Adam Amengual para The New York Times
Adam Amengual para The New York Times

Cresce número de pessoas que tentam viver sem plástico

Optar por vida sem plástico exige achar alimentos sem embalagem ou armazenados com papel ou vidro

Steven Kurutz, The New York Times

24 de fevereiro de 2019 | 17h41

Para Beth Terry, o momento da epifania foi quando ela leu a respeito dos filhotes de albatroz que estavam morrendo por causa do plástico descartado. Tinha chegado o momento de eliminar o plástico da sua vida. Primeiro, ela se concentrou na cozinha, livrando-se das sacolas de compras, do macarrão e da salada já lavada guardados em recipientes de plástico.

Então ela foi até o banheiro, onde trocou os frascos de xampu por barras, além de preparar o próprio condicionador a partir do vinagre de maçã. Foi difícil encontrar pasta de dente sem embalagem plástica, o que a levou a fazer sua própria pasta de dente usando bicarbonato de potássio.

Às vezes, sua guerra ao plástico criava momentos estranhos. Durante uma visita de férias à Disneylândia, na Califórnia, Beth e o marido deixaram as sacolas de pano no hotel, mas descobriram que o supermercado local tinha apenas sacolas de plástico. Como trazer de volta uma porção de maçãs, abacates e melões? “Envolvemos tudo nas nossas camisetas e transportamos as frutas assim", disse Beth, 54 anos. “Se eu me permitisse recuar da minha decisão daquela vez, seria mais fácil ceder à tentação do plástico na próxima.”

Livrar-se do plástico é uma decisão que vem sendo adotada por um número cada vez maior de consumidores, horrorizados diante das dezenas de milhões de toneladas de plástico criadas todos os anos em todo o mundo, boa parte delas na forma de artigos descartáveis como canudos, que são usados uma vez e então vão parar nos aterros sanitários ou oceanos.

Lojas que se orgulham de não usar plásticos foram abertas em Nova York e Londres, vendendo artigos como garrafas d’água de silicone, vibradores biodegradáveis e capas para iPhone feitas de linho. Os designers adotaram a ausência do plástico como um novo desafio, seja ao desenvolver um corredor de supermercado sem plásticos ou criar roupas que não envolvam plásticos “virgens”.

Algumas empresas, como Procter & Gamble e PepsiCo, logo testarão produtos como suco de laranja em recipientes de vidro, xampu em recipientes de alumínio e outros artigos contidos em embalagens sem plástico. “A conscientização aumentou muito", disse a jornalista Susan Freinkel, da região de San Francisco, autora de “Plastic: A Toxic Love Story". “O movimento para se livrar do plástico trivial decolou. Alcançamos uma massa crítica de consciência do problema.”

Mas existir no mundo moderno sem o plástico pode ser simplesmente impossível. Se reunirmos todo o lixo plástico que produzimos a cada semana, como Beth chegou a fazer, o resultado seria uma imensa pilha no chão. Por onde começar? “O principal ponto que busco enfatizar para os interessados em seguir esse estilo de vida é avançar passo a passo", disse Beth, uma contadora que vive em Maryland e é também a autora de “Plastic-Free: How I Kicked the Plastic Habit and How You Can Too". “Não adianta querer fazer tudo de uma vez. Tomo o cuidado de não permitir que essa escolha me sobrecarregue.”

Uma vez que despertamos para o problema do plástico, começamos a observá-lo por toda parte: nas embalagens de pasta de amendoim e de uvas, nos tubos de pasta de dente, nos sacos de salgadinhos e nas emendas das embalagens de leite longa vida. “Não tinha me dado conta que o plástico torna possível esses alimentos", disse Beth.

Para vencer o campo minado dos bens de consumo, os inimigos do plástico encontram lugares onde possam fazer compras. Aprendem a preferir o leite em embalagens de vidro, e descobrem qual loja nos permite preparar nossa própria pasta de amendoim. Além disso, em vez de enxergar tudo como um inconveniente, eles tratam o desafio de viver sem plástico como um jogo.

“Acordo e penso: ‘Como farei para chegar até o fim do dia sem usar nenhum plástico descartável?’” disse a artista Dianna Cohen, 53 anos, de Santa Monica, Califórnia, fundadora do grupo Plastic Pollution Coalition. “O desafio começa logo cedo, com a escova de dentes.”

Para ela, a resposta está geralmente nas feiras, encontradas durante todo o ano no sul da Califórnia. Nem é preciso dizer que ela traz as próprias sacolas. “Gosto muito de cestas", disse Dianna. “Trago cestas e sacolas de vime para guardar os legumes.” Como muitos dos que optam por viver sem plástico, Dianna nunca sai de casa sem levar uma caneca de aço, um conjunto de talheres de bambu, dois canudos de aço inoxidável e uma sacola de pano. Para ela, vale a pena dedicar o tempo a este preparo.

Os inimigos do plástico precisam reorganizar suas vidas para evitar esse material. Se um restaurante só serve comida em pratos de plástico, o estabelecimento passa a ser evitado. Lanchonete fast food? A maioria das embalagens contém plástico. Pão? Compre numa padaria para evitar as embalagens plásticas.

