros anos, depois da inauguração da pizzaria de Zarco, os Pozzuoli não tomaram conhecimento da sua cópia no Brooklyn, dizem os autos do processos. Mas em 2010, Pozzuoli Jr. visitou o concorrente e pediu que ele parasse de usar o nome da marca da família.

Mas Zarco afirma que Pozzuoli filho chegou um dia, olhou em volta e disse: “Com você não temos nenhum problema. Está tudo ok.”

Depois, em outubro, Zarco colocou na frente da loja uma tabuleta, segundo um juiz, “que praticamente não se distinguia” daquela usada por JP desde 1983. Quando ficou sabendo da tabuleta, Pozzuoli Jr. mandou a Zarco uma carta de notificação judicial. Zarco mudou a tabuleta, mas muito pouco. Então foi processado.

Em janeiro, JPV foi intimado a não mais usar a cópia. Na opinião de um juiz, o que foi roubado foi mais do que o logotipo: Zarco enfeitara as paredes da JPV com fotografias de Maguire e de outros que haviam sido tiradas na realidade na pizzaria de Manhattan; também postou imagens de contas da mídia social do JPV de “Homam Aranha- 2” - o filme de sucesso de Maguire - enquanto estava sendo filmado no JP.

Três semanas depois da emissão da ordem, os Pozzuoli já acusaram Zarco de ignorá-la.

Zarco escreveu sua própria nota ao tribunal negando a acusação. Depois, em outra nota, tentou atingir seus antigos chefes, lamentando que o “nome de sua pizzaria seja tão genérico quanto a pizza que eles servem”.

O advogado de Zarco, William Hochberg, disse que o seu cliente não estava “procurando encrenca, mas que não se deixará pisotear por advogados da pizza excessivamente zelosos”.

Mas, como é que surgem as guerras da pizza? É a pergunta que o filho de Pozzuoli vem se fazendo há anos.

“A pizza é tão comum hoje em dia que acho que se você tem um produto que se destaca, os outros tentam imitá-lo”, ele disse. “Para nós, não é nenhuma surpresa. As pessoas adoram a pizza”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.