Max Rossi/Reuters
Max Rossi/Reuters

Papa assume riscos e mostra indícios de mudanças na Igreja

O pontífice está reformando as relações entre a Igreja Católica e o mundo moderno, mas escândalos de abusos sexuais na Igreja podem arranhar sua imagem

Ross Douthat, The New York Times

24 Março 2018 | 10h15

Em um espaço de tempo consideravelmente breve - na realidade, desde os primeiros dias depois de ter sido eleito - o papa Francisco tornou o seu pontificado um repositório de esperanças para a religião da qual muitos de seus admiradores nem sequer tinham consciência ou lembravam ter.

Sua admiração reflete em parte as controvérsias específicas que ele vem despertando no interior da Igreja, os riscos teológicos que tem assumido ao pressionar por mudanças que, como os ocidentais liberais em geral supõem, o catolicismo terá de aceitar - acima da tudo, mudanças no campo da moralidade sexual, e uma liberalização geral na hierarquia e na Igreja.

Quando as pessoas dizem: “Ele me dá vontade de voltar a crer”, não costumam prestar muita atenção nas batalhas que se travam entre os cardeais e os teólogos em relação à amplitude de seu programa ou à sua possível atitude herética. Tampouco se preocupam com sua maneira de governar o Vaticano, onde Francisco é um reformador sem importantes reformas, e uma possível limpeza talvez jamais venha a se materializar.

Ao contrário, as pessoas estão impressionadas com a iconografia de seu papado - as vívidas imagens de humildade e caridade cristã, da ablução dos pés de presos ao abraço a criancinhas desfiguradas que caminham inseguras ao seu encontro em eventos públicos. O papa tem um grande dom pelos gestos que oferecem uma ‘imitatio Christi’ pública, uma imitação de Cristo.

Criticar este papa, portanto, implica assumir a posição de George Orwell, que, referindo-se a Mohandas Gandhi, disse: “Os santos deveriam ser sempre julgados culpados até comprovarem sua inocência”. Com a exceção de que os críticos mais sérios do papa não são os céticos como Orwell: são fiéis católicos, para os quais a crítica a um pontífice é um pouco como a crítica que um filho faz ao pai.

Mas não criticar Francisco implica em não fazer justiça à dimensão de suas ambições e propósitos , à sua clara posição como a mais importante figura religiosa de nosso tempo.

Estas ambições e propósitos não são aqueles para as quais ele foi eleito. Os cardeais que escolheram Jorge Bergoglio o consideravam o austero "outsider".

A vida no Vaticano está mais conturbada do que sob Bento XVI, a ameaça das demissões e dos expurgos é sempre presente, e o poder de certos ofícios foi reduzido. Os projetos da reorganização foram adiados; muitos príncipes da Igreja obtiveram mais poder sob Francisco; e até mesmo os admiradores do papa brincam com sua atitude procrastinadora: “no próximo ano, no próximo ano...”, em relação às reformas.

A resposta do papa ao escândalo dos abusos sexuais, inicialmente enérgica, agora parece comprometida por sua própria parcialidade e pela corrupção entre os íntimos de seu círculo. Francisco acaba de fazer uma visita ao Chile, onde defendeu veementemente um bispo acusado de fechar os olhos aos abusos sexuais, enquanto um de seus principais assessores é acusado de proteger um bispo acusado de abusar de seminaristas.

Portanto, a visão deste papa como “grande reformista” realmente não se justificará por qualquer tipo de “arrumação” da casa romana. Ao contrário, as energias reformadoras de Francisco voltaram-se para outro objetivo: duas tréguas dramáticas.

A primeira trégua que este papa busca é na cultura da guerra que todos conhecem tão bem na cultura ocidental, a luta pela necessidade de revisão ou de abandono da ética sexual do Novo Testamento diante da realidade da revolução pós-sexual.

Mas em lugar de mudar formalmente o ensinamento da Igreja sobre o divórcio e um novo casamento, o casamento entre pessoas do mesmo sexo, e a eutanásia, o Vaticano de Francisco dá um duplo passo.