Mas há situações em que o plástico é inevitável. É impossível organizar um procedimento médico sem recorrer a uma seringa de plástico ou a um recipiente plástico de soro fisiológico. Livrar-se do plástico também se tornou mais fácil hoje em dia, pois há mais alternativas. As lojas oferecem agora fio dental feito de seda, escovas de dente de madeira com cerdas de pelo de porco, bandejas de gelo de aço inoxidável, embalagens de comida feitas de algodão revestido com cera de abelha, e outras versões não-plásticas de artigos comuns do lar.

Jay Sinha e Chantal Plamondon, que vivem em Wakefield, Quebec, fundaram a loja Life Without Plastic em 2006, alguns anos após o nascimento do filho do casal. Eles queriam evitar a exposição do menino ao bisfenol A, encontrado em muitas mamadeiras, mas tiveram dificuldade em encontrar uma alternativa mais segura. Quando Chantal encontrou uma mamadeira de vidro, o artigo se tornou um dos primeiros produtos vendidos por eles.

“No começo, o público interessado era formado principalmente por mães, mas, nos anos mais recentes, a preocupação se tornou a poluição do plástico nos oceanos", disse Chantal. “Recentemente, observamos um aumento no número de clientes da geração millennial.” Mas, com frequência, é mais caro optar por artigos de aço inox ou madeira para substituir os itens de plástico, e os alimentos frescos são mais caros do que os embalados. Além disso, nas comunidades mais pobres, evitar o plástico pode ser difícil.

A cientista ambiental Kristal Ambrose, 29 anos, fundadora do grupo Bahamas Plastic Movement, enfrenta esse desafio todos os dias. Boa parte de tudo que é vendido nas Bahamas é importado e embalado em plástico. “Evito o plástico nas áreas que posso controlar", disse ela. “Para mim, evitar o uso de uma sacola plástica é especialmente significativo. Mas, pensando numa mãe que precisa pensar no trabalho, nos filhos, tantas providências… Suas prioridades são diferentes.”

Parte da missão dela é mostrar que não é necessário ser rico para evitar o plástico. “Algumas pessoas não podem pagar por um kit de utensílios de bambu, mas sempre podemos trazer um garfo de casa", disse Kristal. “Até um recipiente velho de molho de macarrão pode ser reutilizado.” 

Não sabe o que fazer para se livrar de tanto plástico na sua vida?

Os inimigos do plástico dizem que é possível eliminar ou reduzir drasticamente o consumo de plástico com a mudança de alguns hábitos. Eis aqui nove sugestões para começar.

1 - Use uma sacola reutilizável

Traga uma sacola de pano para o mercado, a feira, a farmácia e todos os outros lugares que entregam as compras numa sacola plástica.

 

2 - Use recipientes que não levam plástico na sua composição

Jarras de vidro ou de metal podem ser usadas para armazenar grãos, castanhas, farinha e outros alimentos, bem como sabão de roupas, detergente e cremes para a pele. Mas evite livrar-se automaticamente de todos os seus recipientes de plástico; isso produz mais lixo.

 

3 - Mantenha pronto o kit de viagens

Utensílios de bambu e uma bandeja, canudo e garrafa que não levem plástico vão eliminar a necessidade da maioria dos plásticos descartáveis longe de casa. “Restaurantes e lojas em todo o mundo estão muito mais acostumados à ideia de pessoas que trazem seus próprios recipientes", disse Jay Sinha, fundador da loja online Life Without Plastic.

 

4 - Compre em quantidades maiores

Para evitar um grande número de embalagens de alimentos, faça suas compras no setor de atacado do mercado e traga seus próprios recipientes de vidro. Pese a jarra antes de enchê-la para não pagar pelo peso do recipiente.

 

5 - Compre itens usados

Alguns itens de plástico são inevitáveis no lar, especialmente nos eletrodomésticos modernos. Assim, enquanto não inventarem um aspirador de pó inteiramente metálico, Beth Terry, que escreve no blog My Plastic-Free Life, sugere comprar itens de segunda mão, seja pela internet um numa feira de usados. “Não compro novos itens de plástico", disse ela. “E também evito as embalagens.”

 

6 - Recicle o plástico sempre que possível

Quando estão limpos, objetos como garrafas de plástico, recipientes de xampu, embalagens de iogurte, brinquedos e recipientes reutilizáveis têm mais chance de serem reciclados. Talheres descartáveis, papel-filme e copos de café têm pouca chance de serem reciclados.

 

7 - Use roupas de tecidos naturais

As fibras sintéticas usadas nas roupas “representam um imenso problema de poluição", disse Sinha, pois contribuem com o aumento da poluição por microplásticos. Prefira peças feitas com tecidos como algodão, lã, cânhamo e seda.

 

8 - Produza você mesmo

Com tantos artigos de toalete embalados em plástico, Chantal Plamondon, fundadora da Life Without Plastic, se tornou uma química caseira. “Fazemos nossa própria pasta de dente com bicarbonato de sódio, óleo de coco e óleos essenciais", disse ela. “Fazemos loções para a pele usando óleo e coco ou de macadâmia.”

 

9 - Viva sem ele

Quando somos obrigados a escolher entre o plástico ou nada, sempre podemos optar por nada.

Mais conteúdo sobre:
reciclagemplástico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.