Divyakant Solanki/EPA, via Shutterstock
Divyakant Solanki/EPA, via Shutterstock

'Mais buzina, mais espera': fiscalização na Índia tenta educar motoristas

Em meio ao caos do trânsito indiano, polícia instala dispositivos para detectar volume de buzinas e punir motoristas que 'excedem' no uso do equipamento

Jeffrey Gettleman, The New York Times

21 de fevereiro de 2020 | 06h00

NOVA DÉLHI — Na Índia, ao dirigir, precisamos de olhos por toda parte para enxergar o que está vindo em nossa direção. Riquixás de três rodas entram e saem das rotatórias sem nenhum cuidado, matilhas de cães selvagens atravessam a rua de repente, ônibus imensos chegam rapidamente por trás.

E em ambos os lados há um fluxo cada vez mais intensos de riquixás puxados por bicicletas, pequenos táxis, gordas Mercedes, motoristas de Uber ligados em suas telas, carros mudando de pista sem dar seta, e motoristas metidos a piloto de Fórmula 1 acelerando pela via principal a poucos centímetros uns dos outros.

Nesse universo, a buzina do carro é uma ferramenta de sobrevivência, e também uma arma. Ela é usada constantemente: para criticar, alertar e, principalmente, para fazer com que os mais lentos andem logo. Mas, em Mumbai, o excesso de buzinas no trânsito chegou a tal ponto que o barulho se tornou um problema, levando a polícia a bolar um plano.

Em alguns dos principais cruzamentos, eles instalaram dispositivos que detectam o volume das buzinas. Quando os motoristas buzinavam com o sinal fechado, coisa frequente quando querem que o carro da frente fique pronto para andar, o sinal permanecia fechado. 

A polícia colocou algumas pacas — “Mais buzina, mais espera” —, mas ficou claro que nem todos entenderam o que estava acontecendo.

A fiscalização filmou tudo isso usando tomadas aéreas feitas com drones e um pouco da magia de Hollywood (afinal, Mumbai é o coração da imensa indústria audiovisual da Índia). Eles publicaram um vídeo nas redes sociais, que logo viralizou. As imagens mostram duas pessoas saindo de seus carros com expressão confusa, algumas gritando umas com as outras para que parem com as buzinas, crianças rindo na calçada e os policiais se cumprimentando pelo trabalho bem feito.

“É isso que queríamos dizer a eles: buzinar e fazer barulho não faz com que o trânsito ande mais rápido", explicou Pranaya Ashok, porta-voz da polícia de Mumbai. “O trânsito anda em um ritmo próprio, entendem?”.

O exercício, realizado em novembro e dezembro, foi apenas um experimento, e o alto escalão da polícia está debatendo como o programa poderia ser implementado em toda a cidade, que abriga cerca de 20 milhões de habitantes.

Indianos de todo o país estão rindo da ideia; as autoridades de outras regiões pensam  em implementar os detectores de buzinas nos semáforos de suas cidades.

De acordo com um antigo ditado na Índia, para dirigir bem são necessárias quatro coisas simples: um bom carro, bons olhos, boa sorte e uma boa buzina. Quem sabe agora três dessas coisas sejam o suficiente. / TRADUÇÃO DE AUGUSTO CALIL

Tudo o que sabemos sobre:
Índia [Ásia]barulho

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.