Cam Cottrill The New York Times
Cam Cottrill The New York Times

Opções para armazenar ouro estão se expandindo

Com a ansiedade sobre a economia - o que tende a aumentar a qualquer momento em que há turbulência política ou mundial - a necessidade de armazenamento também está crescendo

Danielle Braff, The New York Times - Life/Style

30 de agosto de 2020 | 05h00

Estamos em plena corrida ao ouro moderna. O preço do precioso metal atingiu recentemente uma alta recorde. Uma pesquisa feita com mil pessoas pela Magnify Money constatou que, desde maio, uma em cada seis pessoas investiu em ouro ou em outros metais preciosos, e cerca da metade dos americanos pensa seriamente em comprar ouro. (Depois que a Gallup noticiou em abril que o interesse dos americanos pelas ações esfriou um pouco, como investimento a longo prazo.)

Quer estas pessoas estejam estocando ouro porque estão preocupadas com a aproximação do apocalipse quer simplesmente estejam convencidas de que se trata de um investimento fabuloso, elas têm um sério problema: o seu armazenamento. Barras e moedas são volumosas (sem falar em joias, o que pode ser emocionalmente complicado).

Com a ansiedade cada vez maior em relação à economia – há ocorre uma turbulência política – a necessidade de armazenamento também aumenta. E as opções estão se expandindo para atendê-la. “As opções de armazenamento de ouro e prata em metal cresceram mais em termos de diversidade de localização, preço – inclusive alguns oferecem opções de empréstimo a curto prazo como garantia”, segundo James Anderson, executivo do setor de pesquisa da SD Bullion de Toledo, Ohio.

“Quando comecei nesta área antes da crise financeira de 2008, havia talvez 10 a 20 depósitos para armazenamento do metal. Agora, são centenas nos EUA e no exterior.” As pessoas tendem a comprar ouro quando temem perdas persistentes em ações, títulos, imóveis ou outros investimentos tradicionalmente lucrativos, disse Adrian Ash, diretor de pesquisa da Bullion Vault em West London.

Por isso, os operadores de cofres particulares aumentaram também a sua capacidade – mas especificamente em locais supostamente seguros do ponto de vista político. Como a Suíça e Cingapura, afirmou James Turk, fundador e diretor da Goldmoney Inc. em Toronto. Os bancos da Suíça sempre foram considerados um paraíso seguro para ativos e metais preciosos, mas nos últimos anos muitas pessoas começaram a perder a confiança nos bancos. Consequentemente, tem havido uma demanda cada vez maior no país de cofres que não sejam administrados por bancos.

“No final de 2019, tivemos até de construir um número maior de cofres, quando atingimos 100% da nossa capacidade”, disse Michael Hardmeier, CEO da Sincona Trading AG, cuja sede está localizada em um edifício outrora ocupado por um banco, no centro de Zurique. Os cofres suíços são em geral mais caros do que os da Inglaterra, mas na Inglaterra abriu um novo local, destinado aos que têm um estilo de vida luxuoso.

O cofre fica no interior de uma antiga mansão administrada pela International Bank Vaults (IBV). Um chauffer ao volante de um Rolls-Royce pega os clientes e os leva até a mansão em Londres, onde funcionários de luvas brancas os conduzem até seus cofres (evidentemente, após uma rápida verificação das digitais e da íris,). As caixas estão armazenadas em um cofre revestido de aço supostamente impenetrável para quem quiser obter acesso ilegalmente de qualquer ângulo.

Talvez seja necessário gastar um pouco das barras de ouro para que sejam armazenadas: este é o depósito mais caro do mundo, como é anunciado, e a companhia afirma que só é disponível para bilionários. O aluguel da caixa menor começa a 600 libras esterlinas (cerca de US$ 790) e nela cabem só algumas barras de ouro). Ao contrário de um banco, a IBV London permite que os clientes comprem ouro e o armazenem – e a IBV o recompra, disse Sean Hoey, diretor gerente da IBV London.

Além disso, muitos proprietários de ouro acreditam que os cofres, ao contrário dos bancos, são mais resistente a um derretimento econômico. “Pode-se usar uma cofre, mas as pessoas temem que, no caso de um derretimento econômico, os bancos possam fechar, e os seus metais ficarem presos no seu interior”, disse Gary Cubeta, negociante de ouro do Arizona, presidente e fundador da Insurance for Final Expense.

Mesmo sem um derretimento econômico, há menos confiança nos cofres dos bancos, porque não existem leis federais que governam estes cofres, por isso se algo for roubado ou destruído, o cliente estará perdido. Talvez seja por isso que alguns atualmente optam pela solução ultrapassada e guardam o seu ouro em casa. Numerosos vídeos do YouTube e blogueiros explicam como esconder barras de ouro em qualquer lugar, no meio de carne moída ou no quintal.

Entretanto, é prudente considerar as opções de sua casa antes de simplesmente enterrar o seu ouro embaixo de uma árvore. Cubeta, que aconselha os proprietários de ouro a guardá-lo a cerca de 15 a 20 minutos de sua casa para ter acesso rápido a ele em caso de um derretimento financeiro, disse que a melhor coisa que se pode fazer é guardar metade em um cofre em casa e a outra metade em um cofre em um banco.

“Será necessário um cofre especial para metais preciosos”, afirmou, e explicou que a maioria dos cofres para armas não resiste ao calor do fogo, enquanto os cofres para metais preciosos mantêm o ouro protegido por duas horas. Antes de transferir o ouro para casa, o cliente precisará contatar a seguradora que emite a sua apólice de proprietário de ouro, porque a maioria não cobre grandes quantidades de ouro armazenado em casa.

“Em média, a apólice de seguro de um proprietário da casa padrão cobre cerca de US$ 1 mil para joias ou objetos de valor, e a apólice de seguro comum de uma casa protege a casa média, por isso os limites não serão suficientes para cobrir os itens caros ou valiosos”, disse Lev Bariskiy, CEO do SmartFinancial, um site de comparação de seguros. Há também opções de armazenamento onde a pessoa nunca vê o ouro que possui. Os clientes compram um token digital baseado no ouro físico guardado em um cofre, explicou Joonas Karppinedn, diretor de trading da InfiniGold.

“Um token proporciona aos clientes a propriedade real do ouro em questão – o que é essencial, principalmente se o seu seguro de conteúdo não cobre a sua carteira de metal armazenada em sua casa”, acrescentou Karppinen. Tudo isto é muito bom, a menos que você queira saber o seu peso em ouro. Literalmente. / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

The New York Times Licensing Group - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times

Tudo o que sabemos sobre:
economiainvestimento financeiroouro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.