Peter DaSilva para The New York Times
Peter DaSilva para The New York Times

Empreendedores de meia-idade são mais propensos a levar startups ao sucesso

Histórias da origem de Microsoft, Apple e Facebook contribuíram para gerar o mito no qual a tecnologia e a inovação são alimentadas por "crianças prodígio"

Seema Jayachandran, The New York Times

01 de outubro de 2019 | 06h00

Foi um empreendedor que reinventou o banal termostato doméstico como um objeto a ser apreciado por sua beleza. O empreendedor foi Tony Fadell, que imaginou um termostato diferente depois de trabalhar dezenas de anos na indústria tecnológica. Fadell usou a sua experiência em uma nova companhia, a Nest, que fundou com a ajuda de um colega da Apple em 2010, aos 41 anos.

O termostato da Nest tinha um design brilhante e intuitivo, conectividade com o smartphone e a capacidade de aprender os hábitos do seu proprietário a respeito da temperatura. Em poucos anos, o Google adquiriu a Nest por US$ 3,2 bilhões. A enorme experiência de Fadell e sua idade relativamente madura quando fundou a Nest são típicas dos empreendedores superstars, que raramente acabam de sair da universidade, ou a abandonaram há pouco.

Foi isto que uma equipe de economistas descobriu quando analisou companhias de forte crescimento nos Estados Unidos. O estudo foi publicado na revista American: Insights. Os pesquisadores procuraram start-ups criadas entre 2007 e 2014, e avaliaram 0,1% das principais - definidas  em termos de empreendimentos e vendas. A idade média dos fundadores destas companhias era 45 anos.

Por outro lado há exemplos do oposto. Mark Zuckerberg tinha 19 quando fundou o Facebook com colegas. Bill Gates tinha 19 quando fundou com outros a Microsoft. E Steve Jobs tinha 21 quando criou com outros a Apple. As histórias da origem destas companhias contribuíram para gerar um mito segundo o qual a tecnologia e a inovação são alimentadas por crianças prodígio.

Estudos anteriores mostraram que os proprietários de pequenas empresas estão em geral perto dos 40 ou dos 50 anos. Contudo, a maioria das pequenas empresas continua pequena: restaurantes, lojas e coisas semelhantes. Elas são importantes, mas não fundamentais para a inovação na economia.

Pessoas mais jovens frequentemente têm um tipo de raciocínio que as leva a assumir riscos. De fato, a capacidade natural de resolver problemas, e a inteligência fluida costumam se desenvolver rapidamente e chegar ao ápice cedo. Mas o sucesso nos empreendimentos depende de elementos que aparentemente vão se aprimorando com a idade.

Fadell começou a trabalhar no Vale do Silício no início dos anos 1990, projetando produtos para a General Magic and a Philips Electronics. Nos anos 2000, ele se mudou para a Apple, onde foi um dos criadores do iPod de música, e teve um papel preponderante no primeiro iPhone. Em 2010, fundou a Nest com Matt Rogers, um jovem engenheiro da Apple.

Fadell contou que, depois de sair da Apple, projetou uma casa ecológica no Lago Tahoe, na Califórnia. Não ficou satisfeito com os volumosos termostatos oferecidos por sua empreiteira. “Os termostatos eram feios, ultrapassados”, explicou Fadell. “Precisei aprender muitas coisas aprender para finalmente conseguir criar outro”, acrescentou.

Então, aprendeu o design de produtos na General Magic, e a gestão de equipes e financiamento na Philips Electronics. Na Apple, Jobs mostrou-lhe como projetar toda a experiência do cliente, desde a embalagem ao envio de mensagens. “Quando ficamos mais velhos, começamos a sentir a necessidade e a compreender outras coisas”. / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.