Jeff Rotman/Science Source
Jeff Rotman/Science Source

Resgatando tartarugas marinhas das redes de pesca no Quênia

Desde sua fundação, em 1997, a Local Ocean Conservation protegeu cerca de mil ninhos do animal

Amy Yee, The New York Times

27 de outubro de 2018 | 06h00

WATAMU, QUÊNIA - A jovem tartaruga-de-pente foi pega acidentalmente por uma rede de pesca na costa do Quênia, no Oceano Índico. Pescadores acionaram a ONG Local Ocean Conservation, com sede na cidade de Watamu, o único centro de resgate e reabilitação de tartarugas na costa leste da África.

A tartaruga-de-pente, espécie criticamente ameaçada nesta região, pesava meros 3 quilos; indivíduos adultos chegam a 75 quilos. Radiografias mostraram que o trato intestinal do réptil estava obstruído por plástico. Hogaar, como a ONG a batizou, flutuava sem conseguir mergulhar. 

Gases haviam se acumulado em suas entranhas depois que ela comeu pequenos pedaços de plástico confundidos com águas-vivas. Membros da equipe da Local Ocean colocaram Hogaar em uma piscina de reabilitação e lhe deram laxantes. Ela expeliu fezes com tiras de embalagens e tinha pouco apetite.

Após mais de quatro horas, Hogaar morreu. Uma necropsia revelou que seu intestino estava repleto também de lascas afiadas de plástico branco, azul e rosa, além de emaranhados de linhas azuis e cinza.

As tartarugas são répteis que existem há pelo menos 110 milhões de anos e sobreviveram à extinção em massa que matou os dinossauros. Atualmente, porém, tartarugas marinhas de todo o mundo estão ameaçadas de extinção. E estima-se que somente um a cada mil ovos de tartaruga chegue à idade adulta.

As tartarugas-de-pente estão criticamente ameaçadas de extinção em todo o mundo, enquanto as tartarugas-verdes e as tartarugas-comuns estão ameaçadas, de acordo com a União Internacional para a Conservação da Natureza. O status das tartarugas-oliva e as tartarugas-de-couro é de vulnerabilidade.

Todas as cinco espécies são observadas nas águas quenianas. Estima-se que a população global de tartarugas-verdes tenha declinado de 50% a 70% desde 1900.

Os conservacionistas tentam proteger as tartarugas de uma série de ameaças, incluindo a poluição. Desde sua fundação, em 1997, a Local Ocean já protegeu cerca de mil criadouros, realizou mais de 17 mil resgates e deu tratamento a mais de 480 tartarugas em seu centro de reabilitação. Entre 60% e 70% das tartarugas são devolvidas ao oceano.

De 10% a 15% das tartarugas atendidas pela entidade estão doentes porque comeram plástico. A maioria delas não sobrevive. Papilas pontiagudas enfileiradas na garganta das tartarugas impedem que elas regurgitem plástico. E cirurgias no trato gastrointestinal são difíceis de ser realizadas quando é necessário que seus cascos sejam abertos.

A caça em busca de carne, carapaças, óleo e ovos de tartarugas é uma grande ameaça. No Quênia, comer tartaruga é parte da cultura dos habitantes da costa, e os répteis marinhos são fonte de carne e dinheiro para famílias que lutam pelo sustento. Enquanto caçar qualquer espécie ameaçada é ilegal no Quênia e acarreta uma multa de US$ 200 mil, a fiscalização contra a matança de tartarugas é rara.

Enquanto o tormento dos grandes animais ameaçados da África - como elefantes e rinocerontes - chama a atenção do mundo, a conscientização a respeito da importância da proteção da vida marinha ao longo da costa do continente é “completamente ignorada”, afirmou Nicky Parazzi, uma das fundadoras da Local Ocean.

“Aquilo que é necessário para a sobrevivência das tartarugas também é necessário para o nosso lazer e sobrevivência”, afirmou. “Elas representam a saúde do oceano.”

Um ponto positivo é a diminuição da caça na região de Watamu, apesar do grande lucro que os pescadores conseguem com a venda do óleo e da carne dos animais. Uma tartaruga-verde fêmea grande pode render até 75 quilos de carne e 20 quilos de gordura.

Um espécime desses pode render US$ 500 ou US$ 600 - um montante considerável, levando-se em conta que um pescador ganha em média US$ 150 por mês na região.

Membros da equipe da Local Ocean encontram-se frequentemente com pescadores para construir boas relações. “Já estamos com eles há 20 anos”, disse Nicky.

Agentes comunitários oferecem conselhos práticos a respeito da pesca sustentável, o que reduz a caça de tartarugas e estimula os pescadores a participar do processo de retorno ao mar dos répteis apanhados acidentalmente. Os agentes convencem os habitantes locais a não usar métodos ilegais para pescar, como redes de mosquito, veneno e arpões.

Em um dia de primavera, em uma praia daqui, o pescador Kai Shoka aguardava por Fikiri Kiponda, coordenador de observação de tartarugas, depois de ter pescado uma jovem tartaruga-de-pente. Na praia, Kiponda mediu a criatura, a pesou e prendeu tarjas de identificação em suas nadadeiras.

Apesar de a carne das tartarugas-de-pente ser venenosa, elas são valiosas em razão dos desenhos cor-de-âmbar de seus cascos, que parecem pinturas. Suas carapaças são usadas para fabricar bijuterias e bugigangas.

Quando foi solta, esta tartaruga-de-pente rastejou com hesitação pela areia na direção das ondas. Ao chegar no mar, bateu suas nadadeiras vigorosamente, tornando-se uma mancha ondulante enquanto desaparecia no Oceano Índico.

Chamada anteriormente de Watamu Turtle Watch, a Local Ocean emprega atualmente cerca de 20 quenianos, incluindo patrulhas de praia que monitoram e protegem as tartarugas durante a época da reprodução. A ONG também faz visitas a escolas, oferecendo programas educacionais para milhares de estudantes.

“Nossa área de atuação é todo o meio ambiente”, disse Parazzi. “Não acreditamos na preservação de espécies individuais. Salvar as tartarugas não significa nada se elas não tiverem nenhum lugar para pôr seus ovos.” 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.