Barbara Klump/Max Planck Institute of Animal Behavior via The New York Times
Barbara Klump/Max Planck Institute of Animal Behavior via The New York Times

Papagaios do lixo inventam novas habilidades nos subúrbios australianos

As inteligentes e adaptáveis cacatuas de crista amarela de Sydney aprendem a abrir latas de lixo observando umas às outras

James Gorman, The New York Times - Life/Style, O Estado de S.Paulo

26 de novembro de 2021 | 05h00

Você já ouviu falar dos pandas do lixo: guaxinins atacando o lixo. E papagaios do lixo?

As cacatuas de crista amarela, que podem soar exóticas para americanos e europeus, estão por toda parte nas áreas suburbanas de Sydney. Elas se adaptaram ao ambiente humano e, como são conhecidas por serem hábeis na manipulação de objetos, não é totalmente surpreendente que tenham buscado uma rica fonte de alimentos. Mas é possível dizer que a disseminação de seu último truque, abrir latas de lixo, revela o aprendizado social e a evolução cultural dos animais.

Os pássaros não apenas adquirem a habilidade imitando os outros, o que é um aprendizado social, mas os detalhes da técnica evoluem para diferir em diferentes grupos à medida que a inovação se espalha, uma marca da cultura animal.

Barbara C. Klump, uma ecologista comportamental do Instituto Max Planck de Comportamento Animal na Alemanha e a primeira autora de um relatório sobre a pesquisa com cacatuas na revista Science, disse: "Na verdade, é um comportamento muito complexo porque tem vários estágios."

Klump e seus colegas separaram o comportamento em cinco movimentos. Primeiro, um pássaro usa seu bico para arrancar a tampa do recipiente. Então, ela disse, “eles abrem a tampa, e seguram-na, depois caminham por um lado, e então viram-na. E em cada um desses estágios, há variação. ”

Alguns pássaros andam para a esquerda, outros para a direita; eles dão passos diferentes ou mantêm suas cabeças de forma diferente. O processo é semelhante à disseminação e evolução das inovações culturais humanas como a linguagem, ou um exemplo clássico da cultura animal, o canto dos pássaros, que pode variar de região para região na mesma espécie.

Klump e seus colegas na Alemanha e na Austrália demarcaram a disseminação do comportamento na grande Sydney ao longo de dois anos. O comportamento tornou-se mais comum, mas não apareceu em locais aleatórios como aconteceria se pássaros diferentes estivessem descobrindo a técnica da lixeira por conta própria. Ele se espalhou para fora de seu ponto de origem, indicando que as cacatuas estavam aprendendo a fazer isso umas com as outras.

A nova habilidade das cacatuas abre um novo recurso para os pássaros. É a evolução cultural adaptativa, espalhando-se na velocidade da luz em comparação com a evolução biológica. Klump observou que a cultura foi chamada de segundo sistema de herança, e isso se aplica tanto a humanos como a animais, permitindo que nós e eles nos adaptemos e mudemos rapidamente nosso comportamento.

É impossível saber qual pássaro ou pássaros desenvolveram primeiro a técnica da lixeira, mas aparentemente não existe um único gênio entre as cacatuas. Durante o curso do estudo, o comportamento apareceu pela segunda vez em um subúrbio muito longe do primeiro para que a propagação fosse por meio do aprendizado social, disse Klump. A técnica foi inventada novamente.

Os cientistas observaram o aprendizado social e o que eles chamam de cultura em primatas, pássaros canoros e outros animais. Diferentes grupos de chimpanzés mostram padrões ligeiramente diferentes no uso de ferramentas, por exemplo, como as cacatuas.

Os pesquisadores não apenas observaram as diferentes técnicas em diferentes áreas, mas também marcaram e observaram cerca de 100 cacatuas para entender melhor o comportamento individual.

Eles descobriram que aproximadamente 30% das aves tentaram abrir as lixeiras e cerca de 10% conseguiram. A maioria dos pássaros bem-sucedidos eram machos. Klump disse que os machos tiveram sucesso porque tendem a ser maiores e talvez sejam mais capazes de lidar com as demandas físicas. Ou pode ser que ocupassem uma posição superior e normalmente teriam o primeiro acesso aos alimentos.

Mas e os pássaros que não estavam tentando abrir as lixeiras? Eles simplesmente não eram inteligentes ou grandes o suficiente? Não necessariamente, disse Klump, porque uma vez que as lixeiras estivessem abertas, qualquer cacatua poderia entrar e procurar alimentos sem ter feito nenhum trabalho. Talvez, ela disse, elas tenham uma estratégia: “Este pássaro pode fazer isso; Vou apenas esperar eles abrirem." Se isso é verdade, é assunto para pesquisas futuras.

Mark O’Hara, da Universidade de Medicina Veterinária de Viena, que estuda as cacatuas selvagens de Goffin na Indonésia, disse que o estudo "combina perfeitamente a ciência cidadã com observações diretas rigorosas".

Ele disse que estava particularmente interessado nos papagaios maiores e de posição superior fazendo o trabalho de explorar o novo recurso. “Em primatas”, ele disse, “os indivíduos de posição inferior precisariam encontrar novas maneiras de acessar alimentos, enquanto os indivíduos mais fortes e dominantes poderiam simplesmente deslocar e explorar essas 'descobertas'”.

A primeira espécie de papagaio conhecida por abrir latas de lixo foi o kea, na Nova Zelândia, em um parque. Mas, nesse caso, disse O’Hara, os humanos cortaram a evolução cultural pela raiz. “Teria sido interessante ver como o kea teria se desenvolvido ao longo do tempo, mas, infelizmente, o parque não ficou muito feliz com os ataques às lixeiras e acabou trocando suas tampas.” /TRADUÇÃO LÍVIA BUELONI GONÇALVES

The New York Times Licensing Group - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times

Tudo o que sabemos sobre:
avesbiologiaciência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.