Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Precisa de um 'reset'? O fim da pandemia pode ser um novo começo

Precisa de um 'reset'? O fim da pandemia pode ser um novo começo

Estudos mostram que os momentos de quebra oferecem uma oportunidade única para estabelecer e atingir novas metas

Tara Parker-Pope - The New York Times - Life/Style, O Estado de S.Paulo

14 de junho de 2021 | 05h00

Se alguma vez houve um momento perfeito para uma mudança de vida, este momento é agora.

Os cientistas do comportamento sabem há muito que o tempo da interrupção e do trauma também cria novas oportunidades de crescimento e mudança, o rompimento ocorre quando a vida nos tira das nossas rotinas normais. Talvez uma mudança de cidade, o início em um novo emprego, casar ou divorciar ou o nascimento de um filho. E para muitos, nunca houve uma interrupção maior da existência do que a da pandemia, que mudou a maneira como trabalhamos, comemos, dormimos e nos exercitamos, até mesmo como nos relacionamos com amigos e a família.

“Acho que este novo começo é realmente uma grande oportunidade”, disse Katy Milkman, professora da Wharton School e autora do livro How to Change: The Science of Getting From Where You Are to Where You Want do Be [Como mudar: a ciência do ir de onde você está para onde você quer estar, em tradução livre].

“Não sei quando teremos outra como esta. Temos esta página em branco para trabalhar com ela. Tudo está sobre a mesa para um novo começo”.

Grande parte da pesquisa de Katy se concentra na ciência dos novos inícios, que ela chama de “o efeito do novo começo”. Ela e seus colegas constataram que nós nos sentimos mais inclinados a fazer mudanças importantes nas proximidades de “grandes marcos temporais” - certos momentos no tempo que naturalmente associamos a um novo início. O Primeiro Dia do Ano é o marco temporal mais óbvio das nossas vidas, mas os aniversários, o início da primavera, o início do novo ano letivo, até mesmo o começo da semana, o primeiro dia do mês são todos marcos temporais que criam oportunidades psicológicas de mudança.

Para muitas pessoas, a retirada das restrições da pandemia e a vacinação significam poder planejar as férias e voltar a um trabalho mais normal e às rotinas da escola. É exatamente o tipo de novo começo psicológico que pode criar o efeito do novo começo, disse Milkman. “Como será a rotina do almoço? O que é nossa rotina de exercícios físicos? É preciso repensar em uma oportunidade. Como queremos que seja um dia de trabalho?”

Não é tarde demais para ‘resetar’

À medida que a pandemia retrocede, algumas pessoas temem que o ano passado em confinamento, nas restrições e no tempo em casa, tenha constituído uma oportunidade perdida. Leslie Scott, organizadora de eventos sem fins lucrativos em Eugene, Oregon, acha que viveu confusa um ano estressante, em lugar de usar o tempo para fazer mudanças de vida significativas.

“Às vezes, eu me pergunto se desperdicei este tempo que nos foi dado”, disse Leslie, organizadora do Festival das Trufas de Oregon. “Tenho uma enorme ansiedade, temo que só estejamos retrocedendo para o que as pessoas consideram normal. Ao sairmos dos nossos casulos, será que estarei emergindo de algo e indo para algo novo? Ou estarei apenas parada?”

Enquanto algumas pessoas criaram novos hábitos durante os fechamentos, não é tarde demais se você passou os seus dias na pandemia só sobrevivendo. A boa notícia é que o fim da pandemia é provavelmente o momento mais oportuno para uma mudança significativa do que quando experimentamos a enorme ansiedade dos fechamentos.

“A covid-19 foi uma época horrível para muitos”, disse Laurie Santos, professora de psicologia de Yale onde dá um curso popular on-line intitulado “A ciência do bem-estar”. “Há abundantes evidências do chamado crescimento pós-traumático - o fato de podermos sair mais fortalecidos e com um pouco mais de sentido nas nossas vidas depois de passar por eventos negativos. Acho que todos nós podemos aproveitar  deste terrível período de pandemia como a chance de acrescentar algum crescimento pós-traumático às nossas próprias vidas”.

E qual será o seu próximo capítulo?

Um dos maiores obstáculos à mudança sempre foi o costume de estabelecer rotinas difíceis de romper. Mas a pandemia acabou com as rotinas de muita gente, e nos preparou para um ‘reset’, disse Santos.

“Todos nós  acabamos de mudar consideravelmente as nossas rotinas”, acrescento. “Acho que muitos se deram conta de que, durante a pandemia, algumas das coisas que estávamos fazendo antes da covid não eram coisas que levassem a uma evolução pessoal. Acho que muitos compreenderam que alguns aspectos da nossa vida no trabalho e na família, e até mesmo nossas relações provavelmente precisarão mudar se quisermos ser mais felizes.”

Um dos motivos pelos quais novos começos podem ser tão eficazes é o fato de que os seres humanos tendem a pensar a passagem do tempo em capítulos ou episódios, e não como uma continuação, disse Milkman. Consequentemente, pensamos o passado em termos de períodos, como os nossos anos no colégio, os anos de faculdade, os anos durante os quais vivemos em determinada cidade ou trabalhamos em determinado emprego. Indo em frente, provavelmente olharemos para trás para o ano da pandemia como um capítulo igualmente único nas nossas vidas.

“Temos capítulos de rompimento, como se a vida fosse um romance. É desse modo que marcamos o tempo”, prosseguiu Milkman. “Isto tem implicações para a psicologia dos novos começos, porque estes momentos que abrem um novo capítulo nos dão a sensação de um novo começo.

“É mais fácil atribuir eventuais falhas ao ‘meu antigo eu’. Você tem a sensação de que agora poderá realizar muitas coisas mais, porque inicia um novo capítulo”. / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

The New York Times Licensing Group - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times

Tudo o que sabemos sobre:
coronavírussaúde mental

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.