Jim Wilson/The New York Times
Jim Wilson/The New York Times

Varetas e um 'sexto sentido': na seca, eles buscam água e estão com a agenda cheia

Em plena seca californiana, proprietários de fazendas e administradores estão recorrendo a pessoas que praticam um método antigo e contestado para procurar água

Livia Albeck-Ripka, The New York Times - Life/Style, O Estado de S.Paulo

12 de agosto de 2021 | 05h00

CALISTOGA, Califórnia - Em um vinhedo ladeado por colinas cobertas de árvores carbonizadas e carvoarias, Rob Thompson segurou duas varetas de aço inoxidável, começou a rodar em círculo e contando baixo.

Depois, ele disse que tinha encontrado - a água estava a centenas de metros abaixo do solo ressecado.

“É maravilhoso”, disse Thompson, 53 anos, traçando com o sapato um X no solo coberto de cinzas. “Essa está a uma profundidade de 150 metros, de 55 a 60 galões por minuto”. E acrescentou: “Essa eu consigo sentir”.

Thompson é um "bruxo da água".

Ele afirma que consegue localizar correntes de água nas fraturas do leito rochoso da terra usando duas varetas em formato de L que, em conjunto, parecem uma antena de TV antiga. Em plena seca extrema na Califórnia, a duas horas de automóvel da capital da tecnologia dos Estados Unidos, o Vale do Silício, os serviços de um homem que busca água utilizando duas varetas de um metro de comprimento e a própria intuição estão sendo intensamente solicitados.

“Nunca fui tão procurado em toda a minha vida”, disse Thompson, terceira geração de caçadores de água, de cabelo grisalho e uma maneira desajeitada de andar. Ele foi coproprietário de uma das maiores empresas de perfuração do norte da Califórnia, mas desistiu e agora procura água em tempo integral.

Sua agenda lotada é um sinal do desespero de fazendeiros, proprietários de vinhedos e administradores de propriedades, enquanto a Califórnia sofre com uma seca devastadora que esgotou os aquíferos, reduziu as safras e obrigou alguns fazendeiros a vender os seus direitos à água.

Acredita-se que a técnica mística da localização de novas fontes de água subterrânea foi muito utilizada inicialmente na Europa na Idade Média. O método é conhecido como radiestesia e os que a praticam são chamados radiestesistas ou "bruxos da água" - termo que pode ter-se originado da prática ser considerada bruxaria no século 17.

A National Ground Water Association, um grupo de especialistas incluindo hidrogeólogos, que promove o uso responsável da água, descreve a bruxaria da água como “totalmente desprovida de mérito científico”. Entretanto, alguns fazendeiros californianos que pagam pelo serviço afirmam que frequentemente ele constitui uma alternativa mais barata aos métodos tradicionais, como a contratação de um geólogo.

A American Society of Dowsers afirma que tem cerca de dois mil membros, vários dos quais são radioestesistas ativos. Outros radioestesistas garantem que podem localizar tesouros, objetos perdidos, formas de vida extraterrestres e estresse no corpo. Alguns deles balançam o pingente de um Buda sobre um mapa impresso ou a tela de um laptop para encontrar o que estão procurando. Thompson - que também pesquisa petróleo, gás e minérios - diz que, quando pisa sobre um lençol d'água, a energia que o cerca muda, provocando nele uma contração muscular involuntária que faz com que as varetas se cruzem.

Ele e alguns outros que buscam água são trabalhadores braçais bastante familiarizados com o cultivo da terra, e, no entanto, as suas crenças no “sexto sentido” ou “os acontecimentos subconscientes” da bruxaria são decididamente mais típicos da Idade Média do que da cultura agrícola. Muitos afirmam que o conhecimento de sua arte foi transmitido pelos mais velhos, e eles reverenciam a antiguidade da prática, mesmo que, às vezes, ela faça com que sejam olhados com desconfiança.

“As pessoas acham que a gente é louco”, disse Larry Bird, 77 anos, um radiestesista de Sacramento que aprendeu o método com o avô. Ele descreveu a sensação de estar perto da água como estar próximo de um campo magnético. “Me deixa quente”, ele disse, “como se desse um curto-circuito em uma bateria”.

Sharry Hope, uma radiestesista de longa data de Oroville, Califórnia, afirma que estar sobre a água a deixa com uma “sensação arrrepiante”. Ela diz que aprendeu uma das técnicas que utiliza para encontrar água nos mapas com um antigo oficial militar. Ela balança um pêndulo até que ele para e aponta para uma “veia d'água”, disse Hope. “Eu só faço a marcação com uma caneta”.

Embora os cientistas e os especialistas em lençóis freáticos deixem claro que os métodos do radiestesista são empíricos e se resumem a um tipo de encantamento, dezenas das ricas regiões vinícolas da Califórnia os contrataram para encontrar água em suas terras.

Uma empresa que administra os vinhedos da Napa Valley contratou radiestesistas para quase todos os 70 vinhedos que administra. “Nunca usei um geólogo para encontrar água”, afirmou Johnnie White, administrador de operações da empresa Piña Vineyard Management.

O proprietário de outra empresa disse que Thompson conseguiu localizar com sucesso poços em várias propriedades. “Ver é crer, não é?”, disse Doug Hill, proprietário da Hill Family Estate, que administra vários vinhedos e uma vinícola em Napa Valley.

Cinquenta dos 58 condados da Califórnia declararam estado de emergência por causa da seca. Os proprietários de água receberam ordens para parar de extrair suas cotas dos rios. Nas fazendas e vinhedos, o aumento da perfuração de poços e da exploração destes poços contribuiu para esgotar as águas subterrâneas deixando alguns sem escolha, senão trazer o precioso recurso com caminhões pipa. A lista de espera por um perfurador pode ser de vários meses a um ano, e a perfuração pode chegar a dezenas de milhares de dólares.

Os hidrogeólogos usam uma combinação de imagens por satélite, topografia, instrumentos geofísicos e outros mecanismos hidrológicos para avaliar os recursos hídricos, disse Timothy Parker, consultor do gerenciamento de águas subterrâneas de Sacramento, geólogo e engenheiro, “em comparação com a radiestesia, que se limita a uma pessoa com uma vareta”.

Segundo Parker e outros especialistas, é possível que eles tenham sorte porque não é difícil encontrar água em muitas partes da Califórnia. Radiestesistas como Thompson, com anos de experiência no setor, também teriam criado uma familiaridade com o ambiente, acrescentaram.

“Questões econômicas, convicções pessoais e fatores como o desespero entram na decisão de tentar a radiestesia”, disse em um e-mail um porta-voz da National Ground Water Association. Embora o grupo compreenda que o desespero pode levar a “explorar todas as opções”, afirmou, por fim, que o método tem sido um desperdício de tempo e dinheiro. / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

The New York Times Licensing Group - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times.

Tudo o que sabemos sobre:
Idade Médiasecaagriculturaágua

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.