Christopher Simpson/The New York Times
Christopher Simpson/The New York Times

As muitas faces dos bolinhos de lua, um clássico asiático

Uma celebração da luminosa iguaria de outono - o tradicional prato do Festival de Meio de Outono, que comemora a lua cheia e a colheita outonal

Clarissa Wei, The New York Times - Life/Style, O Estado de S.Paulo

10 de outubro de 2021 | 05h00

Betty Liu, autora de livros de receitas, cresceu num bairro da Califórnia com muitas padarias chinesas, mas não podia contar com elas para satisfazer seus desejos de bolinho de lua.

“A maioria vendia apenas o clássico bolo de lua cantonês”, disse ela. Os pais de Liu são de Xangai, onde os bolinhos de lua são esféricos e cheios de camadas, recheados com carne de porco suculenta. Os bolos de lua cantoneses, por outro lado, são massas densas em forma de disco de hóquei, com crostas macias e grudentas.

Quando Liu postou sobre os bolinhos de lua de porco em seu Instagram, as pessoas a acusaram de inautenticidade, mesmo sendo uma receita de sua mãe, que se baseou em lembranças dos que ela tinha comido na China. “Recebi alguns comentários como: ‘Isso não é bolinho de lua. Não tente nos enganar’”, disse Liu. “Mas as pessoas conheciam só o estilo cantonês”.

Embora existam muitas variações regionais de bolos de lua em toda a Ásia, as pessoas estão mais familiarizadas com as versões cantonesas, porque as primeiras padarias asiáticas fora da Ásia eram cantonesas. Os bolinhos viraram um sucesso no mundo todo devido à influência global de Hong Kong, onde o padrão é a culinária cantonesa.

No final dos anos 1950 e 1960, os bolos de lua “ficaram conhecidos como uma maneira de presentear alguém”, disse Max Wong, diretor executivo da Kee Wah Bakery, uma instituição de Hong Kong que existe desde 1938 e agora fabrica mais de 10 milhões de bolos de lua por ano. Antes disso, os bolinhos eram assados apenas durante o Festival do Meio do Outono, um evento anual que celebra a lua cheia, quando se acredita que ela está mais brilhante. Os bolinhos de lua eram preparados para consumo pessoal ou para serem apresentados como oferendas à lua. Quando Hong Kong se tornou um centro financeiro internacional na década de 1960, porém, os bolinhos passaram a ser comercializados e amplamente divulgados - oferecidos a clientes e amigos dentro de embalagens elaboradas.

Embora a versão cantonesa seja a mais conhecida internacionalmente, não existe um padrão estabelecido. “Aqui a gente recheia com presunto. É uma especialidade de Yunnan”, disse Dong Meihua, referindo-se à província no sudoeste da China onde ela vive. Dong, que produz vídeos populares de culinária no YouTube sob o nome de Dianxi Xiaoge, faz bolinhos de lua com presunto caseiro adoçado com mel. Assados no forno a carvão, são almofadadas redondinhas, parecem orbes douradas.

Fiel à intenção original das festas de outono, que este ano caiu em 21 de setembro, Dong oferece uma bandeja de bolinhos de lua como presente para a lua e acende incensos para demonstrar sua gratidão pela colheita anual. “Colocamos nossos melhores ingredientes nos nossos bolinhos”, disse ela. “É a forma mais elevada de respeito ao Festival do Meio do Outono”.

Chong Suan, proprietário da Chuan Ji Bakery em Cingapura, presta seus respeitos durante as festividades envolvendo sementes de melão e gergelim, açúcar rosa, limão em conserva e cascas de laranja numa crosta fina que então é gentilmente pressionada dentro de um molde de madeira entalhado à mão. “É mais um biscoito”, disse ele, descrevendo a textura. Ele herdou a receita de 95 anos de sua avó, que na década de 1920 emigrou para Cingapura vindo de Hainan, uma província insular da China.

O bolinho continuou a evoluir com as gerações sucessivas e com sua viagem pelos continentes. A blogueira sino-americana e autora de livros de receitas Kristina Cho faz uma versão com pistache esmagado e recheio de mel envolto numa crosta cantonesa. “Pistache para mim é luxo”, disse ela.

Se a intenção do bolinho de lua é exibir o melhor de uma região, então sua composição estará sempre aberta a interpretações. “Realmente não importa o formato e o tamanho do bolinho”, disse Cho. “O bolinho de lua é algo pequeno e singelo que pode ser compartilhado com seus entes queridos mais próximos”. /TRADUÇÃO DE RENATO PRELORENTZOU

The New York Times Licensing Group - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.