Suzie Howell/The New York Times
Suzie Howell/The New York Times

Buscando isolamento, britânicos preferem acampar do que viajar para fora

Os veranistas estão se voltando para o acampamento como escolha para um tipo de distanciamento social ao ar livre

Claire Moses e Geneva Abdul, The New York Times - Life/Style

08 de setembro de 2020 | 05h00

LONDRES — Neste verão, Louise Towers e seu companheiro lotaram sua van com os quatro filhos e Nellie, sua cachorra, e partiram para as férias anuais. É uma tradição. Nos cinco últimos anos, eles pegaram a estrada e viajaram para outros países da Europa numa casa de quatro rodas. Mas este ano é diferente. Towers, de 48 anos, e a família, ficarão mais perto de casa. Especificamente, irão para um camping em Gales, “apenas uma hora de estrada”, disse ela.

Viajar para o exterior não é seguro durante a pandemia, disse. Em todo o país, em números que as empresas de viagem dizem ter visto raramente, os britânicos agora libertos do lockdown não só estão ficando perto de casa nestas suas férias, mas gastando com trailers, campings ou acampamentos de luxo.

Os veranistas vêm preferindo acampar nas férias para manter o distanciamento social nos grandes espaços ao ar livre. “Pela primeira vez no Reino Unido, ter um trailer é algo bem legal” disse Gareth Mills, de 38 anos, que vive no litoral da Inglaterra, referindo-se aos grandes motorhomes e trailers.

“Alguns amigos dos meus pais que são entusiastas das motohomes estão muito presunçosos no momento”. Mills e sua mulher, mais os dois filhos pequenos, adiaram uma planejada viagem para o exterior e irão para Devon e ficarão num parque de estacionamento de trailers em setembro. “Estamos trocando a Grécia por Devon”, disse ele. Os hotéis na sua maioria foram reabertos na Inglaterra, mas muitos estão com apenas 30% a 40% de ocupação, com áreas populares como Cornwall e outras no Sudoeste em situação melhor, segundo Patricia Yates, diretora da organização de turismo VisitBritain.

Mas a preocupação com multidões manteve muitos longe dos tradicionais locais que normalmente têm muita aglomeração. “As pessoas buscam mais o campo”, disse Kay Bariball, que presidente a organização Farm Stay UK, cujos membros oferecem alojamentos, áreas de camping e outros tipos de acomodação rural. Muitos buscam “um local relativamente seguro para um descanso”, disse ele.

Encontrar um local para seu trailer ou barraca está mais difícil uma vez que a demanda aumentou. Durante um fim de semana, a Pitchup.com, empresa que realiza reservas para campings, contabilizou 6,1 mil pedidos, quase o dobro em comparação com o mesmo fim de semana em 2019.

Acampar é uma atividade que tem profundas raízes na Grã-Bretanha. Aquele que é considerado o pai do acampamento moderno, Thomas Hiram Holding, era um alfaiate de Londres e viajante cujo “Manual dos Campistas”, de 1908, documenta as alegrias da independência e de se afastar de tudo, que inspirou gerações.

Em torno da mesma época foram criadas as associações do Escoteiros e alguns anos depois das Bandeirantes. Os parques para trailers na Grã-Bretanha foram inundados de reservas para os períodos de verão e de outono, segundo o National Caravan Council. O Parkdean Resorts, que opera 67 parques no país, registrou um aumento de 140% em relação ao ano passado de reservas para seus parques em Devon. Huw Pendleton, diretor do Celtic Holiday Parks, em Gales, disse jamais ter visto esse movimento nas duas décadas operando no setor.

“Estamos totalmente lotados até setembro com pouca ou nenhuma disponibilidade nesta temporada no caso dos alojamentos e campings de luxo, com piscinas quentes”, afirmou ele. Towers também percebeu como as motorhomes ficaram populares desde que tentou vender a sua mais antiga na pandemia.

Ela e o marido desejavam comprar uma van tipo motorhome para viajar confortavelmente com toda a família. Em março, ninguém se mostrou interessado pelo veículo, mas em junho ela o vendeu num prazo de 24 horas. “Claramente a demanda é alta”, disse. Outras organizações vêm reportando aumentos similares.

O Caravan and Motorhome Club registrou reservas de mais de 35% neste verão. Canopy & Stars, agência de viagens que oferece campings de luxo, viu um aumento de 230% nas visitas ao seu website. E o melhor dia em termos de reservas em 10 anos foi quando as restrições do lockdown foram suspensas em julho. Lidsay Berresford, proprietária do Quirky Campers, empresa de Bristol que aluga veículos customizados afirma que o festival Glastonbury em junho é o que mais gera receitas.

Trata-se de um festival a ar livre de música, teatro e dança numa fazenda em Somerset, Glastonbury que atrai cerca de 200 mil pessoas, incluindo campistas. Quando foi cancelado por causa da pandemia, a empresa perdeu em torno de US$ 520 mil em reservas e funcionários foram demitidos. Agora os negócios retornaram e alguns veranistas estão estendendo a temporada. “Estamos tendo reservas até final de outubro, o que antes já não ocorria nesta época do ano”, disse Berresford.

Especialistas do setor de turismo afirmam que antes as férias domésticas na Grã-Bretanha atraiam mais as pessoas mais velhas e famílias com crianças pequenas. Mas agora “estamos observando um público um pouco diferente”, disse Patrica Yates, da VisitBritain, com jovens desistindo de viagens para o continente ou locais distantes e preferindo mais aventuras locais”.

Clem Balfour, que vive em Bristol, passou 10 dias explorando a costa sudoeste numa van alugada. Ela antes havia alugado uma van para fazer férias na Austrália, mas estas foram as mais longas férias que passou na Inglaterra, disse ela. “Passamos um período tão bom na Cornualha como se estivéssemos viajando de van na Austrália”, Carys Riey, de 28 anos, nunca havia alugado uma van de acampamento até este verão.

No auge da pandemia, ela estava trabalhando como enfermeira numa unidade de terapia intensiva num hospital no norte da Inglaterra. O número de pessoas doentes mais do que dobrou com o coronavírus e ela passou a trabalhar 12 horas por dia. Quando finalmente tirou uns dias de descanso teve muito medo de viajar para o exterior.

“Como tinhamos uma van para acampar e nosso próprio espaço isto nos deu mais tranquilidade porque não teríamos de ficar em hotéis”, disse ela, que viajou mais de 480 quilômetros até a Cornualha com seu namorado. “As praias estavam repletas, o que não era ideal numa pandemia, mas a viagem foi esplêndida”, afirmou. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

The New York Times Licensing Group - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.