Hilary Swift para The New York Times
Hilary Swift para The New York Times

Kathryn Murdoch sai da sombra da família para combater o aquecimento global

Ela espera remover obstáculos partidários ao progresso climático que o império de sua família ajudou a construir

John Schwartz, The New York Times

18 de outubro de 2019 | 06h00

Kathryn Murdoch está em seu escritório em Nova York, conversando sobre mudança climática e democracia. É um fato inaudito. Afinal, ela é uma Murdoch, um membro da família bilionária que controla influentes companhias na área de comunicações em três continentes, e os Murdoch raramente falam à imprensa de fora. Kathryn é casada com James Murdoch, o filho mais novo de Rupert Murdoch.

Entretanto, Kathryn e o marido, decidiram sair da sombra da família. Ele chegou ao topo das companhias, e acabou perdendo na luta pelo poder com o irmão Lachlan, que o mundo inteiro acompanhou. Na época, James dirigia a divisão do serviço britânico de televisão Sky e ao mesmo tempo demonstrava simpatia pelas iniciativas verdes. Em 2006, convidou Al Gore para falar em um evento da Fox.

Mas Lachlan, cuja política segue mais a linha do pai, começou a subir na organização, enquanto James caía. Este ano, depois que a Fox vendeu seus ativos para a Disney, inclusive a 21st Century Fox, por US$ 71,3 bilhões, James deixou a companhia. Agora, James e Kathryn Murdoch declararam a sua independência do braço mais conservador da família. O que significa contrapor-se aos esforços dos que freiam o progresso atiçando o rancor partidário ou tentando negar o consenso político, segundo o qual a mudança climática já está acontecendo, e é causada pela atividade humana.

O império Murdoch e o seu canal a cabo conservador Fox News há muito exercem influência neste sentido. Para Kathryn, chegou o momento de ir a público e falar dos seus cerca de 13 anos de ativismo nos bastidores. Ela disse que o que a inspirou para brigar contra a mudança climática foi o discurso de Gore sobre este tema, no evento da Fox. A urgência de se buscar uma solução da crise a conquistou. “Decidi mudar tudo o que eu estava fazendo”, afirmou. “Quis poder olhar os meus filhos nos olhos e dizer: ‘Fiz tudo o que pude’”.

Colaborando com o  grupo não partidário Unite America, ela se tornou um elemento de ligação com organizações que defendem os mesmos objetivos e tentam reformular o processo democrático eleitoral para torná-lo uma maneira menos provável de premiar o partidarismo.

Ela e o marido investiram milhões de dólares em seu trabalho voltado para estes fins, e são “os fundadores nos quais se ancora o plano mais amplo, afirmou, com um objetivo que caracterizou como algo “de nove dígitos”. “Não estou dizendo que eu tenho todas as respostas - não tenho”, disse. “Mas o que sei e o que sinto profundamente é que  ficar sentada sem fazer nada é a resposta errada”.

Para os que defendem a ciência do clima e alertam para os riscos que o aquecimento global representa, o fato de ela decidir falar é muito bem-vindo. “Os veículos de comunicação Murdoch destacam-se por contestarem os cientistas do clima com sua constante desinformação sobre a questão da mudança climática”,” disse Stefan Rahmstorf do Instituto Potsdam de Pesquisa do Impacto do Clima. “Vemos agora que uma pessoa que casa com um membro dessa família pode se dar conta da urgência de compensar pelo menos em parte o dano que ela produz”. A Fox News não respondeu aos pedidos de comentários.

Há anos, Kathryn Murdoch trabalha com organizações cujas atividades na área do meio ambiente se coadunam com sua postura pessoal. Ela faz parte do conselho do Environmental Defense Fund, grupo que colabora com a indústria em questões climáticas. Em 2014, ela e o marido criaram a Fundação Quadrivium para financiar os seus programas. Um destes é a SciLine, uma ONG que põe repórteres em contato com cientistas e fornece informações sobre tópicos como furacões e mudança climática.

No entanto, ela decidiu que divulgar o conhecimento científico pode não ser o bastante. O problema, afirmou, é que o governo dos Estados Unidos não faz nada a respeito. Por isso, ela explora soluções possíveis para o problema do impasse partidário e a reforma da democracia, como grupos que pressionam buscando mudanças do sistema eleitoral.

Charles Wheelan, fundador da Unite America, disse que Kathryn é “uma importante embaixatriz” para falar aos ricos e poderosos, uma pessoa que se situa no mesmo pé de igualdade: “Olhem, se vocês quiserem realmente tornar o mundo melhor para os seus netos, deem um jeito na política”.

Richard H. Pildes, especialista em direito constitucional e democracia, afirmou que todos os esforços que visam reformar a democracia são louváveis, mas dificilmente terão chance de sucesso. Eles “poderão ter efeitos marginais”, afirmou, mas “estas reformas não transformarão fundamentalmente a nossa política”. Kathryn disse que uma das razões pelas quais estes grupos talvez tenham um resultado escasso é a falta de recursos. Mas os doadores em potencial, afirmou, estão entusiasmados.

É possível que a carreira do seu marido na Fox não esteja encerrada. Alguns especulam que James poderia tentar um retorno depois da morte do pai. A Fox News sob a direção de James Murdoch talvez ainda fosse conservadora, mas provavelmente seria menos intransigente em questões como a mudança climática. Ela disse ter “muitas esperanças” de que possamos solucionar o problema da crise climática. “Mas ainda não temos a vontade política”. / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

Tudo o que sabemos sobre:
Rupert Murdochaquecimento global

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.