Matthew Abbott / The New York Times
Matthew Abbott / The New York Times

Helicópteros ajudam a alimentar animais após incêndios na Austrália

Alguns ecologistas estimaram que mais de um bilhão de animais selvagens morreram nos incêndios que começaram em julho

Matthew Abbott, The New York Times

25 de março de 2020 | 06h00

O helicóptero conhecido como Esquilo normalmente é usado para apagar incêndios e enfrentar pragas. Mas, nos dias de hoje, ele tem uma nova missão: espalhar toneladas de cenoura e batata-doce para cangurus ameaçados pela fome em New South Wales, na Austrália. Uma seca prolongada já havia reduzido drasticamente o suprimento de alimentos dos marsupiais.

Depois vieram os incêndios que devastaram o sudeste da Austrália nos últimos meses. “Não sobrou absolutamente nada”, disse Michaela Jones, diretora de projetos do Serviço de Parques Nacionais e Vida Selvagem de New South Wales. Alguns ecologistas estimaram que mais de um bilhão de animais selvagens morreram nos incêndios que começaram em julho e acabaram por carbonizar milhões de hectares.

Os conservacionistas correram para descobrir maneiras de ajudar as populações locais de espécies ameaçadas, como os cangurus. Alimentar os animais selvagens é algo que vai contra os conselhos usuais, disse Trent Forge, gerente de projeto de espécies ameaçadas do Serviço de Parques Nacionais e Vida Selvagem.

Mas, depois que os incêndios acabaram com os campos de forragem dos cangurus, as autoridades deram início à missão de soltar alimentos a cada 10 ou 14 dias sobre o Parque Nacional Wollemi. Forge disse que cerca de 80% do habitat dos cangurus foram afetados pelos incêndios. “Se quisermos conservar a espécie, precisamos ajudar os sobreviventes”.

Jones zela pelos cangurus desde 1999, e ao longo desses anos a população cresceu de oito para 110 animais. Quando os incêndios atingiram a área de Jenolan, ela foi ver os sobreviventes. No primeiro dia, encontrou apenas gambás mortos. “Senti que o trabalho de toda a minha vida estava virando fumaça”, disse ela.

“Dava para sentir o cheiro de animais mortos por toda parte”. Mais tarde, porém, os fiscais encontraram 16 cangurus abrigados em uma cachoeira. Alguns tinham passado dias sem comer. Jones disse que achava que pelo menos um terço da população local havia sobrevivido.

As autoridades da vida selvagem começaram a pensar em maneiras de levar comida para os sobreviventes. Três semanas depois dos incêndios, passaram a jogar alimentos do helicóptero. Além das cenouras e da batata-doce, ele também solta água. Jones trouxe quase 200 litros em uma viagem. Os animais beberam quase tudo em uma única noite.

“Você sempre acha que os animais se mudarão para a área de mata não queimada mais próxima – mas onde sobrou um pouco de mata não queimada?”, disse ela, acrescentando que quase não havia terra intocada pelo fogo em um raio de 40 quilômetros. / TRADUÇÃO DE RENATO PRELORENTZOU

Tudo o que sabemos sobre:
Austrália [Oceânia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.