Bryan Denton/The New York Times
Bryan Denton/The New York Times
Alan Cowell, The New York Times

22 de junho de 2018 | 10h15

As tradições culturais sul-africanas colidiram diretamente com a sensibilidade moderna recentemente, quando o regente de um coro na região de Cabo Oriental trouxe garotas adolescentes para fazerem uma tradicional apresentação seminuas que foi amplamente compartilhada nas redes sociais.

O regente do coro defendeu a apresentação como uma homenagem cultural ao grupo étnico Xhosa, mas o episódio atraiu a ira da ministra do ensino básico, que descreveu o caso como exploração. Outros pediram a demissão do regente do coro.

A tempestade expôs o tratamento ambíguo dado às questões de gênero num país em que a constituição garante amplas igualdades, que estão em contraste com a alta incidência de estupros e outros casos de violência contra a mulher.

E o caso coincidiu com um debate a respeito de como a história é ensinada nas escolas públicas sul-africanas, frequentemente problemáticas, onde as questões culturais costumam adquirir dimensões políticas, e com uma iniciativa que pretende tornar a matéria compulsória.

Muitos dos detalhes a respeito do episódio de nudez parcial seguem desconhecidos, como o eventual consentimento dos pais das alunas, e a possibilidade de as autoridades planejarem alguma reação.

O regente do coro foi citado no site do jornal The Daily Dispatch: “Temos orgulho de nossa tradição Xhosa", e “Temos orgulho das mulheres e garotas Xhosa".

Mas a ministra do ensino básico, Angie Motshekga, denunciou a apresentação como “absolutamente inapropriada", dizendo que os educadores “deveriam ter consciência disso".

“Não há absolutamente nada de errado em ter orgulho de sua cultura e herança", acrescentou ela. “Mas não havia nenhuma necessidade de tamanha exposição dessas crianças completamente nuas. Essa indignidade contraria os valores da nossa cultura".

Aparentemente, o regente do coro tinha como objetivo ilustrar as tradições dos Xhosa - segundo maior grupo étnico da África do Sul - ao fazer com que as adolescentes dançassem usando pequenos aventais conhecidos como inkciyo, expondo os seios e nádegas.

A dança ritual é realizada todos os anos (incluindo a nudez parcial) em outras sociedades rurais na Suazilândia e na província sul-africana de KwaZulu Natal.

Mas, no site do Daily Dispatch, um leitor disse: “Tudo isso precisa acabar. Quando as pessoas seguem cegamente a ‘cultura’, elas nem mesmo conhecem as origens ou motivos por trás dessa cultura. Em geral, as origens estão ligadas a alguma exploração".

Um relatório publicado este mês pelo Ministério do Ensino Básico a respeito de como a história é ensinada nas escolas sul-africanas destaca o problema que está no centro da disputa.

Num país há muito assombrado pelo seu passado e ainda lidando com os efeitos do racismo, colonialismo e apartheid, disse o relatório, “pouca atenção foi dedicada às questões de gênero".

Décadas após Nelson Mandela ter se tornado o primeiro presidente negro do país, em 1994, o relatório dizia, “a ênfase anterior nos ‘grandes homens brancos’ foi simplesmente substituída por ‘grandes homens negros’".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.