Amy Lombard para The New York Times
Amy Lombard para The New York Times

Tradicional restaurante italiano sobrevive à onda do Instagram

A velha-guarda do Forlini's, em Nova York, está se adaptando às exigências de um novo público

Alex Vadukul e Amy Lombard, The New York Times

07 Outubro 2018 | 06h00

Enquanto os ratos corriam entre as latas de lixo sob o luar em Chinatown, uma procissão de pessoas bonitas e bem vestidas começou a entrar num antigo restaurante italiano chamado Forlini's. Passaram direto pelo salão de jantar, iluminado a velas, onde comensais um pouco mais velhos os observavam, desviando temporariamente o olhar da vitela e dos mexilhões para acompanhar o estiloso espetáculo.

Uma das primeiras a chegar foi uma modelo/skatista de 20 anos com um milhão de seguidores no Instagram. Do lado de fora, um estilista deixou escapar um gritinho quando sua namorada chegou.

Os frequentadores mais velhos pagaram a conta e foram embora, mas o Forlini's ficava cada vez mais cheio. Os trajes predominantes logo deixaram de ser os paletós e gravatas, substituídos por moda de rua de grife. Os jovens tinham vindo para uma festa de aniversário no salão dos fundos, que logo foi transformado num salão escuro cheio de estilistas, atores, influenciadores digitais, editores de revista, designers, blogueiros e pessoas que não pareciam ter empregos onde deveriam estar na manhã seguinte. Numa das mesas, uma modelo da Victoria's Secret filmou as amigas lançando pétalas de rosa no ar antes de publicar o vídeo no Instagram.

Com a aproximação da meia-noite, todos começaram a seguir para uma "after party" em outro endereço. O êxodo era comandado por Jordan Barrett, um surfista australiano de 21 anos que é atualmente um dos modelos mais requisitados do mundo.

Ele estava lá para a festa da noite - a festa de aniversário de uma influenciadora digital e consultora de criatividade. "Só estou aqui por causa de Jenné Lombardo. Esse restaurante só é importante por causa de Jenné Lombardo. O restaurante nem existia antes dessa noite", disse.

Na verdade, o Forlini's existe desde 1956. Um remanescente de quando o bairro de Little Italy ainda se estendia até ruas que depois seriam convertidas em parte de Chinatown. Localizado na mesma rua que um edifício dos tribunais da justiça criminal de Manhattan, faz décadas que o estabelecimento é a cantina preferida dos funcionários da corte.

Quando tem início o movimento do almoço, às 13h, o Forlini's se torna campo neutro, onde promotores e advogados de defesa podem saborear juntos seu frango com alcaparras. Equipes jurídicas aguardam vereditos antes de celebrarem as vitórias com champanhe ou de seguirem para o bar, onde afogam as derrotas.

A chegada do público mais jovem nesse restaurante do Velho Mundo é parte de uma grandiosa e subversiva tradição nova-iorquina. Numa cidade que tem seu lado mais sujo cada vez mais polido, um certo tipo de jovem romântico busca por autenticidade.

O público vindo do tribunal reconhece com certo ressentimento a presença dos recém-chegados. Para Cynthia Sittnick, 64, que já foi promotora distrital assistente, os novos frequentadores do Forlini's despertavam uma curiosidade antropológica. "Fiquei sabendo que os hipsters começaram a frequentar o Forlini's", disse ela. "Entendo a lógica deles. Acho que o Forlini's é tão despojado que isso lhes parece um atrativo".

O interesse pelo Forlini's certamente aumentou no mês de maio, depois que a revista Vogue escolheu o restaurante como local de sua famosa festa em antecipação ao Met Gala.

Uma selfie no Forlini's se tornou um feito cobiçado pouco depois do espetáculo. Recentemente, uma jornalista da Vogue chamada Brooke Bobb foi ao Forlini's para jantar, e compartilhou suas impressões a respeito do fenômeno. "Está se tornando um lugar da moda", disse Brooke. "Um desses estabelecimentos que vemos com frequência no Instagram. Não é tanto pela comida, e sim pela ideia de parecer bacana sentado naqueles sofás".

Os primos de terceiro grau Joe e Derek Forlini administram o restaurante. Derek, 60 anos, lembra de como teve início a temporada do Forlini's, com um telefonema da Vogue no primeiro trimestre.

"Queremos seu restaurante", disse a pessoa do outro lado da linha. "Queremos que feche o restaurante para nós numa noite de sábado".

Desde aquela noite de maio, uma dúzia de festas estilosas que duraram até o raiar do dia foi agendada no restaurante. E, quanto ao público mais jovem, o Forlini's é só elogios. "São todos bons rapazes", disse Derek Forlini. "Bons meninos. Nunca criaram confusão. Mas alguns são tão magros que nem imagino como conseguem beber álcool".

Um mês mais tarde, com o fim do verão, o destino do Forlini's parecia incerto: teria chegado ao fim o momento de sucesso? Uma visita no horário do almoço indicou que o estabelecimento segue atraindo interessados. Joe Forlini, 65 anos, contava o dinheiro no escritório do restaurante. E Phoenix Johnson, 23 anos, entrou no restaurante para pedir um pappardelle à bolonhesa.

Quando o prato chegou, Johnson subiu na cadeira e começou a tirar fotos. Forlini passou pela mesa dele e brincou com o comensal. "Você deve provar o pappardelle antes de começar a fazer isso!", disse. O jovem sorriu antes de ajeitar um pouco da massa no prato. Depois, Forlini passou novamente pela mesa e o repreendeu. "Não vai comer isso aí? Está esfriando!"

"Sinto muito, mas acho que nem vou comer", disse Johnson.

Mais conteúdo sobre:
Nova York [Estados Unidos]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.