Farah Al Qasimi/The New York Times
Farah Al Qasimi/The New York Times

Quem é Nick Newbold, o mais que atarefado assistente pessoal de Marc Jacobs?

Faz-tudo, Newbold caminha com os cachorros, pede comida, mas também supervisiona a coleção de arte de seu chefe

Jessica Iredale, The New York Times - Life/Style

11 de novembro de 2020 | 05h00

RYE, NOVA YORK – "Marc vai demorar mais 40 minutos", disse Nick Newbold, aparecendo com sua cabeleira despenteada e usando um boné de beisebol na cozinha de uma casa alugada neste paraíso arborizado e yuppie, no fim de setembro. Marc é Marc Jacobs, que estava escondido em um dos quatro quartos da casa, preparando-se para uma série de retratos que começou em junho, logo depois que o lockdown foi suspenso em Nova York, quando a Vogue britânica encomendou uma foto para a edição de setembro.

Agora, a série se tornou uma postagem ritualística do Instagram que celebra a moda, a criatividade e a positividade. Atualmente, Jacobs está concentrado em animar as pessoas, ser útil e desfrutar sua expressão de moda pessoal, em que as normas de gênero são completamente antiquadas.

Em uma foto, ele está de pé em um banco numa quadra de tênis vestindo camisa branca – sem calça –, meia-calça preta, sapato de salto alto e chapéu de feltro. Em outra, está sentado na grama em um glamoroso uniforme completo de escoteiro com um chapéu de guarda-florestal (de Stephen Jones) e binóculo.

Newbold contou que parte do atraso naquele dia se deveu à decisão de última hora de usar um sapato aberto em vez de um modelo fechado, e Jacobs agora precisava fazer as unhas do pé. Newbold, de 39 anos, é o fotógrafo da equipe montada para tirar três retratos, enquanto Julio Espada, ex-designer associado de Jacobs na Perry Ellis, é o estilista. Para um designer de padrão internacional, o cenário é notavelmente "faça você mesmo".

"Este é um anel luminoso que comprei na Amazon por, tipo, US$ 35", comentou Newbold, cujos outros únicos equipamentos são uma câmera Sony e um tripé. Mesmo assim, a atitude no set tem a firmeza profissional exigida para um editorial de moda de alta-costura. Marc Jacobs é conhecido por não fazer as coisas pela metade.

"Apenas um domingo típico", anunciou Jacobs, surgindo de seu quarto com uma peruca partida de lado, seus olhos agressivamente pintados com delineador à maneira de Cleópatra, com um traço prateado nos cantos. Vestia uma camisa sob medida, gravata e shorts de sua marca, um cardigã cor de vinho tamanho extra da O'Connell's, abotoaduras, cinto e sandálias de salto gatinho da Hermès, uma pulseira e um broche de David Webb, brincos de Harry Winston, um colar de pérolas de Mikimoto e, por cima das luvas de couro personalizadas de Marc Jacobs, um anel no dedo mindinho de Solange Azagury Partridge.

"Você consegue ver o anel? Está entendendo o que ele significa?". Newbold capturou a pose do chefe em uma sala em frente à lareira acesa, sua perna direita estendida lembrando uma posição de balé, o pé apoiado em uma pequena pilha de lenha de bétula. A foto seria publicada para um milhão e meio de seguidores de Jacobs na manhã seguinte, ao lado da letra sentimental da música Only Love Is Real, de Carole King. Tudo é meticulosamente creditado, inclusive o fotógrafo.

Um confidente e um cuidador

Esse acesso a Jacobs, que tem um longo relacionamento com fotógrafos renomados como David Sims, Juergen Teller e Steven Meisel, poderia ser difícil para qualquer aspirante a fotógrafo. Para Newbold, que pode ser o colaborador mais frequente e íntimo do estilista, isso nunca fez parte do plano.

Não sendo fotógrafo profissional nem se esforçando para ser, Newbold é o assistente pessoal de Jacobs. Nos oito anos desde que começou esse trabalho, suas obrigações aumentaram. Ele ainda caminha com os cachorros, pede comida e trata de algumas tarefas, mas também supervisiona coisas como a coleção de arte de seu chefe.

