Travis Dove The New York Times
Travis Dove The New York Times

Criador do Fortnite organiza cruzada para lutar contra domínio Apple-Google

'O mercado está fora de controle', protestou Tim Sweeney, presidente-executivo da Epic Games

Erin Griffith, The New York Times - Life/Style

03 de setembro de 2020 | 05h00

SÃO FRANCISCO - Tim Sweeney, CEO e fundador da Epic Games, fabricante de videogames, vem contrariando os gigantes da  mais poderosos do mundo desde pelo menos 2016. Naquele ano, Sweeney, um autodenominado nerd de computador com um tom ligeiramente nervoso, fez ataques em um artigo contra a Microsoft, dizendo que a empresa estava tentando “manobras sorrateiras” para dominar os jogos de computador. Ele também classificou a loja de aplicativos Oculus Rift do Facebook como "decepcionante" por não ser tão "aberta" como afirmava.

Em 2018, Sweeney atacou novamente. Ele lançou o Fortnite, o videogame mais famoso da Epic, fora da Play Store do Google para contornar as taxas da loja de aplicativos, que ele chamou de "imposto" e "desproporcional". E em janeiro, em uma conferência do setor, ele declarou que "um poder desmedido foi acumulado por muitos dos participantes que não estão no centro da indústria".

Sua missão de controlar o poder das empresas de tecnologia atingiu níveis extremos. Sweeney está se preparando para uma batalha legal prolongada depois que a Apple e o Google baniram o Fortnite, que é jogado por mais de 350 milhões de pessoas, de suas lojas neste mês por tentar burlar seus sistemas de pagamento. Em resposta, a Epic processou ambas as empresas, acusando-as de violar as leis antitruste ao forçar os desenvolvedores a usar esses sistemas de pagamento.

A cruzada pública de anos de Sweeney contra os Golias tecnológicos sugere que a questão não é algo que ele abandonará facilmente. Pessoas próximas a ele disseram que a luta não era sobre dinheiro ou ego. Em vez disso, eles disseram, é claramente sobre princípios.

“Ele tem uma visão de mundo que é justa e aberta”, disse Bradley Twohig, um investidor da Lightspeed Venture Partners, que investiu na Epic. "Ele tinha princípios antes de ter dinheiro para não ter princípios", disse Bruce Stein, CEO da startup de esportes aXiomatic e investidor da Epic.

O quão profundamente Sweeney se sente em relação às potências da tecnologia será fundamental à medida que a luta com a Apple e o Google se intensificar. Na segunda-feira, um juiz do Tribunal Distrital dos Estados Unidos do norte da Califórnia impediu temporariamente a Apple de cortar o suporte para uma ferramenta de desenvolvimento de software da Epic chamada Unreal Engine.

Sweeney disse que se a Unreal Engine fosse desativada, seria uma "ameaça existencial" aos negócios de US$ 17 bilhões de sua empresa. O juiz, que não exigiu que a Apple trouxesse o Fortnite de volta à App Store, vai se pronunciar novamente a respeito da questão no próximo mês.

Em uma entrevista no mês passado, Sweeney, de 49 anos, disse que as apostas das investigações antitruste em gigantes da tecnologia como Apple e Google não eram menores do que o futuro da humanidade. “Do contrário, você tem essas corporações que controlam todo o comércio e toda a fala”, disse ele. Ele se recusou a ser entrevistado para este artigo, citando os processos judiciais ativos, mas escreveu no Twitter que está “lutando por plataformas abertas e mudanças de políticas que beneficiam igualmente todos os desenvolvedores”.

“Não acho que seremos persuadidos a menos que consigamos o que achamos certo”, disse Adam Sussman, presidente da Epic, em entrevista na segunda-feira. “Sempre sacrificaremos o curto prazo pelo longo prazo.”

Outros desenvolvedores abraçaram a causa da Epic. O Spotify, aplicativo de streaming de música, e o Match Group, fabricante de aplicativos de namoro como o Tinder, divulgaram declarações aplaudindo os movimentos da Epic. Em um resumo jurídico no domingo, a Epic também descreveu o apoio da Microsoft.

Mas para muitos outros, Sweeney enfrenta uma batalha difícil. Em conversas com uma dúzia de investidores e ex-executivos da Epic, bem como com negociadores e analistas da indústria de jogos, muitos disseram que, embora apoiassem a posição de Sweeney, poucos esperavam que ele triunfasse em todas as suas demandas contra a Apple e o Google.

