Jun Cen/The New York Times
Jun Cen/The New York Times

Desconhecida empresa chinesa tem faturamento de US$ 100 bi

Poucos ouviram falar da HNA, uma companhia aérea regional da China surgida do nada e que misteriosamente se tornou um conglomerado global com negócios no mundo inteiro

David Barboza e Michael Forsythe, The New York Times

06 Abril 2018 | 15h00

Quando um ex-executivo da Microsoft decidiu vender sua coleção de oito propriedades de golfe no Estado de Washington, uma pequena companhia chinesa iniciou as negociações para adquiri-las. A companhia, West Coast Golf, informou que agia em nome de ricos investidores chineses, entre os quais estava uma companhia de Hong Kong. Depois, as negociações estagnaram.

Um ano mais tarde, apresentou-se repentinamente um grande conglomerado chinês, o HNA Group, que concordou em pagar US$ 137 milhões para a aquisição das propriedades da companhia do ex-executivo da Microsoft, a Oki Golf.

As duas empresas chinesas tinham uma importante ligação: o diretor da West Coast Golf, Wang Wei, é o irmão mais novo de Wang Jian, que durante muito tempo foi um dos presidentes da HNA.

As atividades de Wang Wei foram fundamentais para a transformação da HNA, uma pequena companhia aérea regional, em um vasto conglomerado global, com um faturamento de quase US$ 100 bilhões e participações no Deutsche Bank, Hilton Hotels e Swissport.

Por quase 25 anos, Wang foi uma força pouco conhecida na HNA, enquanto orquestrava investimentos, construía cadeias de suprimentos e transferia ativos, segundo uma análise de documentos realizada pelo jornal The New York Times.

Em uma das operações mais fundamentais, Wang ajudou a preparar o terreno para que pessoas de dentro da empresa e suas famílias assumissem o controle da HNA - uma mudança que transferiu o controle de uma companhia apoiada pelo Estado para as mãos da iniciativa privada.

Nos últimos anos, a HNA, surgida do nada, tornou-se uma das mais prolíficas negociadoras do mundo, gastando bilhões de dólares em aquisições de imóveis, finanças e logística.

Investidores e reguladores dos Estados Unidos, da Europa e de outras partes do mundo tentam entender as ambições, as operações e as finanças desta gigante global - e dos que ajudaram a criar a companhia, como Wang Wei.

Estas questões tornaram-se mais urgentes porque as autoridades chinesas pressionam a maioria dos agressivos compradores do país a reduzirem seu endividamento. Em uma medida drástica, em fevereiro, o governo chinês assumiu o controle do Anbang Insurance Group, proprietário do Waldorf Astoria Hotel em Nova York e de outras propriedade no valor de vários bilhões de dólares em todo o mundo. No clima atual, a HNA, que acumula cerca de US$ 90 bilhões de dívidas, está revertendo seu curso e vendendo seus bens. Outros negócios pendentes estão no limbo.

Entender a HNA não é fácil. O conglomerado controla uma vasta rede de companhias públicas e privadas, subsidiárias e afiliadas espalhadas pelo mundo. Dezenas delas têm vínculos de negócios com amigos e membros da família dos principais executivos da companhia.

Não está claro se Wang Wei foi formalmente um funcionário da HAN ou de sua predecessora, a Hainan Ailines. Uma análise de centenas de registros da empresa desde meados dos anos 1990 mostraram poucas menções de seu nome, e nenhuma delas indica que ele seja o irmão mais novo de um alto executivo da HNA. Em alguns casos - como nas negociações iniciais para o acordo da Oki Golf -, as empresas de investimentos privados de Wang Wei, ou as de outros parentes, operavam nos bastidores.

“Essas transações estão sendo cuidadosamente analisadas a fim de garantir que foram em todos os aspectos benéficas para a HNA”, informou por e-mail Thomas A. Clare, advogado da HNA. “Trabalhar com um parceiro de negócios que é conhecido da companhia e de sua direção permitiu que as partes colaborassem em uma posição de confiança e cooperação e, ao fazer isso, chegassem a resultados ainda maiores”.

Procurado, Wang não respondeu aos telefonemas.

Durante anos, Wang foi praticamente um desconhecido no ambiente empresarial da China. Ele concedeu poucas entrevistas à mídia e raramente posou para fotografias. Então, há cerca de dez anos, apareceu como um importante investidor em uma das maiores imobiliárias da China, a Dalian Wanda. Os registros mostram que em julho de 2007, ele adquiriu uma participação considerável na companhia controladora da família do presidente da Wanda, no mesmo dia em que uma companhia controlada pelo filho de um membro do Comitê Central do Partido Comunista, que governa o país, assumia uma participação em uma de suas subsidiárias.

Depois que seu irmão Wang Jian ajudou a fundar a Hainan Airlines com o apoio do Estado, no início dos anos 1990, o Wang mais jovem se tornou um dos frequentes parceiros de negócios da empresa. Ele criou joint ventures e outras organizações que forneciam serviços à companhia aérea, inclusive publicidade e leasing.

Entre 1994 e 2010, Wang criou mais de 30 empresas que faziam negócios com a HNA e suas afiliadas, segundo registros corporativos. Em alguns negócios, Wang começava gerindo um projeto em nome da HNA antes de assumir sem estardalhaço a propriedade por meio de outra entidade, como no caso da West Coast Golf.

Mais conteúdo sobre:
China [Ásia]empresa aérea

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.