via Sotheby’s
via Sotheby’s

Com valor de quase US$ 1,5 milhão, obra de Banksy será leiloada em outubro

Que efeito teve a brincadeira da sala de vendas do artista em 2018 em seus preços? Uma grande venda na Sotheby's parece pronta para revelar o impacto

Scott Reyburn, The New York Times

27 de setembro de 2019 | 06h00

LONDRES - Banksy, um artista provocador, está prestes a ter outro momento de sucesso em leilões. O pintor de rua nascido em Bristol provocou uma sensação global em outubro do ano passado quando um dos seus icônicos quadros, Girl With Balloon, se rasgou instantes depois de ser vendido por um milhão de libras, cerca de US$ 1,4 milhão, na Sotheby.

Quase exatamente um ano mais tarde, no dia 3 de outubro, outro quadro notável de Banksy será oferecido no mesmo salão de vendas de Londres. Avaliado em 1,5 milhão a 2 milhões de libras, deverá alcançar outro preço alto no leilão de uma obra do arredio artista anônimo.

O quadro Devolved Parliament, que data de 2009, é uma sátira bastante oportuna do establishment político da Grã-Bretanha, em que ele retratou um animado debate na Câmara dos Comuns, realizado inteiramente por chimpanzés. Pintado com espírito no estilo do sombrio realismo dos quadros da Câmaras do Parlamento britânico e com mais de quatro metros de largura, Devolved Parliament será exibido em Londres algumas semanas antes do prazo final do Brexit.

A demanda de obras de Banksy aumentou desde a façanha da Girl With Balloon, quando o mecanismo de fragmentação encrencou na metade da tela, deixando-a pendurada sob a moldura. O quadro, hoje rebatizado Love Is in the Bin, está exposto graças a um empréstimo a longo prazo na Staatsgalerie de Stuttgart, na Alemanha, desde março.

“Apresentado no contexto do museu, terá de enfrentar obras extraordinariamente importantes da história da arte - de Rembrandt a Duchamp e de Holbein a Picasso,” diz o site da Staatsgalerie. A brincadeira artística, destinada a satirizar os excessos do mundo dos leilões, agora se tornou uma peça de museu muito valiosa.

O aumento do interesse encorajou as casas de leilões mais importantes a lucrar com Banksy. Christie’s e Sotheby’s realizaram neste mês a sua primeira venda online de estampas do artista. As estimativas variam de cinco mil libras para imagens menores não assinadas de grandes edições, a 250 mil libras por raridades assinadas.

Segundo dados da Artprice, vendas em leilões de obras de Bansky no mundo inteiro subiram de US$ 6,7 milhões em 2017, para US$ 13,7 milhões em 2018. James Baskerville, o diretor de vendas de Banksy da casa Christie’s, acrescentou que o incidente da tela fragmentada “na realidade reviveu o mercado e o rejuvenesceu. Ele encorajou as pessoas a vender”.

Mas a elevação dos preços poderá encorajar também expectativas não realistas. Todo mundo pede preços mais altos por causa da influência exercida pela peça rasgada. Mas o preço pedido e o de fechamento podem ser muito diferentes”, afirmou Acoris Andipa, um galerista londrino que se especializou em quadros e estampas de Banksy. Na sua opinião, os preços mais altos de obras do artista em geral são alcançados em vendas privadas, e não em leilões públicos.

Andipa afirmou que conheceu as pinturas de Banksy vendendo em particular mais de US$ 5 milhões de obras e que ele continua pintando e vendendo telas a clientes seletos. “Há maneiras e maneiras de adquirir um Banksy no mercado primário desde que você esteja disposto a ater-se a determinadas condições”, afirmou. “É preciso ter muito dinheiro para ficar na lista de espera”, acrescentou Andipa. / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

Tudo o que sabemos sobre:
Banksyleilão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.