Sharkey et al., Nature Communications, 2021 via The New York Times
Sharkey et al., Nature Communications, 2021 via The New York Times

Ele segue a Terra ao redor do Sol, mas não o chame de Lua

Novos dados sugerem que um objeto conhecido como Kamo'oalewa foi arrancado da Lua pelo impacto de um meteoro antes de se tornar um quase satélite de nosso planeta

Robin George Andrews, The New York Times - Life/Style, O Estado de S.Paulo

28 de novembro de 2021 | 05h00

O espaço é vasto e solitário. É perfeitamente compreensível, então, que uma pequena rocha decida acompanhar a Terra e a Lua em sua circunavegação anual do Sol.

Essa rocha, de 165 pés de comprimento, foi descoberta em 2016 pelo telescópio caçador de asteroides Pan-STARRS 1, do Havaí. O nome havaiano desta entidade excêntrica, (469219) Kamo'oalewa, significa "objeto celestial oscilante". Conforme gira repetidamente ao redor da Terra, esse corpo tímido nunca se aproxima mais do que 9 milhões de milhas, o que é 38 vezes mais distante do que a Lua. Ele fica tão distante quanto 25 milhões de milhas antes de retornar para um encontro mais próximo.

Os cálculos de sua valsa orbital indicam que ele começou a seguir nosso planeta de maneira relativamente estável há cerca de um século e continuará a fazer piruetas ao redor da Terra por vários séculos. Mas de onde veio Kamo'oalewa? É difícil estudar o objeto com telescópios por causa de suas dimensões minúsculas e sua tendência a se esconder nas sombras.

Mas em um artigo publicado na quinta-feira, 18, na Communications Earth & Environment, uma equipe de cientistas relatou que pode ter resolvido o mistério. Observando Kamo'oalewa por breves momentos quando ele foi iluminado pelo sol, os astrônomos descobriram que ele parece ser feito do mesmo tipo de matéria magmática congelada encontrada na superfície lunar.

“Minha primeira reação às observações de 2019 foi que provavelmente eu havia errado”, disse Benjamin Sharkey, um aluno de pós-graduação da Universidade do Arizona e autor principal do estudo.

Esperava-se que Kamo'oalewa fosse composto por minerais geralmente encontrados em asteroides. Mas observações adicionais nesta primavera deixaram claro que "os dados não se importavam com o que pensávamos", disse Sharkey. Kamo'oalewa realmente parecia uma versão extremamente pequena da Lua. Ao fazer essa descoberta, ele disse: “Fiquei animado e confuso ao mesmo tempo”.

Baseado em sua órbita e composição, Kamo'oalewa pode ser um fragmento da Lua, arrancado pelo impacto de um meteoro no passado.

Kamo'oalewa pode soar como uma Lua em miniatura, mas não é. Ao contrário da Lua, que está gravitacionalmente ligada à Terra, Kamo'oalewa está gravitacionalmente ligado ao Sol. Se você fizesse a Terra desaparecer subitamente, Kamo'oalewa continuaria a orbitar nossa estrela. É o que é conhecido como um quase-satélite. Os astrônomos conhecem quatro outros que permanecem nas proximidades da Terra, mas Kamo'oalewa tem a órbita mais estável.

Em abril de 2017, Kamo'oalewa estava bem iluminado quando a Terra estava entre o quase-satélite e o Sol. Os astrônomos observaram-no com dois telescópios no Arizona - o Large Binocular Telescope e o Lowell Discovery Telescope - e usaram a luz refletida para identificar seus minerais. Eles viram muitos silicatos, minerais encontrados em corpos rochosos em todo o sistema solar - e observações posteriores confirmaram que os silicatos de Kamo'oalewa se pareciam muito com os encontrados na Lua.

Pode ser uma coincidência e, então, os autores do estudo sugeriram outras possíveis histórias de origem: Kamo'oalewa pode ser um asteroide capturado com uma composição semelhante à da Lua, ou o fragmento de um asteroide dilacerado pela atração gravitacional do sistema Terra-Lua .

Os dados da equipe, no entanto, "dão mais suporte a uma origem lunar", disse Hannah Sargeant, uma cientista planetária da Universidade da Flórida Central não envolvida no estudo.

Este quase satélite pode não estar sozinho: as órbitas de três outros objetos próximos à Terra são semelhantes o suficiente às órbitas de Kamo'oalewa para sugerir que todos podem ter vindo do mesmo evento cataclísmico. Mas, no momento, "ainda não há evidências suficientes para afirmar com segurança como esses objetos se originaram", disse Sargeant.

“A única maneira de ter certeza é enviar uma espaçonave para este pequeno corpo”, disse Paul Byrne, um cientista planetário da Universidade de Washington em St. Louis que não esteve envolvido no estudo. A agência espacial da China planeja pousar nele e coletar amostras para voltar à Terra no final desta década.

“Até lá, ficamos com a possibilidade de, em nossa jornada pelo espaço, sermos acompanhados pelos restos de uma colisão que fez um buraco na lua”, disse Byrne. “E isso é muito legal.” /TRADUÇÃO LÍVIA BUELONI GONÇALVES

The New York Times Licensing Group - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times

Tudo o que sabemos sobre:
astronomiaexploração espacial

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.