George Etheredge para The New York Times
George Etheredge para The New York Times

Fóssil raro colocado à venda no eBay irrita cientistas

'Posso fazer o que eu quiser', disse proprietário de esqueleto de um jovem Tyrannosaurus rex

Laura M. Holson, The New York Times

30 de abril de 2019 | 06h00

A tentativa de um caçador de fósseis de vender um esqueleto de um jovem Tyrannosaurus rex no eBay por US$ 2,95 milhões desencadeou o furor na comunidade científica que avisou que o achado deveria ser estudado, e não vendido a quem oferecesse o preço mais alto.

O proprietário do esqueleto, Alan Detrich, justificou sua decisão de vender o fóssil de 4,5 metros de comprimento a um rico colecionador privado, alegando que ainda assim poderia ser pesquisado. “É muito difícil encontrar um comprador bilionário”, ele disse no mês passado. “Colocá-lo à venda no eBay é uma das maneiras de consegui-lo”.

Esta perspectiva irritou os cientistas que questionaram o motivo pelo qual Detrich emprestara o esqueleto ao Instituto de Biodiversidade e Museu de História Natural da Universidade do Kansas, em 2017. Segundo eles, a exposição do fóssil em público fazia parte de uma estratégia para vender o espécime a um rico investidor.

“Detrich tentou capitalizar a boa fé do museu usando a exposição e a atenção científica como pontos de venda” no eBay, afirmou em uma carta à Sociedade de Paleontologia dos Vertebrados. “Estes eventos comprometem o processo científico para o estudo da vida passada bem como a perspectiva para as futuras gerações de compartilharem do patrimônio natural do nosso planeta”.

O esqueleto, que se acredita ser de um T. rex de quatro anos, ficou exposto até recentemente no museu e foi devolvido a Detrich. A instituição pediu que Detrich retirasse todas as referências ao museu do anúncio no eBay, que mencionava o crâneo de 53 centímetros e 12 dentes do maxilar inferior do fóssil. Ele concordou.

“Muito provavelmente, o único filhote de T-Rex do mundo!” dizia o anúncio. “Na realidade, esta é uma rara oportunidade de ver um filhote de REX”. Leonard Krishtalka, o diretor do museu, não quis dar entrevista. Mas Anne Tangeman, uma porta-voz da instituição, respondeu ao caso. “O nosso propósito era manter o espécime na esfera do museu para que fosse admirado pelos visitantes até ser vendido a um museu”.

Detrich afirmou que tentou encontrar um museu que comprasse o esqueleto, mas não teve sorte. Isto causou um rompimento com o museu do Kansas, ele disse, porque o fato de ter sido anunciado originalmente no eBay fazia parecer que o museu estivesse promovendo a venda a um rico investidor. Detrich, que mora no Kansas, afirmou que não informou o museu da sua intenção de vender, mas se ofereceu  para entregar-lhe um molde do espécime.

Ele acrescentou que concordara em emprestar o fóssil ao museu, dois anos atrás, depois que, em 2013, ele e o irmão, Robert, o encontraram em uma escavação na propriedade que eles alugaram em Montana, onde ele costuma procurar fósseis. Detrich afirmou que não era a primeira vez que recebia críticas da comunidade científica por vender fósseis. Em 1999, tentou vender um esqueleto de T. rex no e-Bay por US$ 5,8 milhões, mas não teve sucesso porque uns brincalhões invadiram o leilão fazendo lances falsos.

Ele disse que queria que o esqueleto do jovem dinossauro fosse estudado, mesmo que acabasse nas mãos de um colecionador rico. Detrich, que tem mais de 70 anos, começou a caçar fósseis há 30 anos. Ele é também escultor que cria iconografia religiosa e outras obras com ossos de dinossauros, madeira petrificada e aço.

No início do mês passado, ele recebeu um e-mail de Krishatalka lamentando a venda no eBay. “Ele falou: ‘O que está fazendo?’” lembrou. “Bom, eu sou o dono desta coisa”, observou, referindo-se ao T. rex. “É minha. Posso fazer o que quiser”. Até o final de abril, ele não recebeu nenhuma proposta. Inicialmente, uma mostra em um museu. Depois a inclusão na listagem do eBay. / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.