via Departamento de Estudos Clássicos, Universidade de Cincinnati
via Departamento de Estudos Clássicos, Universidade de Cincinnati
Nicholas Wade, The New York Times

03 de janeiro de 2020 | 06h00

Duas grandes tumbas fora descobertas e escavadas no sítio da cidade antiga de Pilos, sul da Grécia, indicando que Pilos desempenhava um papel de surpreendente destaque no início da civilização micênica.

Ainda que os túmulos tenham sido saqueados na antiguidade, os arqueólogos informaram recentemente terem recuperado milhares de peças de folha de ouro, vestígios do material que revestia o chão dos túmulos, provavelmente produzindo um brilho espetacular na câmara escurecida.

O maior dos dois túmulos tem 12 metros de diâmetro, e o menor, cerca de nove. Ambos foram construídos no formato de alvéolos chamados tholos, mas ruíram.

Os arqueólogos também encontraram contas feitas de âmbar, cornalina e malaquita, e um pingente de ouro retratando a cabeça da deusa egípcia Hathor. Esses itens indicam que Pilos, cidade portuária, tinha elos comerciais antes desconhecidos com o Egito e o Oriente Próximo mais ou menos em 1500 a.C., época em que os túmulos estavam em uso.

Os túmulos foram descobertos por Jack L. Davis e Sharon R. Stocker, casal de arqueólogos da Universidade de Cincinnati que trabalham no sítio desde 1992.

Em 2015, descobriram um espetacular túmulo de poço perto do antigo palácio de Pilos. O ocupante do túmulo foi enterrado com uma comprida espada de bronze e um tesouro em arte minoica da mais alta qualidade, principalmente selos minoicos. Foi batizando informalmente de Guerreiro Grifo, em homenagem à fera mítica gravada em uma placa de marfim no túmulo.

O Guerreiro Grifo e os dois túmulos tholos pertencem a um período conhecido como Heládico Superior IIA, que durou de 1600 a 1500 a.C. O período é de interesse porque teve a formação da civilização minoica, que durou aproximadamente de 1600 a 1200 a.C., quando muitas de suas principais cidades foram incendiadas em uma catástrofe desconhecida. A era da Grécia Clássica só emergiu depois dos 700 anos da idade das trevas que se seguiu.

O período micênico posterior é a ambientação dos épicos de Homero e de heróis como Agamemnon de Micenas. O período é chamado de micênico porque Homero retrata o rei da cidade, Agamemnon, como líder da frota grega que partiu para capturar Helena de Troia.

Uma característica central da cultura micênica é o fato de ter se originado da civilização minoica, de Creta, ilha ao sul da Grécia que prosperou como centro de comércio entre o Oriente Próximo e o Egito.

Os doutores Davis e Stocker acreditam que os itens, apesar de feitos em Creta, eram integrais à cultura do guerreiro.

A empunhadura de uma espada nesse túmulo parece idêntico a outra gravada em um selo de pedra enterrado com ele. Essa e outras semelhanças indicam que a civilização do guerreiro tinha entendido o significado e a simbologia dos objetos minoicos enterrados com ele.

Os arqueólogos dizem que os novos achados em Pilos ajudam a esclarecer a relação inicial entre as civilizações minoica e micênica. As elites de Pilos e Micenas estavam usando imagens e objetos de arte para estabelecer seu status na sociedade grega.

“Eles logo chegaram a um acordo quanto ao que representaria o status - armas, arquitetura grandiosa, muito ouro e selos de pedra”, disse Jeremy B. Rutter, arqueólogo especializado no micênico da Universidade Dartmouth. As elites importaram objetos preciosos de Creta e copiaram o estilo da arquitetura minoica nos palácios em Pilos e Micenas.

“Os novos achados em Pilos foram incríveis e transformaram a natureza do debate”, disse ele, acrescentando que as escavações mudaram o debate em torno do período ao mostrar que Pilos “era uma potência de verdade no início do período micênico”. / TRADUÇÃO DE AUGUSTO CALIL

Tudo o que sabemos sobre:
Grécia [Europa]arqueologia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.