Stephane Mahe/Reuters
Stephane Mahe/Reuters

Carla Bruni-Sarkozy conta os segredos de beleza para fazer bonito nas reuniões virtuais

Segundo a supermodelo que virou cantora e compositora, e ex-primeira-dama da França, a iluminação é mais importante do que a maquiagem

Bee Shapiro, The New York Times - Life/Style

28 de outubro de 2020 | 05h00

Carla Bruni-Sarkozy, a supermodelo que se tornou cantora, passou o período do lockdown por causa do coronavírus no maravilhoso sul da França, onde ela se escondeu com a família, incluindo o marido, Nicolas Sarkozy. Ali, enfiada em uma espécie de estúdio, ela concluiu o seu sexto autointitulado álbum de estúdio, lançado no início de outubro.

Carla, 52, retornou recentemente a Paris, onde, afirmou: “Todo mundo está voltando ao trabalho com bastante prudência”, e ela está atarefada programando uma turnê virtual. Abaixo, ela conta como ela consegue administrar tudo isto.

Trabalhar no meio do stress

No começo do lockdown, nós nos encontrávamos no sul da França. Houve muita ansiedade. Não podíamos nos projetar no futuro, e não estávamos acostumados àquilo. Portanto, o estresse foi grande. Mas como não podíamos sair de lá, eu e meu marido começamos a trabalhar.

Cerca de 40% do álbum estava escrito antes do confinamento. O restante do álbum eu fiz durante esse período. Felizmente, havia levado tudo de que precisava comigo: microfone, computador, violão. O confinamento acabou sendo um período de trabalho muito produtivo. Tínhamos uma quantidade infinita de horas e nenhuma escola.

Tive de mudar a minha rotina. Criatividade - frequentemente eu me inspiro saindo de casa para caminhar e olhar as pessoas, olhar a vida. Mas não pudemos fazer nada disso. Ao contrário, eu fazia muito exercício pela manhã, depois passava algum tempo com as crianças. O nosso passatempo era cozinhar. E depois, tive este tempo dedicado à música quando pude escrever. Foi uma prisão estranha, mas nós descobrimos uma maneira de estarmos livres.

 

Cremes, por favor

Eu sou pouquíssimo preocupada com a minha maquiagem e o corte de cabelo na minha vida pessoal. Mas gosto do cuidado da pele. Adoro esfregar, limpar e hidratar. Há no mercado uma espécie de sopa escura de óleo de oliva do Marrocos, que pode ser encontrada nas farmácias. Ela vem com uma luva especial, e você limpa e esfrega ao mesmo tempo. E melhor se usada com vapor de água.

Não gosto de gel, serums ou coisas do tipo. Tenho pele seca. Uso cremes simples, mas muito nutrientes com óleo. Gosto dos da La Roche-Posay. É uma marca francesa - muito boa. Eu gosto particularmente da linha Lipicar. Eles hidratam durante muitas horas.

Desde a pandemia, lavo as mãos o tempo todo, mesmo em casa. Esta covid está também nas superfícies, e eu acabei me tornando paranoica.  Mas também me dei conta de que é um hábito bom para a saúde. Estou usando Cold Cream da Avene nas mãos. Às vezes, a uso no rosto, e até nos lábios.

Ou então faço manicure, tenho unhas curtas na mão esquerda porque preciso dos dedos para o violão. Quando estava em turnê, usava um esmalte vermelho lindo. Fica bonito olhar aquela cor no palco.

Pouca Maquiagem

Há um creme CC da marca Erborian. É absolutamente fantástico, e cobre as coisas que você precisa cobrir, mas não fecha totalmente os poros. Ele contém também um bloqueador do sol. Eu uso diariamente. Me dá uma espécie de brilho, mas não é espessa e é muito hidratante.

Com todo este tempo ao telefone e diante do computador com reuniões por vídeo, eu percebi que a iluminação é mais importante do que a maquiagem. Todo este Zoom nos laptops, a câmera é muito baixa. É uma maneira muito estranha de filmar as pessoas. Ninguém fica muito bem.

Eu gostaria de colocar a câmera ou o laptop um pouco mais alto. Depois colocaria mais luz no cabelo - iluminando por trás - que pode dar um efeito bonito. E na frente, colocar uma vela. Também não se pode chegar muito perto do monitor.

Cuidado com o cabelo

O meu cabelo é muito frágil. Eu procuro tratá-lo com carinho. Uso muitos produtos suaves, e também para tingi-lo. Uso produtos naturais da Aveda, e também um maravilhoso condicionador da Christophe Robin feito com figos. É muito nutritivo, e basta deixá-lo agir alguns instantes. Há muito tempo, Christophe costumava secar o meu cabelo. Nós nos conhecemos no começo - começo para ele, e também para mim.

Também uso este shampoo de bambu da Leonor Greyl. É espetacular e também hidratante. Tenho a sensação de que ele respeita o seu cabelo.

Uma dieta sem dieta

Não tenho uma dieta especial. Continuo comendo glúten, e continuo comendo carne. Tento comer em pequenas quantidades. É a única solução que funciona para mim. Ocasionalmente, gosto de jejuar por 20 ou 22 horas um domingo. Não é dia de fazer exercício físico, e eu descanso o meu metabolismo.

Quando me apresento no palco ou estou trabalhando nas minhas músicas, adoro tomar chá - com mel, ginseng, gengibre e limão. É muito bom para a garganta. / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

The New York Times Licensing Group - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times

Tudo o que sabemos sobre:
Carla BrunimúsicaNicolas Sarkozy

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.