Sophie Gerrard para The New York Times
Sophie Gerrard para The New York Times

Ponte na Escócia é conhecida por mortes misteriosas de cães

Moradores divergem sobre motivo de centenas de cães terem pulado da estrutura desde 1950

Ceylan Yeginsu, The New York Times

03 de abril de 2019 | 06h00

DUMBARTON, ESCÓCIA - “Eu tinha certeza que ela tinha morrido", disse Lottie Mackinnon em voz baixa. Lottie estava descrevendo um dia, três anos atrás, quando estava passeando com sua border collie, Bonnie, pela ponte Overtoun, em Dumbarton, Escócia. “Bonnie foi tomada por alguma coisa assim que nos aproximamos da ponte", disse Lottie. “Primeiro ela empacou, imóvel, e em seguida ficou possuída por uma energia estranha, correu e pulou da beira da ponte.”

A cadela de Lottie faz parte das centenas de cães que os escoceses dizem ter pulado misteriosamente da estrutura gótica em pedra desde os anos 1950. Muitos animais acabaram mortos nas rochas do vale logo abaixo. “Foi um milagre ela ter sobrevivido", disse Lottie. Os moradores de Dumbarton, a noroeste de Glasgow, começaram a chamar Overtoun, uma ponte de mais de um século que transpõe um desfiladeiro de 15 metros de largura, de “ponte onde os cães se matam".

Apesar da reputação macabra, a região de Overtoun ainda é muito procurada por aqueles que desejam passear com seus cachorros. Pesquisadores locais estimam que mais de 300 cachorros pularam da ponte; para os tabloides, o número seria mais próximo de 600. Pelo menos 50 cães teriam morrido.

À distância, parece que a ponte, construída em 1895, é apenas a extensão do acesso a uma mansão vizinha, do século 19, construída pelo rico industrialista James White. Alguns dizem que há explicações racionais envolvendo o relevo e os odores dos mamíferos no despenhadeiro, que poderiam enlouquecer os cachorros.

Outras explicações apostam em algo mais paranormal. “Depois de 11 anos de pesquisas, estou convencido que o responsável por tudo isso é um fantasma", declarou Paul Owens, que cresceu em uma cidade perto da ponte e publicou recentemente um livro a respeito do mistério.

A teoria de Owens é popular entre alguns moradores locais, que cresceram ouvindo a respeito da “mulher de branco de Overtoun", a viúva de John White, filho de James. “A mulher viveu sozinha e em luto por mais de 30 anos após a morte do marido, em 1908", disse Marion Murray, moradora de Dumbarton. “O fantasma dela paira por aqui desde então.”

Em 2010, o especialista em comportamento animal David Sands investigou o fenômeno e excluiu a possibilidade de um suicídio deliberado por parte dos animais. Seus experimentos na ponte revelaram que os cães são atraídos pelo cheiro dos mamíferos no fundo do despenhadeiro. Sands calcula que a combinação da perspectiva limitada dos cachorros com sua ignorância do declive logo adiante e os cheiros trazidos pelo ar acaba excitando-os ao ponto de saltarem.

Para alguns moradores, essa teoria parece plausível, mas muitos aqui ainda perguntam por que o mesmo fenômeno não é observado em outras pontes onde as condições são parecidas. “Não há espíritos amaldiçoados assombrando as outras pontes", insistiu Lottie. / TRADUÇÃO DE AUGUSTO CALIL

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.