Kathryn Gamble/The New York Times
Kathryn Gamble/The New York Times

Vai praticar exercícios depois que teve covid-19? Siga essas instruções

Danos ao coração e aos pulmões podem ocorrer mesmo em casos leves da doença, o que leva os médicos a recomendarem cautela ao retomar os exercícios físicos

Dr. Jordan D. Metzl, The New York Times - Life/Style

05 de janeiro de 2021 | 05h00

Durante os 20 anos mais recentes, quando os pacientes me perguntavam a respeito da prática de exercícios enquanto se recuperavam de uma doença viral como a gripe, eu lhes dava sempre o mesmo conselho: dê ouvidos ao seu corpo. Se exercícios costumam fazer com que você se sinta melhor, vá adiante.

A covid-19 mudou meu conselho. No início da pandemia, conforme a onda inicial de pacientes com covid-19 começaram se recuperar e apresentar melhora clínica, eu e meus colegas notamos que alguns de nossos pacientes tinham dificuldade em retomar seus níveis anteriores de atividade.

Alguns falavam em fadiga extrema e dificuldades para respirar, enquanto outros sentiam como se o rendimento físico anterior estivesse agora fora do seu alcance. Também observamos uma incidência especialmente alta de arritmias cardíacas decorrentes da miocardite, uma inflamação do músculo do coração que pode enfraquecer o órgão e, em casos raros, levar a ataques cardíacos súbitos. Outras complicações como coágulos sanguíneos também se tornaram mais prevalentes.

O mais surprendente é que vimos esses problemas em pessoas anteriormente saudáveis e de bom condicionamento físico que tiveram casos leves de covid-19 sem jamais necessitarem de hospitalização. No meu consultório de medicina esportiva, uma ciclista na casa dos 40 anos que tinha apresentado recentemente sintomas da covid-19 teve dores nas pernas tão anormais a ponto de exigir um ultrassom, que mostrou a obstrução quase completa do fluxo sanguíneo por causa de coágulos nas artérias e veias de ambas as pernas.

Felizmente, nossa equipe identificou o problema logo, antes que chegasse aos pulmões, onde poderia tê-la matado. Recentemente, uma universitária em Indiana com covid-19 morreu quando um coágulo chegou aos seus pulmões. Conforme a pandemia evoluiu, aprendemos que o risco de coágulos sanguíneos é muito maior para quem contrai o vírus. Naqueles primeiros meses da pandemia, eu e meus colegas soubemos de uma funcionária do sistema de saúde mental de Nova York com pouco mais de 30 anos, uma atleta dedicada que desenvolveu sintomas da covid-19.

A febre baixa e a congestão ficaram para trás, mas ela continuou se sentindo “lerda”. Como já tinha feito várias vezes antes para superar uma doença, ela saiu para correr e, com isso, se sentir melhor. Morreu durante a corrida, em decorrência de um ataque cardíaco; parece que ela tinha uma miocardite não diagnosticada causada pela covid-19. Sabemos agora que o coração é uma fonte de preocupação especial após a infecção pelo coronavírus.

Um estudo publicado na JAMA Cardiology analisou 100 homens e mulheres na Alemanha, com média de idade de 49 anos, todos recuperados da covid-19, e sinais de miocardite foram encontrados em 78%. A maioria era saudável antes, sem condições médicas preexistentes antes da infecção.

Um estudo menor envolvendo atletas universitários recuperados da covid-19 revelou que 15% deles tinham indícios de inflamação cardíaca. Os especialistas seguem analisando os dados envolvendo os riscos de doenças cardíacas para ajudar os clínicos a determinarem quando os atletas podem retomar suas atividades.

Conforme a pandemia prossegue, ouvimos incontáveis relatos de atletas de elite no auge do condicionamento físico que lutam para recuperar a forma depois de contraírem a covid-19. Mais de uma dezena de atletas da equipe olímpica feminina de remo dos EUA que contraíram o vírus em março descreveram uma fadiga que persistiu por semanas após a doença em si.

Atletas recreativos, como corredores e triatletas, se queixaram de prolongados sintomas respiratórios durante os exercícios. Problemas pulmonares decorrentes da covid-19, como a pneumonia, causaram dificuldades para respirar durante os exercícios mesmo semanas ou meses após a infecção.

Para ajudar os pacientes a retomar a atividade após uma infecção leve ou moderada pela covid-19, eu e meus colegas do Hospital de Cirurgias Especiais publicamos um conjunto de recomendações com base em evidências, na análise da literatura disponível à medicina e no nosso entendimento da doença, em constante evolução.

Nossos parâmetros de “retorno à atividade” recomendam muito mais cautela do que antes, com base na natureza imprevisível do efeito do vírus em cada pessoa. Quem teve um caso grave de covid-19 ou foi hospitalizado por causa da doença deve consultar um médico para saber se é seguro fazer exercícios. Mas até pessoas que apresentaram sintomas leves ou nenhum sintoma devem ter precaução antes de voltarem a se exercitar.

Entre as nossas recomendações estão as seguintes.

Não faça exercícios se ainda estiver doente. Não faça exercícios se ainda apresentar sintomas, incluindo febre, tosse, dores no peito, falta de ar mesmo em repouso, ou palpitações.

Retome lentamente os exercícios. Mesmo se tiver apresentado apenas sintomas leves, sem dor no peito nem falta de ar, ainda é recomendável esperar até que se passem pelo menos sete dias sem apresentar nenhum sintoma antes de retomar os exercícios. Comece com 50% da intensidade normal. O recomendado é um retorno gradual, lento, passo a passo, até retomar a atividade plena.

Interrompa os exercícios se os sintomas voltarem. Caso apresente sintomas depois de se exercitar, como dores no peito, febre, palpitações ou falta de ar, procure um médico.

Alguns pacientes devem consultar o cardiologista antes de se exercitarem. Caso sinta dores no peito, falta de ar ou fadiga durante a doença, consulte um cardiologista antes de retomar a atividade esportiva. Dependendo de como você se sente, o médico pode realizar um teste de inflamação do miocárdio.

Faça um teste. Se apresentar sintomas de gripe ou resfriado, faça o teste da covid-19 antes de retomar os exercícios. Se acha que talvez tenha tido covid-19, um teste pode ajudar você e o seu médico a tomarem decisões a respeito de um retorno seguro aos exercícios. E lembre-se que, como médicos, podemos fazer testes, mas você conhece o próprio corpo melhor do que ninguém. Sabe como costuma se sentir ao subir escadas, correr ou andar de bicicleta.

Se você teve a covid-19, essas atividades se tornaram mais difíceis? Reparou em alguma mudança no seu corpo? Em caso de resposta afirmativa, é importante conversar com o seu médico. Mesmo se nunca tiver sido diagnosticado com covid-19, preste atenção em como se sente.

Muitas pessoas com a covid-19 não sabem que têm a doença, ou apresentam sintomas gerais como indisposição gastrointestinal, fadiga e dor muscular. Então, se você se sentir “estranho” ao praticar exercícios, dê ouvidos ao seu corpo, diminua o ritmo e visite seu médico.

A covid-19 é causada por um vírus agressivo que se espalha com facilidade e traz significativas taxas de morbidez e mortalidade. Em especial, os riscos cardíacos são maiores com a covid-19 do que nos casos de outras doenças virais e, por isso, o melhor é exercer a cautela ao retornar à atividade física. / TRADUÇÃO DE AUGUSTO CALIL

O Dr. Jordan D. Metzl (@drjordanmetzl) é especialista em medicina do esporte no Hospital de Cirurgias Especiais em Nova York.

The New York Times Licensing Group – Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.