Corinna Kern for The New York Times
Corinna Kern for The New York Times

Peregrinos caminham em meio a campos minados em local de batismo de Jesus

Minas e explosivos remanescentes estão nos campos ao redor de Qasr al-Yahud desde a década de 1970

Isabel Kershner, The New York Times

12 Abril 2018 | 15h15

LOCAL DO BATISMO QASR AL-YAHUD, CISJORDÂNIA - Um por um, os peregrinos mergulharam sob as águas frias e de tom cáqui do rio Jordão, caminhando desde a margem ocidental controlada pelos israelenses para “rededicar” sua fé no local onde João Batista acredita-se que tenha batizado Jesus.

O rio aqui é estreito e preguiçoso, forrado de juncos verdes vívidos e pontilhado de palmeiras.

“Estava muito frio!”, exclamou Laura Ng, 58 anos, integrante de um grupo de estudo bíblico cristão de Cingapura, quando emergiu da água escura em uma camiseta roxa. “Mas quando eu fiquei imersa, me senti completamente limpa”.

Localizado a poucos quilômetros ao norte do Mar Morto e a leste da cidade de Jericó, na parte da Cisjordânia ocupada por Israel, o local de batismo atraiu cerca de 570 mil visitantes no ano passado. No entanto, as cenas pacíficas de peregrinação de hoje desmentem a turbulenta história da região como uma zona de batalha.

O local permaneceu proibido por décadas depois que Israel capturou a Cisjordânia da Jordânia na Guerra Árabe-Israelense de 1967. Israel e a Jordânia assinaram um tratado de paz em 1994, e desde então Israel renovou uma pequena parte do local, abrindo-a ao público em 2011.

Mas soldados israelenses ainda patrulham para garantir que ninguém cruze o rio para o lado jordaniano. Para chegar à água, os peregrinos precisam passar por uma zona militar, seguindo por um caminho estreito cercado por campos minados.

As minas antipessoal e antitanque foram plantadas por batalhões militares israelenses após a guerra de 1967 como parte de uma nova linha de defesa. Em meados de fevereiro, um jipe militar israelense passou por cima de uma mina terrestre enterrada na areia aqui; sete soldados ficaram feridos. O casco enegrecido do veículo é visível desde a estrada ladeada de sinais de perigo.

As igrejas e composições de oito denominações construídas por volta da década de 1930 na área foram abandonadas há cinco décadas e permanecem fora dos limites permitidos.

Acredita-se que os engenheiros do exército israelense colocaram armadilhas nas janelas e portas dos santuários e das celas dos monges, em sua maioria pertencentes às igrejas ortodoxas orientais, porque estavam sendo usadas como cobertura para combatentes palestinos que se infiltravam da Jordânia para atacar israelenses.

Agora, em um esforço para reabilitar e abrir o restante do local, a Halo Trust, uma instituição de caridade britânica e de remoção de minas, iniciou uma operação para remover os explosivos remanescentes. Apesar do constrangimento político de trabalhar em território ocupado, os palestinos e israelenses compartilham um interesse em promover o turismo cristão.

A expansão de Qasr al-Yahud pode aquecer a competição entre as duas margens do rio Jordão, sobre a qual está o autêntico local do batismo. O lado jordaniano, que possui um complexo de igreja com uma cúpula dourada, é conhecido como Al Maghtas, árabe para o batismo, ou como Betânia, além do Jordão.

Em 2012, a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) designou o banco oriental jordaniano como Patrimônio da Humanidade, declarando que se acredita ser o local do batismo de Jesus.

Não parece haver qualquer evidência arqueológica em ambos os lados do primeiro século. Mas uma aparente referência bíblica à margem oriental aparece em João 1:28: “Estas coisas foram feitas em Betânia, além do Jordão, onde João estava batizando”.

Mas Qasr al-Yahud, do lado controlado por Israel, já se mostrou mais popular entre os peregrinos. A entrada é gratuita e está perto de outros locais cristãos.

O trabalho com minas terrestres, que começou em 11 de março, é meticuloso. As várias unidades israelenses que passaram não deixaram nenhum registro ou mapas de onde colocaram as minas, e os comandantes que podiam ser rastreados não conseguem se lembrar com precisão.

“A guerra é uma maneira de alcançar um objetivo político”, disse James Cowan, diretor executivo da Halo Trust. “As minas terrestres permanecem letais por décadas depois que o propósito político passou”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.