Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Mary Turner para The New York Times
Mary Turner para The New York Times
David Segal, The New York Times

31 de maio de 2019 | 06h00

AXMINSTER, INGLATERRA - O brasão real é afixado a uma placa na fábrica de tapetes de Axminster nessa cidadezinha de seis mil habitantes no sudoeste da Inglaterra. Sob o selo, vemos as palavras “Por nomeação de sua majestade, a rainha/fábrica de tapetes". Conhecido como uma “recomendação real", o selo e o texto são a recomendação definitiva, uma honra concedida a 816 empresas na Grã-Bretanha, entre lavanderias, cooperativas de pesca e muitos outros.

A Axminster Carpets, fundada em 1755, se tornou parte desse grupo de elite porque produz tapetes macios e coloridos encontrados no Palácio de Buckingham, no Castelo de Windsor e em outros endereços da realeza. Mas não espere ver fotos dessas obras em algum material promocional. A garantia é acompanhada de regras.

“Não podemos mostrar imagens dos tapetes que criamos para a família real em nenhuma rede social, nem usá-las no marketing da empresa, o que é uma pena", disse Jonathan Young, diretor administrativo da Axminster Carpets. Há muitas tapeçarias da Axminster no Twitter. Mas não são exatamente aquelas que a empresa gostaria de destacar. Graças a uma série de acontecimentos improváveis, a Axminster Carpets se vê agora associada à JD Wetherspoon, uma rede de quase 900 pubs que oferecem cerveja barata, filés de segunda e outros quitutes acessíveis na Grã-Bretanha e Irlanda.

Em 2015, um entusiasta da cerveja, Kit Caless, fundou o blog Wetherspoon’s Carpets, catalogando o revestimento do assoalho dos pubs da rede. Quando seguidores no Twitter publicaram fotos do carpete, Caless descobriu que cada pub tinha um carpete diferente. Por que uma rede desse tipo encomendaria carpetes originais para cada um de seus pubs, a um custo de aproximadamente US$ 30 mil? Tim Martin explicou que, quando criou a JD Wetherspoon, em 1979, ele decidiu que cada pub precisava de uma atmosfera própria. Para isso eram necessários obras de arte locais, fotografias e um carpete original.

Em 2016, quando Caless publicou um livro chamado Spoon’s Carpets: An Appreciation, o público descobriu que os carpetes, normalmente objeto de pouca atenção, tinham desenhos únicos, criados com notável talento artesanal. A Axminster Carpets trabalhou com a JD Wetherspoon por apenas dois anos, período durante o qual produziu cerca de 100 carpetes para pubs. O restante dos Axminsters foi feito por empresas rivais.

Isso ocorreu porque ninguém jamais patenteou o termo “Axminster", que evoluiu de um nome de marca para um estilo genérico na Grã-Bretanha. Hoje, Axminster é o nome de um estilo de tapeçaria, definido pelo alto grau de detalhamento e tons coloridos fortes, oferecido por fabricantes de todo o mundo.

Depois da criação do blog e do livro, a Axminster Carpets passou a ser conhecida como empresa que faz os carpetes dos pubs da JD Wetherspoon. Não é o que a Axminster Carpets tinha em mente. Seus escritórios administrativos são decorados com imagens de hotéis caros e mansões respeitáveis aos quais suas tapeçarias se destinaram. Não se vê um único pub nessas fotos.

Os proprietários adorariam que os britânicos pensassem no selo da monarquia quando ouvissem o nome da empresa. Uma recomendação real não é fácil de obter. A empresa deve oferecer produtos ou serviços aos Windsors. É necessária a aprovação da rainha Elizabeth; do marido dela, príncipe Philip; ou do seu filho, príncipe Charles.

O trabalho para a JD Wetherspoon teve um lado positivo. “Se pesquisarmos no Google os termos ‘JD Wetherspoon’ e ‘carpete’, o primeiro resultado é a Axminster Carpets", disse o diretor administrativo, Young. Até 10 vezes por ano, algum fã dos carpetes da JD Wetherspoon entra em contato para encomendar algo parecido. / TRADUÇÃO DE AUGUSTO CALIL

Tudo o que sabemos sobre:
Inglaterra [Europa]Tapete

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.