Lena Mucha / The New York Times
Lena Mucha / The New York Times

‘Nova Mozart’ é uma jovem de 14 anos com muitas ambições 

Alma Deutscher começou a criar intimidade com o piano aos 4 anos. Agora, ela pretende compor um poema sinfônico, uma sinfonia completa e um musical

Melissa Eddy, The New York Times

12 de julho de 2019 | 06h00

VIENA - O nome de Alma Deutscher ainda não é conhecido, mas é apenas questão de tempo. Pianista e violinista experiente, ela é também compositora, escrevendo concertos para piano e violino, além de uma ópera. Em dezembro, fará sua estreia no Carnegie Hall. Este mês, gravará um álbum de melodias para piano que ela compôs na infância, a partir dos 4 anos. O que não foi há muito tempo, pois Alma, que já foi descrita como “a nova Mozart", tem 14 anos.

Alma faz cara de tédio diante da menção de Mozart, uma comparação que ela rejeita. A garota é um dos talentos musicais mais impressionantes de sua geração, elogiada por Zubin Mehta e Simon Rattle, mas é também uma adolescente resistindo às expectativas. “Muitos me dizem que, se eu quiser crescer, devo compor músicas que reflitam a feiura do mundo moderno", disse. “Não é isso que quero fazer. Quero compor músicas que eu ache bonitas”.

O resultado mais recente é uma interpretação moderna de uma valsa vienense que termina com uma melodia brincalhona, inspirada no barulho da sirene usada pela polícia de Viena. A estreia da peça com orquestra completa, em maio, deixou de pé o público em Sonderborg, Dinamarca. Johann Wildner, regente da apresentação, elogiou a criatividade e imaginação harmônica da jovem, alertando aqueles que se impressionam simplesmente por causa da idade dela.

“Não é por ser jovem que ela é boa", afirmou Wildner. “Alma é extremamente talentosa e amadureceu cedo”. Nascida em 2005, Alma cresceu na Inglaterra. Ganhou seu primeiro violino aos 3 anos. Aos 4, ficava horas sentada ao piano, inventando melodias. O pai, Guy Deutscher, tentou encontrar uma professora disposta a trabalhar com uma compositora pré-escolar, mas a maioria recusou.

Deutscher disse que, hoje, são tantas as pessoas interessadas em trabalhar com a filha que ele passa a maior parte do tempo afastando-as. Os pais são seletivos no agendamento das apresentações dela, que incluíram no ano passado destinos como China, Alemanha e Suíça. Depois de passar meses em Viena para os ensaios de sua ópera, Cinderella, a família se mudou para cá.

“Morei na Inglaterra, mas cresci com a música de Mozart, Schubert, Beethoven e Haydn", enumerou. “Em se tratando de música, acho que Viena sempre foi meu lar”. Lá, Alma faz longas caminhadas, acompanhada pela família e pela corda de pular cor de rosa que ela leva consigo desde a infância. “Quando era mais nova, achava mesmo que a inspiração vinha da corda", brincou. “Hoje, sei que, na verdade, a inspiração vem do estado mental que alcanço quando estou brincando com ela”.

 

Recentemente, ela teve dificuldade para criar a história de uma ópera encomendada pelo Teatro Estatal de Salzburgo. Ela diz que a música está toda na sua cabeça, mas encontrar uma trama é desafiador. Embora tenha 86 mil assinantes em seu canal do YouTube, Alma tem pouco interesse nas redes sociais. Não tem celular, mas leva um laptop para anotar ideias e melodias.

Ela disse que, no futuro, gostaria de compor um poema sinfônico, uma sinfonia completa e um musical. Está ansiosa para se apresentar no Carnegie Hall, onde estará entre as compositoras mais jovens a apresentar ali a própria obra, de acordo com representantes da casa.

Mas, se o mundo dá atenção aos seus feitos, Alma se diz grata pela oportunidade de aventura que a vida lhe proporcionou. “Acredito muito no feminismo e fico feliz por ter nascido agora, em uma época em que as garotas podem desenvolver seus talentos", reconheceu. “Se tivesse nascido antes, provavelmente não poderia me tornar compositora. Teria de ser uma dona de casa”./ TRADUÇÃO DE AUGUSTO CALIL

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.