Steve Corry
Steve Corry

Javalis selvagens caminham pelas ruas e trilhas de Hong Kong

Animais, que vão à cidade em busca de alimento fácil, se reproduzem rapidamente pela ausência de predadores naturais

Mike Ives e Tiffany May, The New York Times

19 de outubro de 2018 | 06h00

HONG KONG - Três javalis selvagens foram vistos numa terça-feira caminhando pela região de Hong Kong que corresponderia a Times Square em Nova York.

Foram perseguidos pela polícia, que os atingiu com tranquilizadores antes de recolhê-los e soltá-los em algum parque na zona rural da cidade. Mas eles voltarão.

As colinas verdes que cercam os arranha-céus de Hong Kong estão repletas de suínos: javalis selvagens costumam surpreender quem sai para caminhar ou correr nas trilhas, e às vezes chegam a densas áreas urbanas em busca de alimento, encontrado nas latas de lixo.

Faz anos que as autoridades tentam estabilizar a população de javalis selvagens. Mas os “contratempos causados por suínos”, como os incidentes são descritos pelas autoridades, aumentaram de 294 casos em 2013 para 738 no ano passado, e fala-se frequentemente em encontros com javalis selvagens nas redes sociais.

No dia seguinte ao episódio dos javalis derrubados com tranquilizantes, duas pessoas foram hospitalizadas depois de serem atacadas por outro javali numa propriedade particular. Uma das vítimas, um segurança de 65 anos, disse posteriormente que o suíno tinha o tamanho de um humano.

Os javalis selvagens, também conhecidos como porcos selvagens eurasiáticos, podem pesar mais de 180 quilos, e sua população aumenta rápido aqui por causa da ausência de predadores naturais.

Os animais não costumam apresentar comportamento violento em relação aos humanos, mas, às vezes, saem da zona rural de Hong Kong e chegam a centros comerciais, parques infantis e churrasqueiras públicas em busca de comida.

Um programa das autoridades permitindo aos moradores locais que caçassem os porcos selvagens teve como resultado 281 abates entre 2009 e 2013, de acordo com dados do governo. Mas a caça foi suspensa no ano passado depois que legisladores e defensores dos direitos dos animais as descreveram como desumanas e pouco práticas. Os ativistas dizem que o governo deveria dar mais atenção ao descarte de resíduos sólidos para evitar que os javalis os comam.

“Para nós, caçar e matar porcos selvagens - ou mesmo comê-los, em certos casos - é um hábito antiquado", disse o ativista Leung Mei-po ao site Hong Kong Free Press, da imprensa local.

Em março, autoridades de Hong Kong disseram que passariam dois anos tentando reduzir a população de javalis aprisionando-os para injetar-lhes contraceptivos e instalar neles dispositivos GPS para que funcionários possam rastrear seus movimentos.

Alguns moradores simpatizam com a situação dos javalis. “Não é justo chamar esses conflitos de ‘problema’ porque a responsabilidade não é do animal", disse Roni Wong, representante do Wild Boar Concern Group.

Outros estão perdendo a paciência. Em meados do ano, dois administradores da Universidade de Hong Kong foram hospitalizados depois de serem atacados por javalis selvagens perto do campus.

O legislador local Stephen Chan responsabilizou o departamento da agricultura. “Não estou sugerindo um massacre dos javalis selvagens", disse Chan à mídia local. “Mas devemos pensar em medidas mais duras para controlar essa população.”

Mais conteúdo sobre:
Hong KongJavali

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.