Saul Martinez para The New York Times
Saul Martinez para The New York Times

Hotéis adotam modelo de compartilhamento de casas do Airbnb

Estadia em lares privados com todo o conforto das redes hoteleiras

Julie Weed, The New York Times

13 Julho 2018 | 15h00

Os hotéis observaram mais ou menos impassíveis enquanto empresas de compartilhamento de lares como o Airbnb ofereciam aos turistas a chance de evitar um quarto de hotel e, em vez disso, viverem como habitantes locais.

Mas os hotéis estão entrando agora no mercado de aluguel de lares particulares, principalmente no segmento de alto padrão, mas há um diferencial: a promessa de serviços de acomodação dignos de verdadeiros hotéis.

A maioria dos hóspedes do compartilhamento de lares deixa opiniões positivas a respeito da experiência, mas, quando há queixas, estas envolvem geralmente a sujeira, cancelamentos de última hora por parte do anfitrião ou alguma necessidade que não foi atendida na propriedade.

As empresas de hotelaria dizem que suas habitações privativas são analisadas, equipadas e mantidas de acordo com os padrões de hotéis. Estas afirmam também que os serviços nas habitações são realizados por seus funcionários, e não pelos proprietários dos imóveis.

O professor Makarand Mody, da Universidade de Boston, disse que os hóspedes que procuram hotéis em viagens de negócios podem preferir um apartamento num bairro interessante para viagens com a família, em vez de quartos de hotel interligados. Acrescentar a opção do aluguel de lares privados é uma forma de capturar uma fatia maior dos gastos totais de viagem dos turistas, disse o Dr. Mody.

A AccorHotels, operadora de hotéis e outras propriedades em 100 países, entrou no mercado de compartilhamento de lares por meio da aquisição de empresas que já exploravam esse ramo. Em 2016 a empresa comprou a Onefinestay, fundada em Londres em 2010 e voltada para o aluguel de apartamentos e lares privados de alto padrão.

A Accor também comprou a Squarebreak, que oferece o aluguel de lares numa gama de preços mais ampla, e a Travelkeys, administradora de imóveis para férias, como casas em condomínios de praia. Todas essas propriedades oferecem serviços de check-in com um funcionário da empresa, serviços de suporte disponíveis 24 horas, limpeza profissional e banheiros dignos de um hotel.

A empresa está adicionando ao seu catálogo propriedades na Europa, Ásia, Austrália, Caribe e Havaí, disse Javier Cedillo-Espin, diretor executivo da Onefinestay.

A adição de mais lares particulares ao portfólio da Accor também permite que a empresa faça testes e aprenda a respeito de novos mercados. Contratar lares para aluguel em novas áreas, como uma pequena ilha do Caribe, é mais rápido e mais barato do que construir um hotel, disse Cedillo-Espin. “É uma forma de entender o mercado, descobrir quem é o consumidor alvo e ter uma ideia de como será o futuro da região.”

A Hyatt Hotels Corporation tem uma participação minoritária na Oasis, que aluga 2 mil lares em 20 cidades.

A Marriott International iniciou recentemente um experimento de seis meses em Londres com cerca de 200 lares administrados pela HostMaker. Os lares ficam agrupados na série de hotéis Tribute Portfolio, adquiridos da Starwood em 2016. Os lares da série Tribute Portfolio Homes oferecem check-in em pessoa, serviços de limpeza profissionais e ajuda sob demanda, além de seguirem altos padrões de segurança.

O Airbnb está promovendo mudanças para lidar com as preocupações envolvidas no aluguel do lar de um desconhecido. Em fevereiro, foi lançado o Airbnb Plus, conjunto de 2 mil ofertas em 13 cidades que foram inspecionadas por membros da equipe para atender a um conjunto de 100 requisitos, como velocidade da internet Wi-Fi.

Administrar a segurança e qualidade de milhares de lares é muito mais complicado do que administrar uma série de quartos de hotel sob o mesmo teto, disse Cathy Enz, professora da Faculdade de Hotelaria da Universidade Cornell, em Ithaca, Nova York.

James Francque, da Hyatt, concordou. “É um modelo difícil”, disse ele, especialmente porque os turistas mudam de preferências. “Queremos um funcionamento eficiente.”

Mais conteúdo sobre:
HotelariaAirbnb

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.