Jasmine Clarke/The New York Times
Jasmine Clarke/The New York Times

Após virar meme no TikTok, jovem encoraja encontros presenciais de amigos virtuais

Marissa Meizz virou piada depois de seus amigos a excluírem de uma festa de aniversário; então ela decidiu fazer algo a respeito

Taylor Lorenz, The New York Times - Life/Style, O Estado de S.Paulo

17 de setembro de 2021 | 05h00

NOVA YORK — Marissa Meizz, de 23 anos, estava jantando com um amigo no East Village, em meados de maio, quando seu telefone começou a vibrar. Ela tentou silenciar o aparelho, mas as mensagens de texto não paravam de chegar. Todos queriam saber: você viu esse vídeo no TikTok?

Ela clicou no link, e um jovem rapaz apareceu na tela. “Se seu nome é Marissa”, afirmou ele, “ouça, por favor”. Ele afirmou que tinha acabado de ouvir alguns amigos dela dizendo que planejavam fazer uma festa de aniversário quando ela estivesse viajando, naquele fim de semana. “Você tem que saber”, afirmou ele. “TikTok, ajude-me a encontrar Marissa.”

O coração de Marissa afundou. Ao entrar em contato com o rapaz que postou o vídeo, que teve mais de 14 milhões de visualizações, ela confirmou que era mesmo a Marissa em questão e que seus amigos haviam conspirado para excluí-la da festa. 

Isso magoou seus sentimentos. Mas em vez de se resignar, Marissa decidiu fazer algo a respeito. Ela foi ao TikTok revelar que aquele vídeo era a respeito dela. A reação foi instantânea. “As pessoas começaram a me mandar mensagens imediatamente, dizendo ‘Vamos ser amigos!’”, afirmou ela. “'Que se danem seus amigos antigos.’”

A história de Marissa ganhava projeção ao mesmo tempo em que a pandemia transformava radicalmente os relacionamentos. Algumas amizades antigas definharam após a falta de interações presenciais, e as pessoas fizeram mais conexões online para aliviar a solidão. O que aconteceu a seguir com Marissa abarcou todas essas mudanças, e seus mundos online e offline se fundiram em algo novo — e benfazejo.

Dias após sua revelação no TikTok, Marissa, uma figurinista, recebeu mais de 5 mil mensagens. Desconhecidos a convidavam para festas de aniversário, inaugurações e casamentos. Alguns que viviam fora da cidade de Nova York pediram para ela alugar uma caixa postal de correio, para trocar cartas. Milhares de pessoas — especialmente da geração Z e millennials adultos — pareciam ávidas por conexões, enquanto o verão começava e as restrições relativas ao coronavírus eram suspensas.

“Pensei, ‘OK, como posso usar isso para ajudar as pessoas?”, afirmou ela.

A resposta: Marissa decidiu organizar um meetup.

Em junho, Marissa postou um vídeo no TikTok dizendo para todos que estivessem à procura de novas amizades se encontrarem no Central Park, em um sábado. O vídeo viralizou. No dia marcado, 200 pessoas apareceram. Por mais de oito horas a galera deu risada, fez brincadeira, conversou e se enturmou.

O evento fez tamanho sucesso que Marissa iniciou a comunidade online No More Lonely Friends (Chega de amigos solitários), que reúne pessoas em busca de novas amizades na vida real, ou IRL (in real life), em meetups organizados por todo o país.

Desde então, Marissa organizou encontros em Los Angeles, San Francisco, Boston, Washington, Filadélfia e outras cidades. Os eventos são gratuitos e abertos a todos. Apesar de os frequentadores serem jovens em sua maioria, centenas de pessoas de todas as idades apareceram, conforme os eventos ganharam fama por meio da página de TikTok “For You” (Para você), que é impulsionada pelo algoritmo de recomendação do aplicativo.

“Em certo momento, todo mundo sente aquela solidão ou pensa, ‘Mano, eu não tenho nenhum amigo’”, afirmou Max Grauer, de 24 anos, confeiteiro de Los Angeles que recentemente compareceu a um dos encontros. “Depois de ficar trancado em casa meses a fio, bate uma necessidade de extravasar, sair para conhecer outras pessoas, ver caras novas.”

Os encontros No More Lonely Friends são o exemplo mais recente de interações online que viram eventos da vida real durante a pandemia. Em maio, após o convite a uma festa de aniversário de 17 anos viralizar no TikTok, milhares de adolescentes apareceram em Huntington Beach, Califórnia. YouTubers, TikTokers e influenciadores foram lá fazer posts sobre o evento para as pessoas que não puderam comparecer. Por fim houve um tumulto, e a polícia foi acionada, prendendo 150 pessoas e impondo um toque de recolher emergencial.

O esforço de Marissa é bem menos caótico. Ela diz que tenta cumprimentar todos os frequentadores e que os ajuda a estabelecer conexões entre si. Serpenteia de grupo em grupo para garantir que ninguém se sinta esquecido. Para quebrar o gelo e ajudar a pagar pelos custos do eventos, Marissa começou recentemente a vender produtos, incluindo camisetas que dizem, “Se vocês tá lendo isso, deveríamos ficar amigos”.

“O legal é que todo mundo está lá para fazer amigos, então parece que todo mundo já é amigo, mas na verdade todo mundo foi lá sozinho”, afirmou ela.

Muitos frequentadores criam vínculos rapidamente. Um grande grupo que se conheceu em um encontro em Los Angeles se reconectou na semana seguinte, para uma ida à praia, e começou uma conversa coletiva no Instagram para planejar encontros futuros.

Algumas pessoas foram a vários meetups. Makenna Misuraco, de 26 anos, conselheira de saúde mental da Filadélfia, foi a um No More Lonely Friends em sua cidade e recentemente viajou a Nova York para comparecer a outro. Ela afirmou que a rejeição que Marissa sofreu de seus amigos ressoou nela, assim como a maneira que Marissa transformou essa experiência em algo positivo dentro e fora da internet.

“As redes sociais podem ser muito nocivas para as pessoas”, afirmou Misuraco. O encontro No More Lonely Friends “junta pessoas que já estão no mesmo barco, tentando fazer amigos e buscando interações humanas positivas. Quando a gente vai, sabe que todo mundo está lá para fazer amigos”.

Marissa está planejando mais meetups em cidades americanas e afirmou que pretende expandir os encontros para outros países quando a pandemia abrandar. Apesar de No More Lonely Friends não ser uma empresa, os encontros têm atraído interesse de marcas. Este mês, representantes da Arizona Iced Tea apareceram em um evento, oferecendo refrescos grátis e brindes.

Marissa afirmou que está atenta à recente elevação nos índices da pandemia alimentada pela mais infecciosa variante delta. Por segurança, ela só organiza encontros em lugares abertos.

“Confiro a situação das cidades, vejo os índices de vacinação, se as coisas ainda estão abertas e se não estou realizando algo ilegal”, afirmou ela. “Sempre cuido da segurança de todos, e todos se sentem à vontade.” /TRADUÇÃO DE AUGUSTO CALIL

The New York Times Licensing Group - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.