Em primeiro lugar, está sendo traçada uma distinção entre a doutrina e a prática pastoral que afirma que a mera mudança pastoral pode deixar intocada a verdade da doutrina. Por isso, um católico que volta a se casar pode comungar sem que sua primeira união seja anulada, um católico que planeja um suicídio assistido pode ainda receber a Extrema Unção, e talvez um católico gay possa obter a bênção para a sua união com uma pessoa do mesmo sexo - contudo, supostamente, nada disso muda o ensinamento da Igreja sobre a indissolubilidade do casamento e o suicídio como um pecado mortal, e a impossibilidade do casamento com uma pessoa do mesmo sexo desde que seja sempre tratada como uma exceção e não como uma regra.

Ao mesmo tempo, Francisco tem permitido uma tácita descentralização da autoridade da doutrina, graças à qual diferentes dioceses e diferentes países adotam abordagens distintas em relação a questões controversas.

De fato, ele está experimentando um modelo muito mais anglicano em relação à maneira como a Igreja católica deveria operar - em que os ensinamentos tradicionais da Igreja estão disponíveis para serem usados, mas não exigidos, e diferentes dioceses de diferentes países podem evoluir gradativamente de maneira independente umas das outras.

No ano passado, ele acrescentou uma segunda trégua: o governo comunista da China. Francisco quer um compromissos com Pequim que reconciliaria a Igreja católica subterrânea da China leal a Roma com a Igreja católica “patriótica” dominada pelos comunistas. Esta reconciliação exigiria que a igreja cedesse ao Politburo parte de sua autoridade na questão da nomeação dos bispos - uma concessão conhecida na Idade Média, mas algo que a Igreja moderna tentou abandonar.

Uma trégua com Pequim seria diferente da trégua com a revolução sexual pelo fato de que não está em jogo nenhuma questão da doutrina, e ninguém duvida de que o papa tenha autoridade para concluir uma concordata com um regime hostil.

Entretanto, ambas as tréguas acelerariam a transformação do catolicismo em uma confederação de igrejas nacionais - liberal e semiprotestantizada no norte da Europa, conservadora na África Subsaariana, supervisionada pelos comunistas na China. Ambas tratam as preocupações de muitos fiéis católicos - os crentes conservadores no Ocidente e os fiéis subterrâneos na China - como obstáculos à grande estratégia do papa. Ambas levantam o fantasma do cisma colocando cardeais contra cardeais, e contra o próprio papa.

Acima de tudo, ambas as tréguas põem em risco uma grande questão - por um lado, a coerência da doutrina católica; por outro, a clareza do testemunho católico para a dignidade humana - em nome da reconciliação da Igreja com os poderes terrenos. Elas assumem este risco em um momento em que nem o comunismo chinês, nem o liberalismo ocidental parecem modelos confiáveis e flexíveis para o futuro da humanidade - o primeiro, por seu retrocesso para o totalitarismo; o segundo, decadente e prejudicado por revoltas populistas.

Se estas duas apostas fracassarem totalmente, o legado de Francisco será julgado com toda a severidade - apesar de seu carisma e de sua influência nos observadores seculares.

Os riscos da cartada chinesa já são evidentes na linguagem bajuladora que os aliados de Francisco têm usado em relação ao regime comunista, e a sua ânsia por tranquilizar Pequim de que Roma jamais mesclará religião e política.

A China poderia acabar tendo uma das maiores populações cristãs do mundo no final do século, e esta população já é em grande parte evangélica; o desejo do Vaticano por um acordo com Pequim é influenciado pelo fato de que um catolicismo chinês dividido está sendo superado para os convertidos.

Mas se este acordo vincular permanentemente a Igreja romana a um regime corrupto, Francisco terá cedido a autoridade moral conquistada pelas gerações perseguidas, e cedido o futuro chinês às igrejas cristãs menos ansiosas por bajular e persuadir seus perseguidores.

As tréguas são insatisfatórias, e a instabilidade é excitante, além do que talvez valha a pena travar guerras civis teológicas. Contudo, não há qualquer sinal de que a liberalização de Francisco traga seus admiradores católicos não praticantes de volta às igrejas.

Esta história ainda poderá acabar com o papa revelando-se visionário e heroico. Mas escolher um caminho que posa ter apenas dois destinos - o heroico ou o herético - é também um ato de presunção, mesmo para um papa.

Mais conteúdo sobre:
Igreja Católica Papa Francisco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.