Jackson Davis/Netflix, via Associated Press
Jackson Davis/Netflix, via Associated Press

Cresce a audiência – e a dívida – da Netflix

Embora seja atrativo para espectadores e investidores, seu modelo de negócios pode se revelar insustentável

Jeff Sommer, The New York Times

12 de novembro de 2018 | 06h00

A Netflix, o mastodonte do streaming de vídeo, cresce a um ritmo vertiginoso. E, se ignorarmos que ela financia o seu crescimento com empréstimos de bilhões de dólares, a companhia é uma clássica história de sucesso.

Sua capacidade de expandir a audiência global é impressionante. A Netflix conseguiu mais de seis milhões de assinantes no mundo todo nos três meses até o fim de setembro, para um total superior a 130 milhões.

A extraordinária difusão da Netflix tumultuou o cenário de mídia e arrebatou o mercado de ações. O desafio que ela representa contribuiu para motivar, quando não provocar, uma série de fusões, aquisições e realinhamentos entre companhias gigantescas. Disney e Fox, AT&T e Time Warner, Comcast, Amazon, Apple, Google e outras mais tiveram de reagir, muitas delas aumentando os próprios gastos em TV e vídeo.

Entretanto, a Netflix constitui um problema complicado para os investidores. Todos aqueles filmes e programas de TV são caros. Além disso, para alimentar a sua expansão, a companhia gastou bem mais do que faturou - e acredita que isto deverá continuar por alguns anos. A Netflix construiu o seu negócio sobre uma montanha de dívidas.

Apesar disso, o consenso de Wall Street é positivo. A companhia prevê que, no espaço de poucos anos, os custos começarão a crescer mais lentamente do que o faturamento. Em outubro, David Wells, o diretor financeiro da companhia, projetou “melhoras concretas” em 2020. “Ainda achamos que levará alguns anos  para equilibrarmos custos e ganhos”, ele disse. Wall Street aceitou claramente a previsão.

Nem todos porém se convenceram.

 

“O modelo fundamental de negócio da Netflix parece insustentável”, disse Sawath Damodaran, um professor de finanças da New York University. “Não vejo como irá funcionar”.

Com o aumento crescente da concorrência no streaming de vídeo, ele disse, a Netflix precisa continuar gastando somas enormes em conteúdo e marketing. Se ela cortar os gastos, prosseguiu, é provável que perca grande parte da audiência.

O professor Damodaran postou um modelo de avaliação para a Netflix em seu blog baseado no método do fluxo de dinheiro descontado usado pelos analistas de investimentos. E analisou os dados mais recentes da companhia para avaliar qual seria o valor real das ações da Netflix. Os resultados foram espantosos.

As ações da companhia, segundo a sua estimativa, valem cerca de 177 dólares. Mas ultimamente, as ações da Netflix estão sendo negociadas a cerca de 310 dólares.

O problema é a disparidade entre o dinheiro que entra e o que sai. Nos 12 meses até setembro, a Netflix gastou 11,7 bilhões de dólares em novo conteúdo, mas a receita total foi de 14,9 bilhões de dólares, deixando apenas 3,2 bilhões de dólares para marketing e o restante das suas operações. O que foi insuficiente para fazer o negócio funcionar, por isto a companhia tomou dinheiro emprestado.

No dia 22 de outubro, a Netflix anunciou que venderia títulos por um montante de 2 bilhões de dólares, segundo as agências de rating, abaixo do grau de investimento. Os empréstimos provavelmente continuarão enquanto a companhia queimar dinheiro mais rapidamente do que o que entra dos assinantes.

Executivos da Netflix afirmam que estão construindo o seu negócio para o longo prazo. No ano passado, Reed Hastings, um dos fundadores e diretor executivo da companhia, disse que a Netflix precisava continuar oferecendo aos clientes entretenimento de primeira qualidade e de maneiras inovadoras.

Mas isto custará muito dinheiro. Para os consumidores, talvez não seja problema. A Netflix fez com que o entretenimento com vídeos fosse muito mais abundante e diversificado do que acontecia alguns anos atrás, e como outras companhias entraram na competição, as escolhas provavelmente se tornarão ainda mais intensas.

Mas será que isso torna a da Netflix uma grande ação? Talvez seja necessário analisar os números mais de perto.

Mais conteúdo sobre:
NetflixTime WarnerAT&TDisney

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.