"Estou comprando tudo, mas vendi tudo também, claro que com a Sotheby's", afirmou Newbold, referindo-se à venda no ano passado da extensa coleção de Jacobs, incluindo trabalhos de Ed Ruscha, Elizabeth Peyton e John Currin, realizada pela casa de leilões. Jacobs se livrou da coleção e de sua casa em Greenwich Village para abrir caminho para sua nova vida nos subúrbios com seu novo marido, Charly Defrancesco.

Eles se casaram no ano passado e imediatamente pagaram US$ 9,175 milhões em uma casa projetada por Frank Lloyd Wright, que estão restaurando com a ajuda da fundação do arquiteto. Enquanto isso, o casal está enfurnado em uma propriedade alugada e decorada com relíquias curiosas de design dos anos 1970 – o lavabo espelhado tem um vaso sanitário de porcelana marrom. Newbold encontrou a propriedade por meio de Alice e Thomas Tisch, vendedores da casa de Wright. "Já fiz de tudo, de demolir casas antigas a buscar café", contou ele.

Newbold agora participa de reuniões de embalagem, produção, merchandising e marketing. "Nem sei qual é o cargo dele. Seu título é Nick Newbold. Ele faz muitas coisas e todas muito bem. Se você perguntasse a Eric Marechalle, diretor executivo da Marc Jacobs International, qual é a importância de Nick, ele lhe diria que provavelmente valoriza Nick acima de todos. Nick entende aquilo de que o mundo corporativo precisa e as necessidades da área criativa, e é capaz de filtrar as duas situações e deixar tudo bem para todos", definiu Jacobs.

Quem é esse rapaz?

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Nicolas Newbold (@1.800.newbold) em

"Se você olhar minha trajetória, eu sempre meio que disse: 'Sim, por que não?'", comentou Newbold, sentado no saguão vazio do Hotel Mercer em uma manhã recente. Vestindo uma jaqueta do Exército, um moletom em que se lia "When We All Vote" (Quando todos votamos) – uma colaboração entre Jacobs e Dover Street Market –, jeans e tênis Vans, ele trouxe seu buldogue francês Charlie, bem como dois cafés a mais, caso alguém quisesse um. Seu percurso – de civil em New Hope, na Pensilvânia, sem conexão com a moda ou sem a intenção de ter uma vida nesse setor, para ser o nexo de poder e influência de uma estrela – foi quase absurdamente sem objetivo.

Autodidata confesso e faz-tudo, Newbold "assistirá a tutoriais no YouTube e passará dois dias tentando descobrir como fazer algo". Ele chegou até Jacobs por meio de Christy Turlington Burns e seu marido, Edward Burns, que o contratou como assistente pessoal em 2009 com a recomendação de uma ex-babá, amiga da família de Newbold.

O fotógrafo acabou viajando o mundo com Turlington Burns, auxiliando-a em sua instituição de caridade, a Every Mother Counts, e acompanhando-a em maratonas e sessões de fotografia quando ela era modelo. "Ele não tem nada de guarda-costas, mas se sente como alguém que cuida da sua proteção.

Não de um jeito guardião, mas de uma maneira delicada e respeitosa. Ele meio que dá o tom", disse ela em uma entrevista por telefone. Antes disso, Newbold teve uma série de empregos ocasionais: como relações-públicas, como cuidador de crianças, criando uma linha de gravatas, instalando azulejos em uma construção. Nunca quis viver na cidade, mas aqui está ele – 15 anos em Nova York. "Sou uma pessoa muito solitária. Estou sozinho o tempo todo. Não gosto de sair. Nunca gostei." 

"Você pode ter uma conversa com ele sobre uma coisa e, de repente, ele diz algo, como 'Eu costumava fazer motocross' ou 'Posso dirigir profissionalmente caminhões grandes'", contou Turlington Burns. Confirmando a afirmação de Turlington Burns, Newbold comentou que dirigiu um caminhão que entregava sorvete de Nova York ao Distrito de Colúmbia.

Uma noite, teve uma epifania, quando foi parado em um posto de pesagem sem a carteira de motorista profissional e a lanterna traseira quebrada. "Eu estava tipo 'Espere um pouco, agora sou um motorista de caminhão?'", lembrou-se. Ele se diverte "desconcertando" as pessoas e vê seu papel na Marc Jacobs como "um faz-tudo". Isso inspirou seu nome no Instagram: @1.800.Newbold. Tem um problema? Ligue para o Nick.

The New York Times Licensing Group – Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.