“É uma batalha difícil e hercúlea para eles vencerem a Apple no tribunal”, disse Dan Ives, analista da Wedbush Securities, porque a Epic violou os termos da App Store.

Ao ser solicitada a se posicionar, a Apple referiu-se na segunda-feira ao seu mais recente processo legal, no qual dizia que a "'emergência' da Epic é inteiramente obra da própria Epic." O Google disse que “acolheria bem a oportunidade de continuar nossas discussões com a Epic e trazer o Fortnite de volta ao Google Play”.

Sweeney, que cresceu em Potomac, Maryland, e cujo pai trabalhava para a Agência de Mapeamento de Defesa, começou a trabalhar com tecnologia ainda criança. Aos 9 anos, ele aprendeu a programar em um computador Apple II. Em 1991, como um estudante universitário, ele começou a Potomac Computer Systems, vendendo jogos em disquetes pelo correio enquanto trabalhava no porão de seus pais.

Ele acabou abandonando a Universidade de Maryland, onde estudou engenharia mecânica. Em 1992, ele mudou o nome de sua empresa para Epic MegaGames, depois deixou de lado o "Mega" e mudou a startup para a Carolina do Norte. A Epic, agora com sede em Cary, Carolina do Norte, começou a licenciar suas ferramentas para gráficos e desenvolvimento de jogos - como a Unreal Engine - para outras empresas. Isso se tornou uma fonte constante de receita, suavizando a natureza de sucesso ou fracasso do negócio de jogos.

Ao longo dos anos, Sweeney também trabalhou com afinco para manter o controle da Epic, que é uma empresa privada. Em 2012, quando a Epic considerou ser posta à venda, encontrou duas opções: poderia vender uma participação majoritária em suas operações para a Warner Bros. por cerca de US$ 800 milhões ou vender uma participação minoritária pelo mesmo valor para a Tencent, a empresa chinesa de internet, disse uma pessoa com conhecimento das discussões.

Embora o plano da Warner tivesse mais potenciais vantagens comerciais, a Epic optou pela Tencent, que manteve Sweeney no controle. Seu antagonismo em relação às gigantes da tecnologia começou alguns anos depois, quando a Epic começou a construir Fortnite, um jogo de luta no estilo Battle Royale que mais tarde se expandiu para um modo mais criativo, onde os jogadores podiam criar seus próprios jogos e desafios.

“Queríamos construir jogos online e ter um relacionamento direto com nossos clientes”, disse Sweeney na entrevista de julho. Ele acrescentou que havia descoberto que as taxas das lojas de aplicativos significavam que a Apple e o Google às vezes podiam ganhar mais dinheiro com um jogo do que seus criadores.

“Isso é totalmente injusto”, disse ele. “Isso mostra que o mercado está fora de controle.” Sweeney desistiu uma vez de uma luta com um gigante da tecnologia. Em abril, dois anos após o lançamento do Fortnite fora da Google Play Store, a Epic concordou em oferecer o jogo por meio da loja. Ele disse que estava fazendo isso porque os usuários estavam encontrando “pop-ups de segurança repetitivos e assustadores” para baixar e atualizar o aplicativo fora da Play Store.

Mesmo assim, Sweeney não teve medo de torcer o nariz para as lojas de aplicativos da Apple e do Google. Este mês, a Epic começou a incentivar os usuários de aplicativos móveis do Fortnite a pagar diretamente, em vez de por meio da Apple ou do Google. Isso violou as regras da Apple e do Google de que eles controlem todos os pagamentos de aplicativos para que possam receber sua comissão de 30%.

Em resposta, a Apple baniu o Fortnite de sua loja e, mais tarde, o Google fez o mesmo. A Epic estava pronta. Ela reuniu seus fãs em torno da hashtag #FreeFortnite e publicou um vídeo satirizando o famoso anúncio "1984" da Apple, que retratava a Apple como o azarão. A paródia incluía um vilão usando os mesmos óculos de sol do CEO da Apple, Tim Cook.

No domingo, a Epic organizou um concurso de jogos #FreeFortnite oferecendo chapéus anti-Apple e avatares digitais como prêmios. E Sweeney? Ele também jogou junto. / TRADUÇÃO DE ROMINA CÁCIA

The New York Times Licensing Group - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.