Peyton Fulford/The New York Times
Peyton Fulford/The New York Times

Mais homens estão assumindo o controle das máquinas de costura

Arte caseira há muito negligenciada é recuperada durante a pandemia, inclusive por alguns que estão ansiosos em quebrar os estereótipos de gênero

Hannah Steinkopf-Frank, The New York Times - Life/Style

21 de janeiro de 2021 | 05h00

Crescendo em lares adotivos, Norris Dánta Ford, estilista, sabiamente usou roupas para impressionar seus futuros pais, vestindo a si mesmo e a sua irmã com várias roupas para mostrar como eles eram elegantes. Percebendo a confiança que pode vir das roupas, Ford, 34 anos, construiu uma carreira como estilista, trabalhando com celebridades como Prince e Matthew McConaughey, antes de perceber o potencial criativo em fazer suas próprias roupas.

Agora, é designer de estampas de moda masculina e professor de costura online em Atlanta, e está na vanguarda de um movimento novo e crescente de homens que abraçam a costura doméstica. Costuristas (mistura das palavras “costurar” e “artista”, e adotado por ser de gênero neutro) há muito tempo trabalham para mudar as imagens antiquadas de dona de casa frequentemente associadas ao hobby da costura.

Esforços criativos coletivos, que vão desde a colcha de retalhos do AIDS Memorial Quilt até chapéus  de tricô em formato de vagina, levaram as criações caseiras para a esfera pública e política. E com os artesãos podendo exibir suas criações em plataformas como Pinterest e Instagram, a costura e outros artesanatos estão crescendo em popularidade.

A quarentena acelerou essa tendência, como informado pela CNN com um aumento significativo nas vendas de máquinas de costura (e não apenas para fazer máscaras). Em vez de oficinas de artesanato tradicionais, os criadores estão se conectando às redes sociais para construir uma comunidade e promover a diversidade e inclusão: #vintagestylenotvintagevalues (estilo vintage, não valores vintage) é uma hashtag popular, com costuristas de estilo retrô que rejeitam a política de gênero retrógrada e o racismo.

Dentro desses grupos, há um número crescente de homens que fazem roupas não apenas para quebrar os estereótipos tradicionais de gênero, mas também para defender a aceitação do corpo, justiça racial e estilos de vida mais sustentáveis. Ford, que tem mais de 37 mil seguidores no Instagram, começou a costurar depois que começou a namorar sua esposa, Mimi Goodwin (comumente conhecida como Mimi G), uma conhecida blogueira de costura, que criava roupas ecléticas em um estilo que mesclava streetwear retrô e business casual.

Ele rapidamente percebeu as ofertas limitadas de estampas para o público masculino: enquanto as estampas femininas abrangem de reproduções vintage até as últimas tendências das passarelas, as masculinas são amplamente limitadas a uma gama estreita de silhuetas clássicas e muitos, muitos pijamas.

Trabalhando com a grande empresa de modelagem Simplicity, Ford elaborou e lançou seus próprios moldes com base no que ele pensava que as pessoas comuns gostariam de vestir. Ele e Mimi também são donos da SewItAcademy, uma escola de costura online. Mesmo assim, ele costuma ser o único homem em uma loja de artesanato.

“As noções de costura, as ferramentas, muito disso é cor de rosa e feminino”, disse Ford. “Não é um ambiente confortável para o homem comum”. Então ele criou a hashtag #dopemensew (homens excelentes costuram), e um grupo no Facebook com cerca de 200 participantes, para promover as realizações dos costuristas do sexo masculino.

 

“Com a rede social, se você vê um cara costurando e vê um terno perfeito ou uma camisa bonita, o primeiro pensamento de um homem é: ‘Cara, isso é excelente. Onde posso comprar isso? '”, disse ele, “E então eles aparecem e ficam tipo,' Oh, ele fez isso '. Vamos, você pode fazer isso. ”

Ascensão e queda da economia doméstica

Um usuário regular da hashtag é Brad Schultz, 35 anos, professor do primeiro ano do ensino fundamental em Gainesville, Flórida, que há mais de uma década costura suas próprias roupas coloridas e modernas.

Embora goste de mostrar suas criações aos alunos, Schultz não tem amigos próximos que também costurem. Ele se lembrou de ter se destacado em uma convenção de costura cheia de mulheres no Texas, há dez anos. Mais recentemente, ele conseguiu encontrar outros costuristas online.

“É a mesma sensação que tenho quando visito uma cidade grande, tipo, há mais por aí”, disse Schultz. “Não me sinto tão limitado porque sei que o Instagram abre essas portas e me permite conectar e compartilhar.” Muitas vezes adaptando as estampas femininas às suas medidas porque geralmente estão mais na moda, Schultz disse que gosta de fazer roupas para conseguir o caimento perfeito, o que é difícil de encontrar em peças comerciais.

“Por um lado, a capacidade de costurar e criar o estilo que eu quiser, no tamanho que preciso, dá uma enorme liberdade”, escreveu ele por e-mail. “Quando estou produzindo algo, não me sinto limitado ou afetado por estilos ‘destinados’ a um gênero ou outro.” As empresas de tecidos independentes estão cada vez mais produzindo estampas masculinas e unissex.

Em abril, Reese Cooper, um designer de Los Angeles, apresentou um kit de US$ 98 para recriar seu popular casaco de estilo utilitário, que se esgotou rapidamente. Cooper também ofereceu patches e kits do tipo "faça você mesmo" para criar camisetas tie-dye. Mas as principais empresas de costura têm se mexido lentamente para comercializar para homens.

Ford acha que pode haver muitos homens que costuram, mas não compartilham publicamente suas criações, já que a percepção de que isso é "trabalho de mulher" tem persistido.

CosturaTok

Joe Ando-Hirsh, um costurista de Nova York que não quis dizer sua idade, acha que essa desconexão entre o processo técnico e a peça final foi ainda mais fortalecida com a comercialização da semana de moda, onde o foco está em grande parte em documentar as apresentações e as celebridades e não o que faz parte da coleção. Com o TikTok, Ando-Hirsh tenta dar uma influência moderna à costura.

Ele estava planejando seu desfile de moda no Fashion Institute of Technology e organizando um estágio de verão quando o novo coronavírus surgiu. Ando-Hirsh se mudou do Brooklyn para a casa de seus pais em Long Island e montou um ateliê na garagem. Sua namorada Niamh Adkins, uma modelo, sugeriu que ele fizesse um perfil TikTok sobre costura.

Em 14 de março, ele compartilhou o processo de costura de uma jaqueta vermelha com detalhes em coração para o aniversário dela. Nos meses seguintes, ele ganhou mais de 800 mil seguidores e também começou a postar tutoriais no YouTube. “Estou feliz que esses vídeos estejam dando permissão a algumas crianças para fazer o que querem fazer”, disse Ando-Hirsh, “porque há tantas pessoas que comentam, tipo, 'Cara, eu sempre pensei em fazer moda, mas fui para a faculdade de medicina em vez disso e realmente me arrependo”.

Atualmente inspirado por misturar as cores creme dos ambientes do deserto com o estilo masculino extragrande da Wall Street dos anos 1970, Ando-Hirsh recebe pedidos personalizados e deseja começar seu próprio negócio com foco na moda unissex. Ele espera atrair as gerações mais jovens, que são mais fluidas em suas escolhas de roupas, e, particularmente, os homens que estão cada vez mais dispostos a correr riscos com a moda, experimentando cores e estilos mais convenientes.

“Tudo isso está mudando neste momento”, disse ele, “acho que, além da pandemia, é um momento muito bom e interessante para ser um designer, porque há mais pessoas lá fora que estão abertas para o que você está fazendo”. Nos últimos meses, costuristas e outros criativos formaram a Black Makers Matter (Criadores Negros Importam), uma coalizão com o objetivo de transformar a comunidade de costura.

Os participantes se encontraram com as principais marcas de costura para discutir a falta de diversidade e destacar os criadores negros em suas páginas nas redes sociais. Entre eles, está Michael Gardner, 36 anos, costurista da Filadélfia que nos últimos seis anos dedicou seu tempo livre a fazer roupas para sua filha Ava , e a compartilhar suas criações no site e na conta do Instagram Daddy Dressed Me (Papai me vestiu) de Michael Gardner.

Gardner disse que seu pai esteve ausente durante a infância e que foi inspirado por sua irmã a começar a costurar roupas para Ava quando ela tinha três anos, remodelando roupas de adulto para caber nela. Ava agora ajuda a selecionar tecidos e nas sessões de fotos. Gardner disse que costurar tornou-se uma forma de criar laços entre eles e aumentar sua confiança, inclusive depois de sofrer bullying na escola.

Ele disse que outros alunos não acreditaram quando ela disse que seu pai fazia suas roupas e penteava seu cabelo. “Para ela, é tudo o que ela sabe, então ela acha que outros pais também estão fazendo isso”, disse ele. "Mas vê-la ter orgulho disso geralmente me faz ter um grande sorriso no rosto". 

Gardner recentemente costurou um terno azul de lantejoulas para o aniversário de 9 anos de Ava e um conjunto completo de roupas para a família usar no noivado dele. Apesar de ter costurado mais de 200 peças de roupa para Ava, ele está apenas começando a fazer roupas para si mesmo e, embora originalmente dedicasse suas redes sociais ao relacionamento com Ava, cada vez mais inclui sua perspectiva de costurista do sexo masculino.

Ele foi recentemente nomeado embaixador da marca Janome, uma empresa de máquinas de costura. E por meio da hashtag #dopemensew, ele tem se conectado com costuristas iniciantes, incluindo um que comprou uma máquina de costura durante a quarentena e acabou de fazer sua primeira camisa de botão. “Na verdade, a mãe dele me mandou uma mensagem pelo Instagram quando viu a postagem que compartilhei dele e de sua criação”, disse Gardner, “ela escreveu: 'Esse é meu filho. Estou tão orgulhosa.'" / TRADUÇÃO DE ROMINA CÁCIA

The New York Times Licensing Group - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.